Blog do Rodrigo Mattos

Liga dos Campeões já fatura R$ 1,8 bi a mais do que Copa

rodrigomattos

Crédito da foto: Getty Images

( Para seguir o blog no Twitter: @_rodrigomattos_ )

Com seu ponto de partida em um sorteio badalado nesta quinta-feira, a Liga dos Campeões já supera em R$ 1,8 bilhão a receita anual da Copa do Mundo. Desta forma, consolida-se como o torneio mais rentável do futebol mundial.

Há que se fazer uma ressalva de que o Mundial é um torneio que tem uma fase final em cada quatro anos, por um mês, embora suas eliminatórias se estendam pelos anos. Já a competição mais nobre europeia tem edições anuais que se estendem por toda a temporada.

A UEFA (Federação Europeia) estima a receita desta próxima Liga dos Campeões 2013/2014 em 1,340 bilhão de euros, ou seja, R$ 4,2 bilhões. Para o próximo ano, em que ocorrerá a Copa no Brasil, a Fifa tem a expectativa de ganhar cerca de US$ 1 bilhão, isto é, R$ 2,367 bilhões.

Com pequenas variações, essa foi a renda anual da Fifa durante o quadriênio para este Mundial brasileiro, que deve render pouco menos do US$ 4 bilhões à entidade. A competição europeia também manteve nos últimos anos patamar de arrecadação similar ao da próxima temporada, isto é, pode obter cerca de R$ 16 bilhões em quatro anos.

Em ambos os casos, as rendas vêm essencialmente de patrocinadores e de televisões transmissoras das partidas. A diferença é que a UEFA distribui mais sua receita do que a Fifa.

Clubes europeus dão 900 milhões de euros (R$ 2,8 bilhões) para os clubes participantes, valor que é praticamente o triplo do que a federação internacional repassa para as seleções nacionais.

Se a Liga dos Campeões já supera a Copa, uma comparação com a Libertadores chega a ser covardia. O dinheiro recebido pelo Bayern Munique, como campeão da última temporada, foi de R$ 172 milhões. Isso representa 14 vezes o que foi dado pela Conmebol para o Atlético-MG pelo último título.

Pode se argumentar que a moeda e a economia europeias são mais fortes, o que é verdade. Mas a disparidade também tem um forte componente da incapacidade da Conmebol de se organizar e arrecadar com sua principal competição.

Na semana que houve o show do sorteio da Liga dos Campeões, a entidade sul-americana soltou uma comunicado em que, entre outros pontos, admitiu que “um aspecto pouco explorado'' por ela é o marketing. Essa afirmação ocorre em 2013.  Informou que pretende incrementar seu site e também analisar novos negócios que possam turbinar suas receitas.

Não por acaso os clubes brasileiros terminaram a Libertadores revoltados com a entidade, entre outros motivos, pelas baixas rendas proporcionadas pelo torneio.