PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Como Teixeira deixou de ser dono do futebol do BR, sumiu e desmoronou

rodrigomattos

01/12/2019 04h00

Era julho de 2011 quando a Revista Piauí publicou um perfil de Ricardo Teixeira, então presidente da CBF, em que ele fazia ameaças a veículos de imprensa e a outros inimigos. Era o auge da arrogância de quem estava prestes a ser o homem forte da Copa-2014 a ser realizada no Brasil. Sentia-se poderoso como nunca.

Depois de oito meses, ele renunciava ao seu cargo de presidente da CBF, abandonando junto o projeto da Copa do Mundo. Saía acossado por denúncias de corrupção relacionadas a negócios da Fifa e a um jogo da seleção brasileira organizado com dinheiro público. A partir daí, foi uma longa derrocada, que foi do medo de ser preso até ser ser banido do futebol em definitivo, agora em novembro de 2019.

Como isso ocorreu esse processo que transformou o dono do futebol brasileiro em pária? É preciso contar a história do início. Teixeira assumiu a CBF em 1989 em campanha impulsionada pelo seu então sogro e presidente da Fifa, João Havelange. Sua promessa era de dar novos ares a uma falida confederação, levando profissionalismo ao esporte nacional.

Com a década de 90, vieram contratos como o da Nike nunca vistos anteriormente na CBF e no futebol brasileiro. Crescia o dinheiro, os títulos (1994 e 2002) e o seu prestígio. Consolidava em paralelo seu poder junto aos presidentes de federações que regalava com remessas de ajuda financeira, enquanto presenteava os clubes com viradas de mesa para salvar de rebaixamento.

Sofreu um abalo sério com a CPI do Futebol de 2001, impulsionada por denúncias da "Folha de S. Paulo", e quase caiu do cargo. Até a relação antiga com a Globo se abalou quando a emissora também o investigou. Sustentado no sistema jurídico do futebol, baseado em federações que funcionavam como capitanias hereditárias, manteve-se e voltou mais forte.

Sua aliança com o ex-presidente Luiz Inácio Lula lhe deu a segurança política que não tinha. Por fim, a escolha do Brasil como sede da Copa, em 2009, garantiu-lhe ares de inquestionável apesar de nunca terem parado as acusações e evidências de que se aproveitava da confederação em proveito próprio.

Seu projeto dali então era polir a imagem, ser visto como um modernizador do futebol, como um empresário realizador no Brasil. Não por acaso disse à Piauí que no país se invejava quem tinha sucesso ao contrário do que ocorria nos EUA.

Mas, a partir daí, sua proteção começou a ruir. Em paralelo, a Fifa era pressionada a agir em relação ao caso de subornos da ISL, que tinha Teixeira e Havelange em seu centro. Além do mais, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, tornou-se inimigo de Teixeira por uma briga política e deixou a investigação correr dentro da entidade como não ocorreria com amigos.

No Brasil, avançou o caso do jogo da seleção com Portugal. Financiado com dinheiro público, a organização da partida teve acusações de desvios feitos pelo aliado de Teixeira, Sandro Rosell. De novo, a "Folha de S. Paulo" revelou que por trás do ex-presidente do Barcelona, Rosell, estava o próprio Teixeira se aproveitando dos ganhos até com aluguel de fazenda.

Não lhe restou outro caminho do que a renúncia. Amarrou seu destino a Marco Polo Del Nero e José Maria Marin que deveriam lhe manter no poder e com os ganhos paralelos de contratos da CBF. Sofreu por ser coadjuvante na Copa que tinha organizado, mas seguia rico.

E assim foi… até 2015 quando o FBI foi a caça dos dois. Os caminhos começavam a se fechar. Acossado e com medo de ser preso, abandonou sua milionária mansão em Miami, avaliada em US$ 27 milhões, para se refugiar no Brasil. Perdeu o poder em definitivo, a liberdade de viajar, virou um pária para o futebol.

E a avalanche de denúncias continuava, propinas pela Libertadores, pela Copa América, pela Copa do Brasil, por amistoso da seleção. Eram tantas e tão variadas que ficava até difícil de acompanhar. Espanha, EUA, Brasil, em todos os lugares havia informações de desvios dos recursos da CBF. Negava tudo, dava entrevistas esparsas dizendo que não tinha cometido nenhum crime. Em processos, mandava advogados para defende-lo sem cruzar a fronteira.

O golpe definitivo veio neste novembro de 2019. Entendendo não ser suficiente apenas sua renúncia, a Fifa o baniu de todas as atividades do futebol. A decisão do Comitê de Ética descreve propinas de R$ 32 milhões, e até indícios de venda de voto para a Copa-2022. Era o epitáfio de um monarca do futebol brasileiro.

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Blog do Rodrigo Mattos