PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

BNDES libera dinheiro até 2014 e salva ano do Corinthians

rodrigomattos

19/11/2013 06h00

( Para seguir o blog no Twitter: @_rodrigomattos_ )

A negociação do empréstimo do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) ao Itaquerão se arrasta sem desfecho, mas não há uma data-limite para o dinheiro. Dentro do banco, há a informação de que o dinheiro pode sair mesmo com o estádio com as obras concluídas. A previsão do final da construção é em 5 de janeiro de 2014.

Criada para os estádios da Copa-2014, a linha de financiamento Pro-Copa Arenas tem previsão de desembolso de R$ 400 milhões por unidade com prazo até dezembro de 2012. Mas, no final do ano passado, esse data foi estendida até o final de 2013.

De todos os estádios, só faltou fechar a operação com as empresas gestoras da arena da abertura do Mundial que têm como um dos sócios o Corinthians. O imbróglio está na negociação com a Caixa Econômica Federal, que atuará como intermediária do empréstimo. A diretoria corintiana defende que são apenas questões burocráticas impedem a assinatura do contrato de empréstimo.

Mas já há mais de um ano e meio que isso está travado. A esperança dos responsáveis do clube pela obra é de que, enfim, o negócio saia em novembro e o dinheiro do banco público passe a ser desembolsado. Eles acreditam nessa possibilidade.

Até porque há uma preocupação do Corinthians porque, quanto mais demora a sair o financiamento, mais aumenta a conta de juros com bancos privados e com a Odebrecht. O custo da arena para o clube já atinge R$ 600 milhões.

A questão é que, por diversas vezes, os dirigentes corintianos demonstraram fé na proximidade da conclusão do negócio, e esta não aconteceu. Se houver novo atraso, o clube poderia ficar com uma dívida privada de mais de R$ 800 milhões para pagar caso o empréstimo não vingasse.

Acompanhando a operação, o BNDES, no entanto, não vê impedimento para esta ser fechada apenas em 2014. O argumento é de que o banco público já financiou outros projetos que estavam concluídos.

Assim, é estabelecido um cronograma de desembolso de dinheiro, que seria usado para pagar o valor já investido pela Odebrecht e de verba de bancos. Esse montante está em cerca de R$ 700 milhões, mas deve fechar em pouco mais de R$ 859 milhões, total previsto da obra.

O blog consultou um advogado de direito administrativo (especializado em assuntos de Estado) que a princípio não viu irregularidade na operação. A explicação é de que, se está entre as práticas rotineiras do banco, o procedimento pode ser utilizado já que não fere nenhuma lei.

Isso só aconteceria se houvesse um tratamento diferenciado para o tomador do empréstimo sem justificativa. O financiamento ao Itaquerão já é uma exceção por ser um projeto nacional para a abertura da Copa-2014.

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.