PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Rodrigo Mattos

Sem patrocínio para 2015, Cruzeiro aposta em Libertadores e mira Caixa

rodrigomattos

27/11/2014 15h15

Pouco antes de confirmar o título brasileiro, e antes da final da Copa do Brasil, o Cruzeiro recebeu a informação do BMG de que o contrato de patrocínio para sua camisa não seria renovado. Com isso, o clube mineiro negocia com três empresas, entre elas a Caixa Econômica Federal, para uma parceria no próximo ano. O trunfo para obter uma nova empresa é a exposição na Libertadores.

O Cruzeiro recebe atualmente cerca de R$ 15 milhões pelo patrocínio do BMG, mesmo valor do Atlético-MG que também não deve ter o contrato renovado. O clube celeste acredita que pode conseguir um valor maior apesar do ano que se desenha recessivo na economia e no futebol brasileiro em 2015.

"Estamos de novo na Libertadores e ganhamos um bicampeonato brasleiro. Acho que temos cenário positivo de exposição recente", afirmou o diretor de marketing do Cruzeiro, Marcone Barbosa.

O clube confirma a negociação com a Caixa porque há conversas com o banco desde o final do ano passado, quando se decidiu pela renovação do contrato com o BMG. A questão é que o próprio banco estatal ainda não definiu sua política para o futebol no próximo ano. Outras duas empresas privadas, que a diretoria do Cruzeiro não revela o nome, são candidatas a camisa celeste.

 

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Rodrigo Mattos