Topo
Blog do Rodrigo Mattos

Blog do Rodrigo Mattos

Categorias

Histórico

CBF aprova que investidores estrangeiros comprem clubes brasileiros

rodrigomattos

18/08/2019 04h00

Há uma discussão em curso entre governo federal, Congresso e Confederação Brasileira de Futebol em torno de um projeto que crie regras para os clubes brasileiros se transformarem em empresas. Atualmente, esse tipo de medida é possível, mas não há uma regulação clara. A CBF deu uma sinalização de que não vê motivos para haver restrições para que empresas ou pessoas de fora do país adquiram os direitos sobre agremiações.

Desde sua posse, o presidente da CBF, Rogério Caboclo, tem defendido como um dos projetos mais importantes para o futebol do país a questão da atração de investimentos para os clubes. Sua ideia é que isso seja feito por meio de profissionalização, possivelmente com clubes-empresas. Já teve encontros com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para discutir o projeto de lei que está em tramitação na Câmara dos Deputados.

"O primeiro momento é de trazer investimentos para os clubes e não há por que haver restrição", explicou Caboclo, ao falar sobre a possibilidade de estrangeiros entrarem no país. O Red Bull já tem como acionista a empresa austríaca que também está envolvida no projeto de compra do Bragantino, líder da Série B.

Leia também

No exterior, a Inglaterra não tem restrições a um estrangeiro comprar um clube, como ocorreu no Chelsea, Manchester City e Liverpool, entre outros. Já na Alemanha, a liga tem uma limitação (50 +1) pela qual nenhum indivíduo pode ser acionista majoritário sozinho, a não ser que tenha 20 anos como sócio do clube, caso da Volkswagen. Assim, os clubes sociais têm que deter a maioria. Atualmente, a liga alemão debate rever essa regra.

Caboclo entende que há pontos a avançar na legislação e vê Rodrigo Maia como preparado para tocar esse projeto. Entre os pontos discutidos pelo presidente da Câmara, estava uma anistia temporária de impostos para clubes que fizessem a transformação em empresa. Mas isso seria só por um tempo. A confederação afirma não ter se envolvido nesta questão de isenções tributárias para os times.

"A CBF é uma entidade que já abre mão de isenção e paga R$ 100 milhões em impostos por ano. Não é nosso papel fazer esse tipo de pedido ao Congresso", analisou Caboclo. Ele entende também que o projeto não pode prever obrigatoriedade de transformação, mas, sim, ter regras para esse processo. Até porque vê como vetada pela Constituição essa imposição.

Além da legislação em discussão no Congresso, a CBF também discute internamente uma regulação para os clubes que queiram se transformar em empresas. Assim, estabeleceria como o processo ocorreria e se haveria limitações. Isso ainda não está pronto.

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Mais Blog do Rodrigo Mattos