Blog do Rodrigo Mattos

Fifa tenta aprovar às pressas novo Mundial de Clubes com oposição da Uefa

rodrigomattos

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, tenta marcar uma reunião às pressas no final de maio para aprovar um novo Mundial de Clubes que renderia um valor bilionário a entidade e a times. Mas há oposição forte por parte da Uefa que não concorda com acelerar o processo sem que todos os detalhes sejam conhecidos.

A polêmica começou quando Infantino apresentou uma proposta de US$ 25 bilhões pelos direitos de um Mundial de Clubes e uma Liga das Nações. Quem fez a oferta foi um grupo de investidores liderados pelo japonês Soft Bank, conglomerado que exigia uma resposta rápida.

Infantino já desenhou um projeto em que a Fifa ficava com 51% das ações da empresa que controlaria as competições, e dividiria os recursos entre clubes e federações para atrair seu apoio. A ideia era ter 24 times, mas até há abertura para discutir o formato em caso de oposição dos clubes. A questão é a resistência da Uefa.

Nesta quarta-feira, a cúpula da entidade europeia se reuniu e expressou ''sérias reservas sobre o processo'', citando o timing e a falta de informações. Houve críticas de dirigentes europeus a falta de transparência e que Infantino estaria vendendo o futuro do futebol sem pensar em seu desenvolvimento.

Ao mesmo tempo, o presidente da Fifa manobra para ignorar a Uefa. Ele avisou membros do Conselho da Fifa que pretendia realizar uma reunião de urgência em Zurique até o final de maio para já aprovar o Mundial, segundo informações obtidas pelo blog. O encontro ainda não foi marcado oficialmente porque precisa de concordância dos outros integrantes do Conselho, o que não aconteceu.

Se na Europa existe resistência por parte de ligas e da Uefa, cartolas da América do Sul concordam com a pressa de Infantino em acelerar o processo. Entende que a proposta é bastante substanciosa e representaria um ganho para todos em termos de receitas.

Uma questão é que Infantino tenta convencer os grandes times europeus a participar do torneio, lhes dando a oportunidade até de opinar sobre o formato, em reunião que esteve com os gigantes do continente. Em compensação, não se preocupou em se reunir com clubes de outras regiões como a América do Sul, Ásia e África.