Blog do Rodrigo Mattos

Delator acusa Del Nero de saber de esquema de propina na Conmebol

rodrigomattos

Em depoimento na Justiça de Nova York, o ex-executivo da Torneos Y Competencias Alejandro Buzarco afirmou que o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, sabia do esquema de propinas em pagamentos por contratos da Conmebol. A informação foi publicado primeiramente no Globo.com, e confirmada pelo UOL. Em nota da CBF, o dirigente negou a acusação.

O depoimento do executivo ocorreu no processo do caso Fifa que tem como acusados os ex-presidente da CBF José Maria Marin e da Conmebol, Juan Angel Napout, além do peruano Manuel Burga. Réu confesso de pagar propinas, Buzarco fechou acordo com a Justiça para denunciar outros acusados.

Como já informado pelo Buzzfed, Buzarco acusou seis redes de televisão de pagamento de subornos a dirigentes, entre elas a TV Globo. A emissora nega.

A Torneos Y Competencia era responsável por comprar e revender direitos de competições da Conmebol, como a Copa América e a Libertadores. O processo do caso Fifa investiga pagamento de propinas justamente por essas competições, entre outras.

Em seu relato, Buzarco afirmou que o ex-presidente da AFA Julio Grondona, já morto e ex-vice-presidente da Fifa, gerenciava o esquema de propina da Conmebol. Em seguida, disse que após a sua morte, as pessoas que conheciam todo o esquema eram Marco Polo Del Nero e Juan Angelo Napout, que tornou-se presidente da confederação sul-americana. É a primeira vez em que um depoimento no julgamento há uma acusação contra o dirigente.

Essa acusação reforça os indícios contra Del Nero. Ele já foi indicado pelo Departamento de Estado dos EUA por supostamente receber subornos por contratos da Conmebol e da CBF. É enquadrado nos crimes de fraude eletrônica, lavagem de dinheiro e conspiração. Não responde ao processo porque não está nos EUA.

Por meio de nota, a CBF apresentou a defesa de Del Nero. Alega que Del Nero não recebeu vantagem econômica enquanto dirigente, não ocupava cargo no Comitê Executivo, nem assinou contratos sob suspeita. Não foi possível falar com representantes da Conmebol sobre o caso. O advogado de Del Nero, José Roberto Batochio, esteve nos EUA para acompanhar o processo e disse que se manifestaria pela nota. Veja abaixo:

''Com referência à citação feita à sua pessoa pelo delator premiado ALEJANDRO BUZARCO na Corte de Justiça do Brooklin, New York, EUA, o presidente da CBF, MARCO POLO DEL NERO, vem a público esclarecer que nega, com indignação, que tivesse conhecimento de qualquer esquema de corrupção supostamente existente no âmbito das entidades do futebol a que se referiu. As investigações levadas a efeito naquele país não apontaram qualquer indício de recebimento de vantagens econômicas ou de qualquer outra natureza por parte do atual presidente da CBF. Igualmente, o que ali ficou apurado foi que os contratos sob suspeita não foram por ele assinados nem correspondem ao período de sua gestão na presidência da CBF. Esclarece, ainda, que jamais foi membro do Comitê Executivo da Conmebol, mostrando-se também falsa essa informação. Por fim, reafirma que nunca participou, direta ou indiretamente, de qualquer irregularidade ao longo de todas atividades de representação que exerce ou tenha exercido.''