PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Rodrigo Mattos

Fla avalia impacto de falta da Libertadores em bilheteria e sócio-torcedor

rodrigomattos

22/10/2015 06h00

Ao traçar os planos para 2016, a diretoria do Flamengo previu três cenários, um positivo, um neutro e outro negativo. A presença na Libertadores não entrou na análise, mas há uma avaliação interna de que uma ausência no torneio terá impacto em sócio-torcedor e bilheteria. Oficialmente, a diretoria diz não acreditar que isso afete as finanças.

O Flamengo se afastou da briga pelo G4 por cinco derrotas sofridas nas últimas seis rodadas. Em 10o lugar, o time está quatro pontos atrás do Santos, quarto colocado.

Para o próximo ano, a diretoria do clube, que ainda disputará a eleição em 2015, estima um programa sócio-torcedor com 80 mil membros, e uma arrecadação de R$ 49 milhões com bilheteria. Esse cenário poderia ser de 10% a menos em um panorama negativo, o que é provável que acontecerá com o time fora da Libertadores.

Para se ter ideia, neste ano, o clube não deve alcançar suas meta para sócio-torcedor, 70 mil no ano inteiro, e para bilheteria que também era de R$ 49 milhões. Pesaram para isso os fracassos em todas as competições que disputou, Estadual, Brasileiro e Copa do Brasil. Só a venda de jogos para fora do Estado, a presença da torcida do segundo turno e a contratação de Guerrero amenizaram o cenário.

Para 2015, o Flamengo não terá o Maracanã a maior parte do ano. Se ainda ficar fora da Libertadores, terá de apostar em sair pelo país para tentar levantar dinheiro. O presidente rubro-negro, Eduardo Bandeira de Mello, no entanto, minimiza o impacto de ficar fora da competição.

"Não acredito nisso (efeito na renda). Mas ainda temos esperança", afirmou o dirigente sobre as chances no torneio.

Mesmo com o fracasso esportivo, o Flamengo ainda deve fechar o ano com receita de R$ 350 milhões, próxima do ano passado. Possivelmente, voltará a ser o que mais arrecada no país em número próximo ao Palmeiras. E há uma projeção de ganhar acima de R$ 400 milhões em três anos. Resta saber que o desempenho do time vai ajudar.

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Rodrigo Mattos