Blog do Rodrigo Mattos

Com Maracanã caro, Fla usa público recorde para ganhar com sócio e comida

rodrigomattos

Para manter o Maracanã cheio, o Flamengo tem deixado o ingresso barato para jogos do Brasileiro o que proporcionou uma média de público recorde nos pontos corridos. Neste cenário, o lucro com bilheteria percentual tem sido de um quinto do total porque os custos do estádio continuam altos mesmo após novo acordo com o estádio.  A compensação calculada pela diretoria do clube é o ganho técnico, e faturamento com sócios-torcedores e comida.

O Flamengo teve um faturamento de bilheteria no Brasileiro em torno de R$ 13,5 milhões, excluída a última partida contra o Cruzeiro que ainda não tinha borderô disponível. Desse total, apenas 21% ficaram para o Flamengo. E, por conta de promoções, jogos como Botafogo, Sport e São Paulo, que foram depois da Copa, também tiveram percentual baixo de renda para o clube rubro-negro mesmo com o novo acordo válido de despesas válidas.

A diretoria do Flamengo tem consciência que deixa a margem de lucro bem reduzida com o preço menor do ingresso. Em média, os bilhetes custam em torno de R$ 30 no jogo do time no campeonato por conta de promoções com pacotes de jogo. Houve uma pequena queda de custos do Maracanã com o novo acordo, mas esta ainda não é significativa.

Em comparação, outros times como o Palmeiras, Corinthians e até o São Paulo tiveram rendas líquidas bem superiores no Brasileiro mesmo com menos público. O líder do campeonato tem patamar de preço de ingresso similar ao time carioca, mas fica com a maior parte de sua renda porque o Morumbi tem custo bem menor do que o Maracanã. Com quase metade do dinheiro arrecadado pelo Flamengo, o São Paulo ficou com R$ 5 milhões líquidos.

Em contraposição, na Libertadores, diante do Cruzeiro, o Flamengo cobrou ingresso médio de quase R$ 80 e sobrou R$ 1,3 milhão de renda para o clube. A diretoria foi criticada pelo alto preço e o Maracanã ficou longe de encher, com muitos espaços vazios no setor Sul e até no Norte, mais tradicional da torcida.

A aposta dos dirigentes rubro-negro, no entanto, é que os jogos do Brasileiro alavanquem outras receitas. No novo acordo, o Flamengo fica com parte das comidas e bebidas que dão pelo menos R$ 200 mil por jogo quando o estádio está cheio.

Outra vantagem vista pelo clube foi um aumento da adesão dos sócios-torcedores. Recentemente, o clube atingiu o patamar de 100 mil sócios, marca que já foi ampliada para 103 mil. Desde o início do ano, a receita de sócio-torcedor passou a ser calculada junto com à de bilheteria para que os dois itens não sejam concorrentes.

A política de ingressos mais baixos é quase uma unanimidade atualmente dentro do clube. Até porque resultados em campo têm sido positivos e a torcida está satisfeita. Como o Maracanã não se tornou barato, resta à diretoria se equilibrar com outros ganhos.