Blog do Rodrigo Mattos

Brigas, juiz perdido e suspeita de racismo. Engenhão tem noite lamentável

rodrigomattos

Antes do início do clássico, a festa da torcida do Botafogo com fumaça, mosaico e cantos indicava uma noite bonita de futebol na semifinal contra o Flamengo. Mas a noite no Estádio Nilton Santos foi marcada por cenas lamentáveis: suspeita de racismo, brigas e confusão, e uma arbitragem que ajudou a estragar o espetáculo.

A primeira confusão foi ainda antes do jogo se iniciar quando a torcida rubro-negra ficou presa fora do estádio porque os portões foram fechados. A diretoria botafoguense alegou que torcedores sem ingresso tentavam entrar e que os outros chegaram em cima da hora. A torcida rubro-negra reclamavam de falta de organização. A PM mandou fechar o acesso. Não era um bom prenúncio para um jogo tenso.

Com a bola rolando, houve até algum futebol com um pitaco de Reinaldo Rueda no início do Flamengo. Sem Márcio Araújo, o time tinha uma saída de bola com passes verticais para encontrar espaço entre as linhas da defesa botafoguense, uma orientação dele. Um cenário diferente da troca de passes excessiva que ocorria com Zé Ricardo. O domínio era rubro-negro.

O Botafogo até reagiu com seu estilo de apostar em contra-ataques, mas apresentava pouco para um time mandante. No geral, o jogo era meia-boca, e a arbitragem o piorava. Travava o ritmo com muitas marcações de faltas, ou cometia erros bobos.

A volta para o segundo tempo foi pior. Na arquibancada, um torcedor botafoguense se dirigiu de forma ofensiva para um camarote de convidados rubro-negros, esfregando a própria pele. Quem viu considerou uma injúria racista à família do jogador Vinicius Jr.. O torcedor foi levado para o juizado local, e corre o risco de ficar preso por racismo.

Em campo, a partida até era mais aberta, com o Botafogo um pouco mais ligado, e o visitante agredindo com um jogo acelerado. Foi assim que teve sua melhor chance em cobrança de falta de Diego na trave. Parecia que o jogo ia engrenar com o time rubro-negro melhor… mas a arbitragem não ajudou.

Pimpão deu uma entrada no meio do tornozelo de Berrío, um lance feio que tirou o colombiano do campo. O árbitro Anderson Daronco deu só amarelo em lance de expulsão clara. Mais adiante, Carli e Muralha se embolaram em um ataque. Cada um poderia ter recebido um amarelo, seria o segundo do botafoguense. Ou o árbitro poderia até contemporizar. Mas expulsou ambos.

O jogo degringolou. O Flamengo perdeu padrão com as mudanças de Rueda, o Botafogo continuou a não jogar nada, nem sequer ameaçar o goleiro rival. Não era o time aguerrido da Libertadores.

Ao final, zero a zero no placar, uma briga de organizadas do Botafogo entre si fora do Engenhão acabou em pancadaria com o PM. Enquanto isso, esperava-se a conclusão da acusação de racismo na delegacia local. Um retrato da noite em que o futebol não foi protagonista.