Blog do Rodrigo Mattos

Arquivo : Santos

Caixa prioriza Libertadores e já investe R$ 100 mi em times em 2017
Comentários Comente

rodrigomattos

A Caixa Econômica Federal priorizou clubes que estão na Libertadores e previu bônus consideráveis pela conquista do torneio e pelo Mundial. O investimento do banco em times já ultrapassa R$ 100 milhões em contratos fechados para este ano. E há negociações em andamento que podem elevar em até 50% esse montante, chegando a cerca de R$ 150 milhões.

Um levantamento do blog no Diário Oficial mostra que já foram feitos pelo menos 14 renovações ou novos contratos da Caixa no ano de 2017. A esses acordos, soma-se o patrocínio fechado com o Santos e ainda não oficializado.

No total, a previsão de investimento nos 14 contratos é de até R$ 116 milhões por conta das premiações. Excluídos os bônus, os valores fixos ficam em torno de R$ 90 milhões. Com o contrato do Santos, de R$ 16 milhões, isso se eleva a pouco mais de R$ 100 milhões.

Há ainda negociações em aberto com o Vasco (estimativa -R$ 10 milhões), Botafogo (R$ 10 milhões), Corinthians (R$ 30 milhões) e a Chapecoense (sem valor definido). O acordo com a diretoria vascaína está encaminhado após reunião na última sexta-feira, segundo o clube. Se fechar com todos esses times, a Caixa ultrapassará o valor previsto de R$ 132 milhões. O Vitória tinha anunciado renovação, mas o blog não encontrou seu contrato no Diário Oficial.

A  Caixa priorizou clubes que estavam na Libertadores, fora acordos de renovação. No ano passado, a Caixa tinha apenas dois times na competição. Agora, já conta com quatro (Atlético-MG, Atlético-PR, Santos e Flamengo). E pode chegar a seis no total.

Para esses clubes, o banco estabeleceu bônus e premiações maiores do que para os outros pela importância do torneio. A conquista do campeonato sul-americano dá R$ 1,5 milhão, e do Mundial R$ 2 milhões.

Assim, os contratos de Flamengo, Atlético-MG e Atlético-PR têm previsão de empenho de R$ 5 milhões a mais do que o valor fixo. Isso explica a discrepância de R$ 3,5 milhões entre os montantes dos contratos entre os dois grandes paranaenses, e os dois grandes mineiros.

Não houve reajuste para nenhum clube, apenas a inclusão de bônus. A provável expansão do valor total investido pela Caixa resultará em maior número de times caros no cartel.

O Botafogo, por exemplo, já exibe o logo do banco sem ter contrato. “Estamos em fase negocial. Na há pendência. Não posso te garantir que fomos beneficiados pela Libertadores porque não fechamos”, contou o presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira. Mas sua negociação é no patamar do Vasco que, normalmente, obtinha valores maiores por sua camisa.

O blog mandou perguntas para a assessoria da Caixa sobre os patrocínios aos times, mas não recebeu resposta. Além da Libertadores e Mundial, há prêmio de R$ 1 milhão para o Brasileiro, R$ 500 mil pela Copa do Brasil, e R$ 500 mil pela Série B, e R$ 300 mil pela Copa Nordeste. Há uma tabela padrão. Veja o valor fechado com cada clube já no diário oficial (com especificação de quanto é em premiação):

Flamengo – até R$ 30 milhões (R$ 5 milhões em premiações)

Atlético-MG – até R$ 16 milhões (R$ 5 milhões em premiações)

Cruzeiro – até R$ 12,5 milhões (R$ 1,5 milhão em premiações)

Atlético-PR – até R$ 11 milhões (R$ 5 milhões em premiações)

Bahia – até R$ 7,8 milhões (R$ 1,8 milhão em premiações)

Sport – até R$ 7,8 milhões (R$ 1,8 milhão em premiações)

Coritiba – até R$ 7,5 milhões (R$ 1,5 milhão em premiações)

Avaí – R$ 5,5 milhões (R$ 1,5 milhão em premiações)

Náutico – R$ 3,7 milhões (R$ 1 milhão em premiação)

Figueirense – R$ 3,4 milhões (R$ 1 milhão em premiação)

