PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

Clubes indicam que vão aderir à lei de dívidas. CBF critica e estuda ação

rodrigomattos

07/08/2015 06h00

Sancionada pela presidente Dilma Rousseff, a Lei do Profut obriga que todos os clubes tenham dívidas fiscais e salários em dia, não apenas aqueles que aderirem ao refinanciamento dos débitos com o governo. Issso não afastou Flamengo, Grêmio, São Paulo e Corinthians: indicaram que pretendem aderir ao programa. Já a CBF criticou pontos do texto e estuda uma ação judicial.

O texto publicado no Diário Oficial prevê o parcelamento em 240 meses das dívidas dos clubes, com descontos de juros e multas. Em troca, os times têm que manter os pagamentos dos débitos e salários em dia, não antecipar receitas em excesso e limitar gastos com futebol e déficit.

"O parcelamento está bem. Participamos da discussão da lei e não vemos como problema as contrapartidas", explicou o presidente Grêmio, Romildo Bolzan Jr, que chegou a ter um discurso bem contrário ao texto inicial da MP do Futebol. "Houve vetos em artigos sobre a questão de previdência e da proteção de atletas que achávamos que eram importantes", ressalvou.

O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, afirmou que "nunca teve dúvidas" em aderir ao refinanciamento. "Já estamos totalmente adaptados. É só aguardar a regulamentação", contou ele. Algumas dívidas do clube que estão em discussão judicial continuarão nas cortes.

As diretorias do São Paulo e Corinthians ainda estudarão as últimas mudanças no texto, mas também indicaram que a tendência é aceitar as condições.

"Provavelmente (vamos aderir). Nossa ideia é aderir até porque teríamos como parcelar. Mas não quero dar certeza porque ainda vamos olhar para ver se há algo muito fora do contexto", analisou o CEO do São Paulo, Alexandre Bougeois. "O veto da sociedade empresária é ruim porque era o que de melhor traria ao futebol."

Por esse artigo, os clubes teriam uma redução de sua carga previdenciária de 5% para 1%. Bourgeois disse apoiar medidas que responsabilizem os dirigentes.

O Corinthians, que já anunciou apoio à medida, tem um parcelamento acertado com a Justiça referente às suas dívidas fiscais, mas estuda se as condições do Profut são melhores.

"Já teve uma análise preliminar de que a medida vai nos ajudar. Os pontos principais indicam que vamos reduzir nosso desembolso. Estamos analisando porque aumenta em cinco anos nosso financiamento e isso implica em mais juros", disse o vice de Finanças do Corinthians, Emerson Piovezan, que também indicou que o clube deve aderir. "Podemos ter algumas preocupações com alguns pontos, mas a medida é boa. É significativa."

Enquanto os clubes indicam adesão, a CBF, que tem poucas dívidas a negociar, disse que o texto foi um avanço, mas fez diversas críticas e estuda uma medida judicial. A diretoria da confederação se disse preocupada com a exigência da CND para jogar campeonatos porque entende que os clubes podem não ter como cumprir.

"Defendíamos que deveria ser uma CND só para o tempo de administração do dirigente atual, o corrente, porque uma dívida questionada administrativamente pode prejudicar o clube. Foi uma visão equivocada do governo que tentamos mostrar. Foi uma derrota na democracia", explicou o secretário-geral da CBF, Walter Feldman.

O que a confederação estuda de fato combater é a imposição de clubes da Série B em seu colégio eleitoral, o que tira das federações a maioria de votos. A presença de atletas e técnicos no conselho técnico também é questionada. Feldman disse que há medidas inconstitucionais no texto.

"A gente está estudando (uma ação judicial). Essa questão do colégio eleitoral e da participação dos atletas é correta. Mas questionamos a forma. Não pode vir como imposição do governo", disse ele.

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.