Topo
Blog do Rodrigo Mattos

Blog do Rodrigo Mattos

Categorias

Histórico

Com nova regra no Estadual, Vasco terá cinco jogos em casa, e Fla, só três

rodrigomattos

2013-10-20T15:06:00

13/10/2015 06h00

Uma novidade incluída no regulamento do Estadual do Rio de Janeiro de 2016 criou um desequilíbrio nos mandos de campo, favorecendo o Vasco e prejudicando o Flamengo. Foi incluído um item em que o campeão e o vice (Vasco e Botafogo) serão os mandantes nos clássicos na primeira fase. Com isso, o time vascaíno jogará cinco vezes em casa, e a equipe rubro-negra, três.

Desde o ano passado, Flamengo e Fluminense estão em pé de guerra com a Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro), alegando que a entidade executa medidas prejudiciais a eles. Por isso, ambos entraram na Liga Sul-Minas que ganhou chancela da CBF. A Ferj luta contra esse torneio e quer enquadrar os dois grandes.

Em meio à disputa, a informação de que Vasco e Botafogo terão vantagem nos mandos de campo nos clássicos acirrou os ânimos e gerou novos protestos da dupla Fla-Flu. A Ferj, no entanto, alega que esse item do regulamento foi incluído em agosto, em arbitral dos clubes, e não houve mudanças nas regras. Os dois times não foram às reuniões por causa da briga.

O problema é que o regulamento criou um desequilíbrio nos mandos do Estadual entre Vasco e Flamengo. É incomum em campeonatos haver desigualdade de mandos quando há número par de jogos, isto é, oito. Fluminense e Botafogo têm cada um quatro partidas em casa.

Para se ter ideia da aberração, o time rubro-negro estreia em casa contra o Boavista. Depois, passa cinco partidas atuando fora. E encerra a primeira fase com dois jogos em seu campo.

Ao blog, a Ferj explicou que, quando escolhida a fórmula do campeonato, foi definida a tabela, e cada clube teve seu lugar sorteado. Teoricamente, cada um ficaria com quatro mandos. Mas, com o novo regulamento, o mando de Vasco e Flamengo foi invertido, provocando a vantagem alvinegra.

Na visão da federação, isso não causa desequilíbrio técnico porque o time rubro-negro jogaria duas vezes no Maracanã, com torcida e renda dividida com os outros. E, nas outras partidas, há três fora, e três em casa. O mesmo valeria para o Vasco em situação invertida.

Só que o mandante passa a determinar preços de ingressos, e lugar de sua torcida no Maracanã, prerrogativas que serão do Vasco nos clássicos contra Flamengo e Botafogo. Além disso, há a possibilidade real de o Maracanã estar fechado por causa da Olimpíada. Neste caso, o clube vascaíno levaria a partida para onde quiser: São Januário, por exemplo. Neste caso, haveria desequilíbrio técnico.

Para a segunda fase do Estadual, o critério técnico definirá os mandos dos jogos. Como serão sete jogos, alguns times jogarão três em casa, e outros quatro.

Certo é que, com essa medida, a Ferj dá mais razão a dupla Fla-Flu quando falam que são prejudicados por suas atitudes. A questão é que os dois clubes ganharam uma queda de braço com a federação com o aval da CBF à Liga. Já o presidente da Ferj, Rubens Lopes, recebeu uma carta evasiva da confederação em resposta a sua tentativa, e de Vasco e Botafogo, de barrar o campeonato.

Neste cenário, parece claro que Flamengo e Fluminense encontraram uma forma de sobreviver sem o Estadual, e suas regras sem equilíbrio. Resta saber se a tradicional competição conseguirá se manter sem dois de seus protagonistas.

 

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Mais Blog do Rodrigo Mattos