Ceará – R$ 3,4 milhões (R$ 1 milhão em premiação)

Paysandu – R$ 3,2 milhões (R$ 1 milhão em premiação)

América – até R$ 3 milhões (R$ 1 milhão em premiação)

CRB – até R$ 1,5 milhão (R$ 500 mil em premiação)

 


Libertadores ignora critério da Champions e prejudica brasileiros em cotas
Comentários Comente

rodrigomattos

Ao mudar a Libertadores para aumentar seu valor de mercado, a Conmebol ignorou esse mesmo mercado na hora de distribuir cotas da competição. Não houve alteração na divisão igualitária e por classificação em política oposta a da Liga dos Campeões que valoriza os países que geram mais dinheiro. Os maiores prejudicados foram os clubes brasileiros, maiores fonte de receita da competição. A fase de grupos da nova Libertadores começa nesta terça-feira.

A Conmebol vende os direitos de marketing e televisão da Libertadores em um pacote único, o que deve mudar para edição de 2019. Só que a rede de televisão que compra, no caso a Fox, tem como principal objetivo obter receitas no Brasil e na Argentina.

O potencial econômico brasileiro é muito maior do que o do país vizinho tanto que a confederação sul-americana inflou para oito times nacionais nesta edição. Ao mesmo tempo, manteve a cota fixa na fase de grupos: US$ 1,8 milhão para cada time, e prêmios crescentes por cada fase que as equipes avançam. Um time campeão pode chegar a US$ 8 milhões independentemente de qual seu país de origem.

Na Liga dos Campeões, as cotas são divididas em 60% por valores fixos e premiações por desempenho, e outros 40% por mercado. Ou seja, os clubes do países que geram os maiores contratos de tv locais ficam com mais dinheiro. Para dividir esse montante de mercado entre os times de cada nação é usado um critério esportivo: metade por desempenho no campeonato nacional e metade dentro da própria Liga dos Campeões. No total, 507 milhões de euros serão divididos dessa forma na atual temporada.

Na última edição encerrada da liga, 2015/2016, o Manchester City foi o clube que mais arrecadou 83,9 milhões de euros, acima do campeão Real Madrid que ficou com 80,1 milhões de euros. Isso porque o mercado espanhol gera receita menor do que o inglês. Na Libertadores, de nada vale gerar mais dinheiro para a competição.

“Não tem nenhum mercado como o brasileiro (na América do Sul). A Libertadores se apropria, mas não traz nada para esse mercado”, analisou o coordenador de curso de gestão da FGV/Fifa, Pedro Trengrouse. “A solução para Conmebol aumentar suas receitas seria expandir a competição para o mercado americano e canadense.”

O consultor em marketing esportivo, Amir Somoggi, vai além e estima que metade do mercado da Libertadores é originário do Brasil. E dá um exemplo de que um jogo do Atlético-MG atinge uma cidade grande como Belo Horizonte, enquanto do outro lado muitas vezes estão times de locais com pouco potencial econômico.

“O critério da UEFA é de mercado, pelo marketing pool. A Itália, por exemplo, não tem muita renda de jogo, mas gera bastante de televisão”, contou. “Desde que fundou a nova Liga dos Campeões, a UEFA considerou a meritocracia.”

Ele atribuiu à falta de poder político dos clubes brasileiros o fato de a Conmebol não fazer o mesmo na América do Sul. “No caso do Brasil, a diretoria não fala o mesmo idioma, a sede fica em um país de língua espanhola. A Conmebol dá mais atenção aos países de língua espanhola.” Lembre-se ainda que o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, não pode ir a reuniões da Conmebol com medo de ser preso pelo “caso Fifa”.

Em resumo, na hora de arrecadar, a confederação sul-americana olha para o Brasil, mas, na hora de distribuir o dinheiro, pensa nos países vizinhos.


Globo negocia Brasileiro com times da Turner, mas pay-per-view é entrave
Comentários Comente

rodrigomattos

Um grupo de clubes que tem contrato com o Esporte Interativo (Turner) para o Brasileiro-2019 já negocia com a TV Globo um acordo para a TV Aberta e pay-per-view. O maior empecilho para um acordo, no entanto, é a divisão de cotas pelos jogos pagos. Isso porque os times consideram a distribuição do dinheiro pouco igualitária.

