PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Contratos de TV de Estaduais emperram por Primeira Liga e briga política

rodrigomattos

08/09/2016 06h00

A cinco meses de seus inícios, os Estaduais do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul não têm contratos de televisão assinados com todos os clubes grandes. A situação é inédita visto que esses compromissos costumam ser renovados com antecedência. Os motivos são a Primeira Liga e a briga política envolvendo o Flamengo e a Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro).

Seis dos grandes desses Estados (Atlético-MG, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Grêmio e Internacional) estão confirmados na Primeira Liga. Esse é um dos motivos da dificuldade de renovação já que a Globo não sabia exatamente como a competição afetaria os Estaduais.

"A Globo deixou tudo para depois porque não sabia como seria a Sul-Minas e como se encaixaria no calendário da CBF. Já tivemos conversas, um namoro, mas só agora vai andar", contou o presidente da Federação Gaúcha de Futebol, Francisco Noveletto.  Segundo ele, a emissora chegou a fazer uma proposta no início do ano, mas não fechou.

Em Minas Gerais, a federação e os clubes ainda não assinaram contrato para o Estadual 2016. O blog não conseguiu apurar o empecilho, mas é fato que o Atlético-MG pode estar na Libertadores e na Primeira Liga ao mesmo tempo.

A questão mais complicada é no Rio de Janeiro. Pressionada por uma proposta do Esporte Interativo, a Globo subiu sua oferta para mais de R$ 100 milhões. Fluminense, Botafogo e Vasco aceitaram e já assinaram um contrato juntamente com a Ferj.

A questão é que o Flamengo recusou várias das condições do acordo. Primeiro, não quer que o dinheiro passe pela federação que já ameaçou reter suas cotas em desavenças anteriores. Depois, exigiu um corte no percentual da Ferj sobre o contrato. Há ainda uma exigência de mais dinheiro para o clube do que para os outros grandes.

Segundo apuração do blog, a Ferj estuda atender algumas das demandas rubro-negras. Já indicou que aceita que sua cota caia de 10% para 5%. Mas ainda não há um acordo. Oficialmente, a federação informou que não se pronunciaria sobre o assunto.

Entre os Estaduais mais representativos, o Paulista é o único que já teve renovação de contrato assinada ainda em 2015. Isso porque os grandes clubes nunca quiseram se associar às ligas e tiveram um aumento significativo de suas cotas, com a competição atingindo um total de R$ 150 milhões por ano.

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Blog do Rodrigo Mattos