Topo
Blog do Rodrigo Mattos

Blog do Rodrigo Mattos

Categorias

Histórico

Elenco curto? Santos usa menos atletas do que Fla e Palmeiras na arrancada

rodrigomattos

05/08/2019 04h00

O Santos acumula sete vitórias seguidas no Brasileiro, abriu quatro pontos de vantagem na liderança e alia um futebol ofensivo a uma defesa sólida. E teve o ponto da campanha com a goleada de seis no Goiás. A dúvida que paira sobre o clube é se o elenco santista é suficiente para aguentar a maratona do Brasileiro. De fato, o grupo do alvinegro é mais restrito do que o de Flamengo e Palmeiras?

Bem, na arrancada ao topo, o técnico Jorge Sampaoli tem usado menos jogadores do que os seus rivais pela ponta. Isso traz uma vantagem de conseguir manter uma base e entrosamento não visto nos outros times, e a desvantagem de que qualquer desfalque tem maior peso no futuro. Vamos aos números.

Em suas sete vitórias seguidas, o Santos teve 20 jogadores diferentes. Desses, um já deixou o clube que era o volante Jean Lucas e foi substituído por Evandro que já entrou. Então, entre os seus atletas disponíveis, Sampaoli utilizou 19 deles nesses sete jogos. E um deles, Copete, só entrou uma vez em campo.

Em comparação, o Palmeiras utilizou 25 atletas no mesmo período de sete partidas – um deles também deixou o clube: o volante Moisés. O técnico Felipão não tem feito dois times diferentes como na campanha do ano passado, mas já girou jogadores em quase todas as posições com exceção do goleiro Weverton. Ele poupou atletas em ocasiões por conta de partidas da Libertadores e da Copa do Brasil, da qual já saiu.

Há possibilidade de mais mudanças já que o Palmeiras contratou os atacantes Luiz Adriano e Henrique Dourado, que sequer estrearam. Ramires já entrou no time, embora ainda tenha jogado pouco.

Terceiro colocado, a oito pontos do Santos, o Flamengo teve uma rotatividade ainda maior. Foram 27 jogadores utilizados neste período. O clube rubro-negro sofre com uma onda de contusões que tirou de jogo Vitinho, Diego, Rodrigo Caio, Lincoln, e anteriormente Arrascaeta e Everton (agora recuperados). O time também tem que se preocupar com a Libertadores, e anteriormente com a Copa do Brasil da qual foi eliminado.

Assim como o Palmeiras, há uma grande rotatividade também por contratações. A defesa que enfrentou o Bahia -Rafinha, Thuler, Pablo Marí e Filipe Luís – é totalmente diferente da utilizada pelo time há dois meses. Em Salvador, eram quatro reforços contratados no meio do ano. Jogadores como Pará e Trauco foram negociados.

O fato de Sampaoli usar um grupo pequeno de atletas é possível também porque o Santos só disputa o Brasileiro. Então, ele não precisa poupar atletas e pode cobrar intensidade máxima deles. Em praticamente todas as partidas, o seu time foi protagonista, tinha mais posse de bola e mais conclusões a gol. Não ganhou à toa.

Se o nome dos jogadores varia pouco, Sampaoli muda forma de jogador em certas ocasiões, já adotou três zagueiros e até uma linha de cinco na defesa diante do Grêmio. E também muda a função de alguns jogadores como Felipe Jonathan: jogou mais adiantado na goleada diante do Goiás, mas em outras partidas substitui Jorge. Lucas Veríssimo é zagueiro, mas pode atuar como lateral-direito.

Esse tipo de estratégia é comum na Europa onde os grupos de jogadores são mais reduzidos do que os fartos elencos brasileiros. Não são poucos os técnicos, como Guardiola, que preferem grupos de jogadores restritos e bem qualificados. Por lá, no entanto, são jogadas menos partidas.

Certo é que, até o momento, o "elenco curto" do Santos tem funcionado melhor do que os fartos. A ver o que ocorre na sequência do Brasileiro.

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Mais Blog do Rodrigo Mattos