Blog do Rodrigo Mattos

Neymar fará bem se entender arbitragem: contorcer-se não expulsará rivais

rodrigomattos

Neymar sofreu um número excessivo de faltas por parte do time suíço? Fato, foram 10, um número dos mais altos na história da Copa do Mundo. E qual foi o efeito para o time brasileiro neste caso? Dois cartões amarelos para os jogadores adversários, apenas uma falta perigosa, um desgaste desnecessário sobre o principal atleta nacional.

O excesso de faltas teve relação direta com Neymar segurar muito a bola. Sem toca-la com mais rapidez, ficou exposto a um rodízio dos jogadores suíços. Cada vez um cometia falta sobre ele.

Tite reclamou desse método. Mas, embora sua ponderação tenha sido ouvida na Fifa, o departamento de arbitragem da entidade não entendeu que houve qualquer erro do árbitro Carlos Ramos. Marcou todas as faltas, deu os amarelos. Não entendeu que houve nenhuma falta que merecesse um cartão vermelho. E não houve de fato.

Em diversos lances, Neymar ainda exigiu cartões com gestos, ou se contorceu no chão exagerando o efeito da falta sofrida. Isso não teve nenhum efeito sobre Carlos Ramons, nem impressiona o comando da arbitragem da Fifa. A avaliação final é de que ele foi protegido como deveria pelo árbitro.

Ora, Neymar pode no próximo jogo tentar tudo de novo ao tentar com outro juiz. Mas a realidade é que ficou claro o padrão adotado pela Fifa: não adianta que sofra várias faltas de nível médio para arrumar uma expulsão. Isso só ocorrerá com lances mais duros de fato.

O atacante brasileiro sempre foi um jogador inteligente. Cabe a ele interpretar essa realidade do jogo e se adaptar a ela. Ou seja, soltar mais a bola para evitar pancadas constantes, e deixar de lado as reclamações excessivas. Talvez caso se concentre mais em desenvolver o excepcional jogo de que é capaz em vez de se preocupar com o árbitro.