Após fechar com a Turner para a TV Fechada, Atlético-PR, Coritiba, Santos e Bahia decidiram se unir para negociar em conjunto as outras mídias com a Globo. Ambos os lados confirmam que já existe negociação em andamento. O Palmeiras, que acertou com o EI posteriormente, será convidado ao grupo, mas ainda não sentou à mesa.

Nas primeiras conversas, os clubes mostraram insatisfação com o critério de divisão de pay-per-view que é por tamanho de torcida entre assinantes. Há questionamentos sobre a forma de medição e o peso para cada clube. O objetivo é conseguir uma distribuição mais parecida com a da TV Aberta, onde a Globo colocou 40% igual, 30% por posição e 30% por audiência.

O Flamengo, por exemplo, tem a garantia de 18% do total do ppv mesmo se sua torcida não atingir o patamar. Clubes do grupo dizem desconhecer essa garantia, mas querem evitar que um time ganhe muito mais neste item. Outra questão é que a Globo retém um volume bem alto do total gerado pelo ppv.

Em relação à TV Aberta, o acordo parece menos complicado já que a Globo estabeleceu uma divisão parecida com a da Turner, com pequena diferença de percentuais. A emissora já fechou a TV Aberta e ppv com um dos times da Turner: a Ponte Preta. Já o Internacional fechou com a Globo para os Brasileiros de 2020 a 2024, mas suas mídias de ppv e para os dois anos anteriores ainda estão em aberto.


Santos prevê superávit de R$ 60 mi em 2016, e vê crise financeira superada
Comentários Comente

rodrigomattos

O Santos fechará com superávit de cerca de R$ 60 milhões em 2016, e uma receita em torno de R$ 300 milhões. A informação é do presidente santista, Modesto Roma Jr.. Segundo ele, o clube superou o período de grave dificuldade financeira do início do ano.

A se confirmarem esses números, na divulgação final do balanço, o Santos se aproveitou da tendência de alta de receitas de clubes brasileiros para ajeitar suas contas. A receita de R$ 300 milhões santista representa um crescimento de 76% em relação ao ano passado.

“Televisão tem influência, venda de jogadores tem influência, patrocínios. Estamos com todos os patrocínios fechados de 2017”, disse Modesto Roma. “Essa questão (financeira) é superada.”

Segundo Modesto Roma Jr., o Santos tinha 260 ações trabalhistas quando ele assumiu, e agora está com 59. Ainda não é possível saber o endividamento do Santos ao final de 2016. Mas, no meio do ano, o débito estava em R$ 366 milhões, uma redução de R$ 43 milhões em relação ao final de 2015.

Isso foi possível sem perda esportiva já que o Santos foi vice-campeão brasileiro e ganhou o título Paulista. Mas Modesto reconheceu que o elenco santista precisa ser encorpado para a temporada 2017 quando disputará a Libertadores. A ideia é contratar mais três reforços, além do zagueiro Cléber, Vladimir Hernadez e Mateus Ribeiro, que já fecharam.


Maioria de clubes deve ser suficiente para suspender descenso da Chape
Comentários Comente

rodrigomattos

No dia da tragédia da Chapecoense, um grupo de clubes articulou um movimento para suspender por três anos o rebaixamento do time catarinense. O pedido será oficializado à CBF nos próximos dias. Mas uma maioria dos clubes do Brasileiro da Série A deve ser suficiente para aprovar a medida para 2017.

Isso porque o primeiro passo para suspender o rebaixamento é fazer uma mudança no regulamento do Brasileiro para o próximo ano. É o Conselho Técnico da Série A , compostos pelas próprias equipes, quem decide o formato e as regras do Nacional. Essa decisão se dá por maioria qualificada, ou seja, cada time tem voto de acordo com sua posição no campeonato de 2016.

Até terça-feira, entre aqueles da Primeira Divisão, já haviam se manifestado a favor da suspensão: Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Santos, Coritiba, Cruzeiro, Vasco, Fluminense, Botafogo e Atlético-PR. Se a própria Chapecoense for incluída, haveria uma maioria. Resta saber se seriam vencedores no voto qualificado, o que depende da tabela, e se todos irão confirmar a proposta no conselho.

