Blog do Rodrigo Mattos

Com exclusividade, Santos irá à Fifa se preciso para barrar Geuvânio no Fla

rodrigomattos

A diretoria do Santos já decidiu que irá até a Fifa se necessário para barrar uma transferência de Geuvânio para o Flamengo. Os dirigentes santistas se baseiam na cláusula de exclusividade que têm com o Tianjin Quanjian em contrato assinado na saída do jogador do time paulista.

O blog teve acesso à cláusula que fala em exclusividade para o Santos em caso de volta do jogador para o Brasil, medida já mencionada pelo presidente santista, Modesto Roma Jr.. Não há uma preferência na redação: é exclusividade na negociação. Isso se referente a times do Brasil em caso de empréstimo.

Ao saber da negociação entre Flamengo e Geuvânio, o Santos notificou o clube chinês de que teria interesse em ter o jogador. Acompanhou as negociações entre o rubro-negro e o jogador sem interferir, mas espera uma resposta dos chineses. O contrato é válido até 2020.

Caso não receba nenhuma informação, ou o time carioca conclua a negociação, o Santos vai à Fifa para apresentar o contrato e pedir que a transferência seja impedida. Assim, tentaria bloquear o registro de Geuvânio pelo Flamengo.

A diretoria santista não acredita que a cláusula impeça o direito de trabalho de Geuvânio, como alegam advogados. No entendimento do Santos, o jogador pode atuar no Santos ou em qualquer clube do mundo que não seja brasileiro. A cláusula foi uma pré-condição santista para fechar a negociação.

O interesse santista em contar com Geuvânio é tão forte que não pretende negociar qualquer contrapartida com o Flamengo. Quer o jogador.

O Flamengo, por outro lado, segue confiante na contratação. O clube se baseia na análise de seu departamento jurídico, que considera o efeito da cláusula como ''nulo''. Na visão dos advogados rubro-negros, o fato do Santos ter vendido 100% dos direitos econômicos de Geuvânio tira qualquer direito do clube. No máximo, na visão deles, o clube da Vila Belmiro poderia entrar com uma ação cível contra Geuvânio e os chineses, pedindo algum tipo de multa.

*Colaborou Vinicius Castro, do Rio de Janeiro