Topo

Histórico

Categorias

Fla é o único campeão com larga vantagem nos maiores Estaduais

rodrigomattos

21/04/2019 19h01

Ao final dos dois jogos da decisão do Carioca, o Flamengo estabeleceu uma vantagem de quatro gols sobre o Vasco com duas vitórias por 2×0. Foi o único caso de time campeão entre os quatro maiores Estaduais em que o título ocorreu com uma diferença grande no placar.

Em São Paulo, considerados os dois jogos, o Corinthians bateu o São Paulo por um gol, mesma vantagem do Cruzeiro sobre o Atlético-MG. O Gaúchão foi decidido nos pênaltis após dois empates.

A vantagem do time rubro-negro sobre a equipe vascaína é um reflexo da disparidade que se estabeleceu no Rio de Janeiro em 2019. Com alto investimento, o Flamengo se mostrou superior no campeonato inteiro com exceção de alguns momentos em clássicos diante do Fluminense, onde houve maior equilíbrio.

Nem dá para dizer que a última final teve a disparidade vista no restante do campeonato. O Vasco melhorou sua postura em relação ao primeiro jogo. Sua marcação pressão acabou com o jogo fluído rubro-negro, aplicando contra o rival a tática da qual tinha sido alvo na partida no Nilton Santos.

Com o jogo equilibrado no início, o Flamengo chegou ao gol em um cruzamento pelo alto feito por Arrascaeta e concluído de cabeça por Arão. No lance anterior, Gabigol estava em impedimento não marcado pelo auxiliar porque este esperava o VAR.

A partir daí, com a desvantagem de três gols, o Vasco passou a pressionar mais o Flamengo, sufocando sua saída de bola. O time de Abel Braga aceitou e passou a atuar recuado, com problemas para articular o jogo mesmo no contra-ataque. Tanto que os vascaínos tiveram mais conclusões a gol ao final do primeiro tempo.

Esse cenário não mudou no segundo tempo, embora Alberto Valentim tenha trocado Lucas Santos (que tinha boa atuação) por Máxi Lopez. Ressalte-se que o argentino, embora de novo tenha demonstrado problemas de mobilidade, conseguiu a conclusão mais perigosa a gol em lance salvo por Diego Alves. E assim seguiu o jogo até os 25min: o Vasco pressionava, mas errava nos lances finais; o Flamengo tinha dificuldade contra-atacar.

Até que o time vascaíno perdeu punch, seja por falta de físico, seja por já não acreditar mais na virada. Faltava ao Flamengo mais velocidade no contra-ataque para matar a partida já que o time tinha três meias, e nenhum ponteiro rápido. Com a entrada de Vitinho, isso foi resolvido, Diego enfiou a bola e ele acabou com o campeonato.

Ao Flamengo, resta a certeza de que seu time tem qualidades, mas a disparidade no cenário carioca se deve também a fragilidade dos rivais, envolvidos em crises econômicas. Isso apesar de o técnico Abel Braga ainda não encontrado o melhor jogo do time. Ao Vasco, resta resolver suas questões financeiras ou não será capaz de enfrentar o rival e tentar romper o tabu de  31 anos sem vence-lo em finais de campeonatos.

Foi um título conquistado portanto pela fartura de recursos do Flamengo. Mas, durante o jogo, a torcida e o clube festejaram com um mosaico e o canto "Festa na Favela" que remete à raiz popular do time apagando a polêmica de que havia rejeição à expressão no clube.

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Blog do Rodrigo Mattos