Pelo Estatuto da CBF, a entidade tinha o direito de aprovar ou não o que for votado pelos clubes. Mas, em 2015, o presidente da confederação Marco Polo Del Nero prometeu que daria autonomia para os times tomarem as decisões sobre o Nacional. Assim, essa prerrogativa foi retirada.

Nesta terça, fontes da CBF confirmaram que uma decisão dos clubes não seria contrariada pela sua cúpula. Mas a confederação não recebeu o pedido ainda e não quer falar sobre isso logo após a tragédia. Até porque os times ainda preparam o ofício com a proposta para ser entregue até sexta-feira.

Pela proposta, seriam mantidos quatro rebaixados em 2017, mas a Chapecoense estaria imune mesmo se ficasse entre os quatro últimos. A proposta foi articulada entre o grupo jurídico dos times de Série A e B que rapidamente conversou após o acidente, e levou aos seus presidentes para aprovação. A inspiração foi no que ocorreu na Itália com o Torino após acidente na década de 40.

Há outra potencial barreira: o estatuto do torcedor. Pela legislação, um regulamento tem que ser mantido por dois anos seguidos, o que já ocorreu. E tem de ser respeitado o critério técnico para descenso e acesso. Na opinião de dois advogados dos clubes ouvidos pelo blog, esse critério continuaria a ser atendido, e a concordância da maioria dos times mostraria que a exceção deve ser aceita.

Entre os advogados, admite-se a possibilidade de que a alteração do regulamento tenha que ser aprovada no CNE (Conselho Nacional do Esporte). Esse órgão é presidido pelo ministro do Esporte. Mas, dificilmente se houver consenso entre clubes e CBF, o governo vai se opor.

Outros clubes participam do grupo que discutiu o apoio à Chapecoense, mas ainda estudam as medidas de apoio para o clube ou entendem que não é o momento de falar nisso logo após a tragédia.


Chefe de árbitros cai após metade dos times do Brasileiro reclamar à CBF
Comentários Comente

rodrigomattos

A saída do presidente da comissão de arbitragem Sergio Corrêa ocorre após metade dos clubes da Série A reclamarem de juízes neste Brasileiro. A diretoria diz que o próprio diretor pediu para sair, mas admite que pode ter havido desgaste dele. Clubes que criticaram o diretor estavam satisfeitos com a troca por Marcos Marinho.

Levantamento do blog mostra que 10 clubes informaram ter feito protestos formais à CBF contra a arbitragem neste Nacional. São eles: Fluminense, Flamengo, Santos, São Paulo, Palmeiras, Cruzeiro, América-MG, Grêmio, Atlético-PR e Figueirense. Não foram consideradas reclamações de vestiário ou de técnicos e jogadores.

Um dos mais incisivos foi o presidente santista, Modesto Roma Jr., que pediu a queda de Sergio Corrêa após a expulsão do meia Lucas Lima no jogo contra o Internacional. Ele aprovou a troca no comando da arbitragem.

“O presidente da CBF fez o certo. Ele (Marinho) quando assumiu a Paulista vinha de um escândalo de arbitragem com o Edílson (caso de manipulação de arbitragem). Ele melhorou a arbitragem de São Paulo”, afirmou Modesto. “Os árbitros de São Paulo são muito bons, assim como os gaúchos.”

Ao justificar a escolha de Marinho, o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, citou os elogios dos times paulistas, incluindo Modesto. O presidente santista, no entanto, disse não ter indicado o novo chefe da arbitragem. “O presidente da CBF não precisa de indicação. Marinho é um bom nome. Seneme (Wilson, atualmente na Conmebol) é outro. Sávio (Spíndola, comentarista de tv) é outro.”

Outro crítico da arbitragem da CBF é o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, que fez seguidas reclamações formais por erros contra o time. “Espero que seja para melhor. Não conheço o novo titular, mas tive boas informações dele vindas dos presidentes dos clubes paulistas”, analisou. Ele não se mostrou preocupado com mais um paulista na comissão.”Se ele for bom mesmo, não vai se sujeitar a pressões de ninguém.”

Feldman afirmou que a arbitragem é sempre “o elo frágil” pelas críticas dos clubes, e que a própria comissão reconhecia alguns dos erros cometidos. A CBF instalou um grupo independente para avaliar o trabalho da comissão de arbitragem a pedido dos clubes. Até agora, todos os relatórios dessa comissão foram de elogios às atuações de alguns trios por rodada, enquanto os clubes continuam a reclamar.

