Blog do Rodrigo Mattos

Clubes brasileiros mostram maturidade na reunião da Libertadores

rodrigomattos

Não faltaram críticas neste espaço a atitudes de dirigentes brasileiros sobre a organização de campeonatos. Mas há de se ressaltar a postura positiva e produtiva dos clubes nacionais que estiveram na reunião da Conmebol para decidir os rumos da Libertadores. Da forma como atuaram, terão impacto na competição.

Foi a primeira vez que a confederação sul-americana abriu espaço para os clubes classificados às oitavas de final opinarem sobre a Libertadores por meio da sua subcomissão. A reunião se deu após o sorteio dos mata-matas em um clima aberto de troca de ideias

Estiveram presentes pelo Brasil representantes de Santos, Grêmio, Atlético-PR, Botafogo, Palmeiras e Atlético-MG. No dia anterior, dirigentes desses clubes se reuniram com os que estavam por lá pela Copa Sul-Americana, como Sport, Corinthians e Fluminense. E estabeleceram uma lista de 12 pontos que os incomodavam ou que precisavam de modificação na competição.

A relação era bem coerente: pedia para os árbitros terem critérios uniformes em relação a práticas do campo do jogo, mudanças no regulamento em relação à inscrição e ao banco, maior transparência do tribunal, entre outros. As regras da competição já devem ser mudadas para o próximo em relação às inscrições e bancos de reservas e a própria Conmebol já começa a reconhecer que seu tribunal terá de ser revisto.

Não houve bate-boca, não houve discussões de picuinhas clubistas, e os clubes brasileiros foram capazes de atuar em bloco. Isso não significa que todo mundo concorde em tudo. Mas é possível encontrar caminhos comuns e a atuação em bloco certamente teve um efeito bem maior do que reclamações isoladas.

Talvez, os times brasileiros tenham achado uma fórmula de como se relacionar no âmbito internacional na reunião no Paraguai. Se isso se confirmar, é ótima notícia para o futebol brasileiro.

Errata: O texto informou inicialmente que o Atlético-MG não estava presente na reunião, mas ele mandou um advogado para representa-lo.