Topo

Histórico

Categorias

Flamengo e Globo divergem em negociação dos direitos do Carioca-2020

rodrigomattos

13/11/2019 04h01

Flamengo e Globo estão bem distantes de um acordo na negociação dos direitos de contato de transmissão do Estadual do Rio de 2020. Nas primeiras conversas, dirigentes rubro-negros informaram que gostariam de uma mudança na forma de remuneração que iria gerar maior valorização. A Globo não concorda com este ponto e defende a manutenção dos valores atuais.

A partir do último contrato do Carioca, a Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro), Vasco, Fluminense e Botafogo assinaram um contrato de oito anos para transmissão do Estadual que vale até 2024. O Flamengo não topou. Posteriormente, o clube rubro-negro fechou com a Globo um compromisso por três anos que encerrou neste ano.

Pelas condições de 2019, o Flamengo, apesar do contrato separado, ganhou a mesma cota fixa dos outros três grandes, R$ 15 milhões. O total do pagamento da Globo pelo campeonato é R$ 120 milhões, sendo metade distribuído aos quatro grandes, e o restante para premiações, times pequenos e Ferj.

Agora, o Flamengo entende que o Carioca tem que ter tratamento similar ao do Brasileiro, considerando todas as receitas que a emissora tem o campeonato. Assim, pretende que seja incluído na conta o fato de o Carioca também estar no pay-per-view que gera uma receita extra à emissora, além de rendas do Sportv.

Além disso, a diretoria rubro-negra tem a consciência de que, pelo calendário do futebol brasileiro, o Estadual ainda ocupa três meses e meio da temporada, sendo a competição que terá a maior parte dos jogos do time para a televisão no período. O outro campeonato é a Libertadores, que, no entanto, tem menos partidas. Assim, o Flamengo crê que a Globo teria impacto no ppv, que já tem queda de assinantes neste período, caso não tenha direitos de jogos do clube. Isso será usado em seu favor na negociação.

Já a Globo tem uma posição de que, a partir da nova distribuição de dinheiro da televisão do Brasileiro, não faz sentido remunerar um clube de forma diferenciada em relação aos outros três grandes. No caso do Nacional, o Flamengo tem vantagem pela fatia de seus torcedores no pay-per-view, sendo remunerado igual aos outros na TV Aberta e na TV Fechada. Portanto, a ideia da Globo seria manter o valor de R$ 15 milhões, igualando a cota que será recebida por Vasco, Fluminense e Botafogo dentro do acordo da Ferj.

Fora isso, a emissora tem cada vez mais tirado o peso do Estadual dentro de suas transmissões em TV Aberta. Para a próxima temporada, no total, a Globo vai reduzir de 95 para 85 jogos nesta plataforma e tem diminuído o número de partidas da competição. A emissora já vendeu pacotes de TV Aberta para a próxima temporada e, sem os jogos do Flamengo, poderia ficar sem partidas para exibir nas finais da competição se o time se classificar.

Essa divergência de posições travou a negociação entre as partes. A Globo espera retomar as conversas ao final das competições de 2019. Já o Flamengo entende que os R$ 15 milhões de cota do Estadual não são significativos dentro da sua receita total e, por isso, vai prolongar a queda-de-braço. Na última negociação, o clube acabou cedendo e assinando pelo mesmo valor dos outros grandes, mas teve o direito de um contrato em separado sem a Ferj e mais curto.

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Blog do Rodrigo Mattos