Uma das apostas da confederação é o árbitro de vídeo, que está em fase final de testes pela Fifa e pode entrar em vigor em 2017. O ex-presidente da comissão Sérgio Corrêa vai cuidar justamente desse projeto.


CBF vê como erro do árbitro a expulsão de Lucas Lima
Comentários Comente

rodrigomattos


A comissão de arbitragem da CBF avalia como erro a expulsão do meia do Santos, Lucas Lima, no jogo diante do Internacional. Essa é a realidade nos bastidores da entidade porque, oficialmente, a informação é de que o árbitro Rodrigo Batista Raposo ainda será avaliado.

A primeira ação da CBF, porém, foi tirar Raposo do jogo entre Ponte e América-MG, domingo, em Campinas (SP). Inicialmente, ele seria o quarto árbitro, mas na noite dessa sexta foi substituído por Christiano Gayo Nascimento (DF). A entidade não explicou no site o porquê da alteração.

Antes e depois: Raposo deixa escala de Ponte x América (Reprodução: site da CBF)

Antes e depois: Raposo deixa escala de Ponte x América (Reprodução: site da CBF)

No jogo de quinta-feira (8), pelo Brasileiro, Raposo deu o segundo cartão amarelo e consequentemente o vermelho para Lucas Lima por cera. O lance ocorreu no final do primeiro tempo de jogo. O Inter ganhou a partida e gerou revolta no presidente do Santos, Modesto Roma, que classificou o trio de arbitragem de “vagabundo” em entrevista à ESPN.

Questionada, por meio da assessoria, a comissão de arbitragem da CBF informou que a orientação para árbitros é “acrescentar o tempo necessário ao jogo” quando houver cera. E disse que que não houve nenhuma mudança nesta instrução. Sobre o árbitro, a confederação disse que ele ainda será avaliado pela comissão independente de arbitragem e depois serão tomadas as medidas cabíveis. Enquanto isso, o chefe de arbitragem, Sergio Corrêa, não se pronunciaria sobre o lance.

Na prática, já existe a avaliação de que ele cometeu um equívoco. Primeiro, desrespeitou a orientação da confederação de acrescentar tempo para cera. Segundo, demonstrou falta de critério já que não adotou punição similar em outros casos, seja no jogo, seja no campeonato.

Veja também:
Árbitro que expulsou Lucas Lima tem histórico de cartões por ‘cera’ no 1º tempo
Presidente do Santos vê má intenção de arbitragem: “Trio de vagabundos”


Em meio à crise, clubes têm salto nas rendas em 2016 graças a TV e vendas
Comentários Comente

rodrigomattos

Enquanto o Brasil vive uma das suas piores crises econômicas, os clubes grandes têm aumento muito acima da inflação em suas receitas em 2016. É o que mostra um levantamento do blog em cima de números parciais das equipes. A explicação para esse descolamento do futebol da crise são os novos contratos de televisão com a Globo – incluindo luvas – e negociações de jogadores com o dólar em alta.

De um total de 12, seis grandes clubes (Flamengo, Fluminense, Grêmio, Palmeiras, Internacional e Santos) divulgaram suas receitas parciais em 2016, sendo que cinco deles tiveram incrementos significativos. Além disso, clubes como Corinthians e São Paulo também já têm dados que demonstram que vão superar com larga vantagem suas rendas do ano passado. Só não há informações sobre Botafogo, Vasco, Atlético-MG e Cruzeiro.

Em comparação com suas receitas até o meio do ano de 2015, Flamengo, Fluminense, Palmeiras, Santos e Grêmio tiveram um aumento de receita de 52% em 2016, atingindo R$ 925 milhões contra R$ 609 milhões no mesmo período do ano passado. Para comparar, o PIB do Brasil tem previsão de retração de 3,3% neste ano, e a inflação em 12 meses é 8,74%. Ou seja, a renda desses clubes cresceu mais de cinco vezes a inflação.

