Topo
Blog do Rodrigo Mattos

Blog do Rodrigo Mattos

Categorias

Histórico

Empresário ligado à propina na Fifa cobra R$ 8 mil por jogo da Copa América

rodrigomattos

14/06/2019 04h00

A Conmebol deu ao Grupo Águia os direitos de vender ingressos e pacotes de luxo de jogos da Copa América 2019 que atingem preço de até R$ 8,4 mil m. Essa empresa tem como sócio Wagner Abrahão que foi acusado na Justiça dos EUA de intermediar pagamento de propina para ex-presidente da CBF, José Maria Marin, justamente em caso relacionado à Copa América. Foi feita uma concorrência para a contratação do Grupo Águia, segundo o comitê organizador.

Os pacotes de hospitalidade são produtos comercializados em grandes eventos como a Copa do Mundo. Enquanto torcedores comuns disputam ingressos em sites e enfrentam filas para assistir à Copa América, há privilegiados que pagam mais para obter esse direito: o produto mais caro da competição custa nove vezes o ingresso de maior valor da competição (ambos da final).

Com ligação há 20 anos com a CBF, e com os ex-presidentes Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero, o Grupo Águia já tinha sido responsável por esse tipo de pacote da Copa-2014. Para a Copa América, houve uma concorrência feita pela Conmebol para a contratação da empresa, segundo o comitê organizador.

A Conmebol foi a maior atingida pelo escândalo do caso Fifa investigado e julgado por procuradores e pela Justiça dos EUA. Foi comprovado o pagamento de propina para ex-dirigentes da confederação sul-americana em troca de aprovarem contratos da Libertadores e da Copa América. A Conmebol teve uma troca de poder, se apresentou como vítima na Justiça dos EUA e prometeu transparência nos processos de contratação.

Pois bem, o Grupo Águia, contratado pela confederação sul-americana, tem como principal sócio Wagner Abrahão (o nome real da empresa é Asa Participações). No processo contra Marin, nos EUA, foi mostrado que o pagamento de US$ 3 milhões em propina para o ex-presidente da CBF se deu por duas empresas de Abrahão. São as empresas Support Travel e Expertise Travel, ambas com contas em Andorra, paraíso fiscal na Europa. Essas receberam o dinheiro da FTP (offshore que comprou os direitos da Copa América em nome da Torneos Y Competencias) e repassaram os valores para uma firma de José Maria Marin.

Lista de provas do caso Fifa mostra transferência da empresa Support Travel para o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, em pagamento classificado como propina pela Justiça dos EUA

Abrahão já teve outros negócios relacionados à CBF investigados. A primeira CPI do Futebol (em 2001) apontou suspeita de superfaturamento em passagens do Grupo Águia, a segunda CPI do Futebol apontou que ele tinha participações em negociações de patrocínio. Houve negócios particulares entre ele e Ricardo Teixeira e Del Nero, com vendas de imóveis entre sócios do Grupo Águia e os cartolas.

Nada disso impediu a Conmebol de escolher o Grupo Águia para seus pacotes de hospitalidade. A empresa negocia quatro tipo de pacotes com valores diferenciados. Aqueles com valores mais baixos (chamados experience) somam R$ 1.780 para a final. Incluem assentos experience, os quais não é explicado em qual setor, e lanches, refrigerantes ou água. Para efeito de comparação, um ingresso de categoria 1, o melhor lugar do estádio, custa R$ 890,00 na venda direta pelo site da Conmebol.

Há ainda pacotes Premium (também em assentos no estádios) e os dois destinados aos camarotes que são Private Suite e Exclusive Suite. No último caso, estão incluídos no pacote pratos quentes, lanches, champagne, vinhos e sucos. Para a final, o valor total atinge R$ 8,390, além de transporte. Não há hospedagem incluída porque já houve acusações de venda casada nestes casos.

 

Questionada pelo blog, a Conmebol não explicou como se deu o processo de concorrência vencido pelo Grupo Águia, nem quantos ingressos foram destinados à empresa. A assessoria do Grupo Águia também não retornou as perguntas feitas. O Comitê Organizador limitou-se a dizer que só a Conmebol poderia falar sobre isso, apenas confirmando a concorrência.

 

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Mais Blog do Rodrigo Mattos