PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Como será a transição da gestão do futebol do Botafogo para empresa

rodrigomattos

11/12/2019 12h00

O Botafogo votará na próxima quinta-feira a transformação do clube em empresa. A provável aprovação da mudança tem como objetivo sanear o clube por meio do dinheiro de investidores que, posteriormente, seriam remunerados por isso. A pergunta que se impõe: como ficará a gestão do futebol alvinegro a partir dessa transformação?

Há ainda mais perguntas do que respostas até agora, mas o blog conseguiu traçar um cenário com uma apuração sobre o caso. Primeiro, haverá um período de transição como explicou o presidente do Botafogo, Nelson Mofarrej, até que o novo modelo como empresa esteja implementado. Por enquanto, estão confirmados Anderson Barros, como diretor, e Alberto Valentim, como técnico, neste período.

A transição do clube associativo para a empresa no registro da CBF tem que ocorrer neste final do ano com as competições paradas. Mas a passagem da gestão do futebol para o novo modelo pode demorar um pouco mais. Depende inclusive de fechar todos os investidores que participarão do projeto, o que, segundo o dirigente do Botafogo, ainda está em aberto.

"Depende dos investidores, isso não é de estalo. Se aparecer no dia seguinte do investidor que seja analisado pela equipe nossa, e tenha condições, vai ter a transição", afirmou Mofarrej, que ressaltando que já existe um grupo de interessados.

A partir da implantação da empresa, os recursos e o poder sobre o futebol, inclusive os contratos de jogadores, passariam para uma empresa. Inicialmente, deve ser usada uma empresa de uma estrutura já existente para acelerar a estruturação da sociedade. E quem mandaria nessa estrutura?

Será montado um Conselho de Administração composto pelos principais investidores. Esse conselho define as estratégias de longo prazo, as principais diretrizes do projeto e escolhe um CEO para comanda-lo, como ocorre com outras sociedades empresariais. Na teoria, o conselho não apitaria constantemente nas decisões tomadas pelo executivo. Ou seja, técnicos e elenco seriam definidos pelo executivo da empresa. Obviamente, investidores podem intervir se estiverem insatisfeitos com os rumos, mas idealmente isso não deveria acontecer com frequência.

Outra questão é quanto de dinheiro o Botafogo teria para montar seu time para o próximo ano. Bom, a informação é de que houve interessados e cotistas para a empresa. Mas o próprio presidente Mofarrej diz que ainda há espaço para adesões. O objetivo era levantar R$ 300 milhões para negociar o pagamento das dívidas, e ter algum residual para qualificar o time.

E quem são os investidores do Botafogo? Os irmãos João e Walter Moreira Salles iniciaram o projeto, mas, em reuniões, informaram que não entrariam com dinheiro – já contribuíram com o CT e empréstimos para o clube associativo. Internamente, no entanto, não há certeza sobre a informação de que eles não participação. O ex-presidente do clube e executivo do Ibope, Carlos Augusto Montenegro, é um dos mais ativos no projeto. Não há limitações para investidores que não sejam alvinegros.

E o Botafogo vai aderir ao projeto de clube-empresa aprovado no Congresso (ainda precisa passar pelo Senado e por sanção presidencial)? Há uma tendência que, sim. O projeto é visto com bons olhos por participantes do projeto para ajudar na reestruturação do Botafogo. Até porque permite a inclusão de todas as dívidas fiscais que estejam em aberta, além das já no Profut, e a recuperação judicial para débitos privados. O imposto é reduzido a 5% da receita.

Questionado sobre esse ponto, Mofarrej fez elogios, mas foi enigmático sobre adesão: "Vai (aderir), mais ou menos".

 

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Blog do Rodrigo Mattos