Os novos contratos de televisão do Brasileiro tiveram o maior peso: o Flamengo aumentou sua receita neste item de R$ 76 milhões para R$ 114 milhões, compensando quedas no patrocínio. Movimento igual ocorreu no Fluminense com R$ 53 milhões contra R$ 36 milhões que ainda teve aumento considerável da venda de jogador. Já o Grêmio registrou R$ 100 milhões de luvas pelo seu novo contrato do Brasileiro, que valerá a partir de 2019, dobrando a receita do ano anterior. O Santos também triplicou sua receita no primeiro trimestre graças às luvas.

“A negociação do Gerson entrou neste ano. Foram R$ 49 milhões. O dinheiro a mais foi usaco em três frentes: foram pagas dívidas prioritárias, investimento no CT e em jogadores”, contou o presidente do Conselho Fiscal do Fluminense, Pedro Abad. “O clube não terá um ativo como esse para o próximo já que o Scarpa não será vendido.”

No caso do São Paulo, o clube informou que teve receita de R$ 280 milhões até julho de 2016, R$ 51 milhões a menos do que ganhou no ano inteiro passado. Isso se deve à TV e às vendas de jogadores. Uma realidade parecida com a do Corinthians que ainda não tem números consolidados, mas terá crescimento.

“A gente vai ter aumento de receitas. Estamos tentando melhorar nossos números e reduzir a dívida”, contou o vice de finanças do Corinthians, Emerson Piovezan. “Acredito que podemos fechar entre 20% e 25% acima da receita do ano passado. Não posso afirmar porque estamos implantando um novo sistema de controle e ainda não fechamos números parciais.”

Além do reajuste no contrato de tv, similar ao do Flamengo, o clube alvinegro negociou quase R$ 200 milhões em jogadores em valores brutos, sem considerar os descontos por percentuais de direitos. Além disso, a diretoria corintiana fechou novos patrocínios. Ou seja, o Corinthians vai superar com folga os R$ 300 milhões obtidos em 2015.

Dos clubes analisados, o Internacional é o único que não tem indicativo de aumento de receita. Até o meio do ano, foram R$ 142 milhões, enquanto em 2015 inteiro foram R$ 297 milhões. Isso ocorre porque o clube gaúcho teve uma das maiores rendas de venda de jogador no ano passado. Ainda assim, espera ter incremento de receita até o final do ano com novos contratos de TV.

“A venda neste ano foi bem curta (R$ 14 milhões) e não comercializamos os contratos de aberta a partir de 2019”, explicou o vice-presidente de Finanças do Inter, Pedro Affatato. “Ainda vamos fazer essa negociação e acreditamos que com as luvas vamos conseguir um pouco mais do que o ano passado.”

Os contratos do Brasileiro válidos a partir de 2016 a 2018 foram negociados antes do agravamento da crise nacional, por isso, houve grande incremento nos valores. Para a extensão a partir de 2019, houve uma disputa entre Globo e Esporte Interativo que gerou acordos mais vantajosos e luvas. Teoricamente, essas não podem ser contabilizadas como receitas correntes, sendo registradas só no ano do novo contrato.

Apesar do aumento das receitas, não dá para ter certeza de que os clubes vão melhorar sua situação financeira. Só no final de 2016, com os números consolidados, é que saberemos se essa renda extra foi usada para equilibrar as contas.

 


Sete fatos que explicam por que não há favorito no Brasileiro-2016
Comentários Comente

rodrigomattos

É um clichê dizer que o Brasileiro é um campeonato imprevisível em que qualquer um pode conquista-lo. É uma meia verdade, mas é fato que a competição é bem mais equilibrada que as ligas europeias. E, na edição de 2016, acentuou-se ainda mais esse nivelamento neste início, deixando a sem favorito.

Como mostrado pelo blog do PVC, há 13 anos o campeonato não terminada a segunda rodada sem  nenhum time com seis pontos. Claro que esse é um quadro inicial e podem haver modificações durante o percurso: um elenco/time pode encaixar e se distanciar. Mas, no momento, isso não parece ser a maior probabilidade. E há alguns fatores que explicam por que não há um favorito no Brasileiro.

E por que o meia verdade escrito lá em cima? Embora não exista um favorito, dificilmente o título deixará de ficar nas mãos dos 11 maiores clubes do país, talvez o Botafogo possa ser excluído desse grupo. Desde 2003, nos pontos corridos, foi sempre um dos grandes que ganhou o Nacional.

