Topo
Blog do Rodrigo Mattos

Blog do Rodrigo Mattos

Categorias

Histórico

São Paulo tem condições de pagar Daniel Alves?

rodrigomattos

03/08/2019 04h00

Com Bruno Grossi, do UOL, em São Paulo

Como publicado pelo UOL, Daniel Alves terá o maior salário do futebol brasileiro com R$ 1,5 milhão, um valor total de R$ 18 milhões por ano. A questão óbvia que se impõe é: o São Paulo tem condições de pagar esse montante? Os números indicam que o clube terá de gerar receitas que hoje não existem pois a conta anual são-paulina já eram bem apertada sem ele.

Vamos aos números. O São Paulo teve uma receita em 2018 de R$ 399 milhões, uma redução de R$ 77 milhões em relação ao ano anterior. Isso se explica por que o clube do Morumbi tem seu volume de renda fortemente atrelado às vendas de atletas. A queda no custo foi pequeno: em torno de R$ 10 milhões, ficando em R$ 256 milhões.

Como a dívida não era alta, inferior a um ano de receita, havia portanto dinheiro para investimento nesta temporada: foram previstos R$ 50 milhões para reforços. Só que esse dinheiro já foi até ultrapassado em muito com as compras de direitos de Pablo (R$ 26 milhões), Hernanes (R$ 13 milhões), Tchê Tchê (R$ 22 milhões), Pato (R$ 11 milhões) e Raniel (R$ 13 milhões), fora outros negócios menores. Somam R$ 85 milhões, sendo que a quitação de alguns negócios como Raniel será feita em 2020.

Em relação à folha salarial, no final de janeiro, o presidente são-paulino, Carlos Augusto Barros e Silva, afirmara que não havia espaço para a contratação de Pato apesar das conversas naquela momento (em entrevista ao blog e a outros veículos no Rio de Janeiro). Depois disso, saíram Nenê, Jucilei e Diego Souza. E Pato e Tchê Tchê foram contratados.

Não dá para dizer portanto que havia folga na folha para um salário de R$ 1,5 milhão de Daniel Alves, nem para pagar luvas.

Ora, então, o São Paulo teria de gerar aumento de receita para pagar o jogador. E há possibilidade dessas receitas extras? O Estudo do Itaú BBA sobre contas de clubes em 2018 nos ajuda a entender esse quadro. Sobre o São Paulo, o documento diz: "Entretanto, essa medição feita em relação EBITDA (geração de caixa) total deixa de apontar uma situação de risco elevado: como a geração de caixa vem basicamente da venda de atletas, em anos que não houver vendas relevantes, os índices disparam."

Ou seja, o clube é dependente de negociações para ter folga para investimentos. Neste ano, foram negociados Rodrigo Caio (€ 5,5 milhões) e foi obtido um percentual de Militão (€ 6,7 milhões), além da saída de Tuta. Isso gerou R$ 60 milhões, menos do que foi investido. Há uma possibilidade de venda de David Neres pelo Ajax que pode gerar em torno de € 10 milhões ao São Paulo pelo percentual que ainda detém do jogador.

E as outras receitas? O São Paulo não se classificou à fase de grupos da Libertadores e deixou um rombo de quase R$ 20 milhões no valor previsto em orçamento do clube. Está fora da Copa do Brasil. A premiação do título Brasileiro é possível de alcançar, mas não tem o impacto das outras. Patrocínio e bilheteria estavam em queda em 2018 e não há finais o novos contratos neste ano. Assim, não há receita extra no horizonte a não ser uma nova venda de atleta.

O salário anual de Daniel Alves representa 7% de todo o custo do São Paulo em 2018 que estava em R$ 256 milhões. Não é, portanto, uma despesa corriqueira. O jogador gera movimentação de marketing para aumentar alguns receitas como sócio-torcedor, bilheteria e venda de camisa. Mas nunca aconteceu no Brasil desse tipo de renda ser suficiente para bancar o atleta.

Feitas as contas, o São Paulo terá de gerar uma receita que não existe atualmente para paga-lo, ou se endividar para o futuro.

PS: Não se discute o valor técnico de Daniel Alves. Foi o melhor jogador da seleção brasileira na última Copa América e, portanto, será um acréscimo técnico considerável para o time. É a contratação de maior impacto do futebol brasileiro desde Ronaldinho pelo Flamengo.

 

 

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Mais Blog do Rodrigo Mattos