PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Rodrigo Mattos

Críticas à Jabulani ajudaram a forjar Brazuca, explica Adidas

rodrigomattos

11/07/2014 06h00

A Adidas reconheceu que as críticas à Jabulani, bola da Copa da Africa do Sul, provocaram um processo de aprendizado na empresa para a produção da Brazuca, versão do Mundial-2014. Faltando dois jogos, não houve comentários negativos sobre a redonda no Brasil.

"Essa bola foi testada por dois anos. A bola não foi criticada. Algumas disseram que foi a melhor", contou Markus Baumann, membro do Conselho Executivo da Adidas. "Aprendemos bastante com a Africa do Sul, quando houve um grande debate."

O executivo explicou que a bola foi testada com 16 times diferentes, em diversas condições de uso. A mudança em relação à Jabulani é que aumentou o número de verificações do equipamento.

Especialistas ouvidos pelo BBC, recentemente, já apontavam uma melhoria da Brazuca sobre sua antecessora. Isso porque a nova bola não teria desvios de trajetória sérios após o chute, que foi a principal crítica sobre a Jabulani. Jogadores e técnicos argumentaram em 2010 que, após o chute, era impossível saber em que direção ela ia.

Para evitar esse efeito, a Brazuca foi feita com maior aspereza, recuperando uma características das bolas tradicionais. Há maior número de linhas, e estas são mais profundas. Mas há menos gomos: são seis, contra oito da Jabulani. Em bolas antigas, eram 32.

Na sede do Flamengo, onde a Adidas montou seu escritório no Mundial, há 64 edições diferentes da bola, cada uma referente a um dos jogos da competição. Está lá a da final, com detalhes dourados, e os nomes de Argentina e Alemanha. Até agora, nas 60 partidas, deu certo: ninguém reclamou.

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Rodrigo Mattos