Bem, então, vamos elencar algumas explicações para a falta de favorito do Brasileiro:

1. Desmonte de equipe por falta de recursos: Foi o que ocorreu com o Corinthians, campeão do ano passado. Isso obrigou o técnico Tite a remontar a equipe, o que está claro que demandará mais tempo do que esperavam os corintianos.

2. Troca de técnicos constantes já no início de temporada: Até agora, Palmeiras, Fluminense, Atlético-MG e Cruzeiro já trocaram de técnicos pelos maus resultados no início da temporada. É possível que ocorra também com o Flamengo. Isso significa que o estilo do novo treinador será imposto com o Brasileiro em curso, o dificulta saber até onde podem ir esses times.

3. Danos provocados pela seleção e pela janela de transferência: Campeão Paulista, o Santos foi destroçado pelas convocações da CBF e pode perder jogadores para o exterior. Outros clubes como o Corinthians e Atlético-MG também têm jogadores visados.

5. Foco na Libertadores: O São Paulo é um time que cresceu na temporada, embora esteja longe de ser regular para um campeonato de grande fôlego. Apesar da parada da Libertadores, está claro que sua prioridade é o torneio continental, o que afetará sua campanha.

6. Não há dinheiro de sobra: Houve clubes que investiram bem na temporada como Flamengo, Palmeiras, Atlético-MG e Fluminense. Ainda assim, os seus gastos giram no máximo no patamar de R$ 30 milhões cada, muito inferiores aos estrangeiros e europeus. Dá para montar bons times se bem gasto, mas nunca para sobrar na temporada.

7. Calendário apertado: Como já mostrado pelo blog, os times jogam com intervalos mínimos, o que os impede desempenhos 100% em toda temporada. Isso é outro fator para nivelar o campeonato.


Paulista consagra Santos e ao mesmo tempo destrói seu Brasileiro
Comentários Comente

rodrigomattos

O Paulista tornou-se domínio do Santos na última década: foram seis títulos em dez anos. Mas o clube não tem repetido o sucesso nos Brasileiros, e isso tem relação com o desmonte de seus times pela CBF e por janelas de transferência. De novo, isso se repetirá em 2016.

Campeão no Paulista, o Santos poderia ser um candidato ao título nacional deste ano se encorpasse seu elenco e pudesse ter todos seus jogadores. Já tinha um time montado de 2015 que chegou a arrancar no campeonato, embora tenha travado por falta de opções.

Mas a convocação de Dunga para a seleção na Copa América tirará seus três principais jogadores, Lucas Lima, Ricardo Oliveira e Gabriel, de nove jogos do Nacional. Pior, Gabriel ainda pode perder um turno inteiro contando a Olimpíada.

Ora, não dá para acreditar que o clube da Baixada Santista, em dificuldade financeira, consiga repor esses atletas no padrão dos que estarão fora. O cenário mais provável é que perca atletas na janela – faz sentido vender se só pode usá-los de forma restrita. Dificilmente, portanto, será possível brigar pelo título nacional.

E por que a CBF desfalca o Santos? O absurdo calendário da confederação impõe um excesso de jogos que impede que as competições parem para partidas da seleção. E onde há jogos sobrando no calendário? São os campeonatos estaduais inchados que impossibilitam qualquer mexida no cronograma de partidas.

São os 19 jogos acumulados por incluir times muitas vezes inexpressivos – exceções honrosas feitas a equipes como o Audax – que fazem os grandes brasileiros atuarem mais de 70 vezes por temporada. Não há caso similar na Europa, onde se para campeonatos para Euros e eliminatórias. Sim, o Brasil é diferente de países europeus, mas certas medidas são lógicas em qualquer contexto.

O caso deste ano não é uma raridade para o Santos. Pense em 2011, quando Neymar e Ganso estavam no auge, o time ganhou a Libertadores, mas capengou no Brasileiro. Pois seus dois principais jogadores foram para a Copa América e desfalcaram o time na maior parte do Brasileiro. Impossível ganhar sem eles.

Ironia do destino: o Paulista que tem consagrado o Santos é o mesmo que, indiretamente, o impede de brilhar em campeonatos mais importantes.