PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Rodrigo Mattos

Após 'descontos', São Paulo ainda tem que pagar R$ 15 mi por Maicon

rodrigomattos

04/05/2017 04h00

A compra dos direitos do zagueiro Maicon não foi nem barata nem simples para o São Paulo. A operação envolveu troca por direitos de atletas da base, pagamentos parcelados e renegociação após atraso. Restou agora um valor de € 4 milhões mais impostos a ser quitado com o Porto, algo em torno de R$ 15 milhões.

No balanço são-paulino de 2016, o débito pelo jogador é bem maior: atinge R$ 43,7 milhões (ou € 12 milhões). Esse é o retrato de dezembro do ano passado. Mas aí entram as explicações sobre os descontos de outros atletas e renegociações.

Para entender a operação, é necessária explica-la desde o início. O preço integral acertado por Maicon foi de de fato de € 12 milhões. Só que o Porto assinou um contrato pelo qual se obrigava a comprar metade dos direitos de dois jogadores da base são-paulino, cada um por € 3 milhões. O primeiro foi o lateral-esquerdo Inácio e o segundo será o volante Luizão.

"O valor do Maicon como dívida foi contabilizado integralmente. Mas o Porto era obrigado a comprar nossos dois jogadores. Assim, não precisamos pagar tudo porque automaticamente serão descontados os créditos dos dois jogadores (€ 6 milhões)", explicou o diretor financeiro são-paulino, Adilson Alves Martins.

O São Paulo pagaria sua primeira parcela no final de dezembro, mas ficou sem dinheiro e adiou para janeiro de 2017 quando foi quitada. "Agora a dívida está em € 4 milhões e mais impostos", contou Martins. Ou seja, o clube ainda terá de pagar em torno de R$ 15 milhões, valor que pode ser maior ou menor dependendo do câmbio. Duas parcelas vencem em 2017, e outras duas em 2018.

Juntamente com Pratto, adquirido depois da virada do ano, Maicon é o maior débito relacionado aos direitos de jogador em aberto no São Paulo. Com dinheiro recebido no início do ano, por Ademílson, o São Paulo já quitou Cuevas, Buffarini e Chavez, que totalizavam em torno de R$ 8 milhões. O clube, aliás, ganhou R$ 111 milhões com transferências em 2016, valor bem alto.

Tanto que o o São Paulo ainda tem dinheiro a receber do Sevilla por Ganso (R$ 17 milhões no final do ano). Uma boa parte, no entanto, tem que ser destinado à DIS, proprietária de parte dos direitos do jogador.

Líder e capitão do time, Maicon não demonstrou, no entanto, ser o zagueiro de ótimo nível esperado pelos são-paulino. Na Libertadores, foi expulso diante do Atlético Nacional em jogada que teve peso na eliminação do time, e seu desempenho no Brasileiro foi apenas razoável.

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.