PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Estaduais não impedem desemprego em massa de jogadores no Brasil

rodrigomattos

28/12/2019 04h00

A grande maioria dos jogadores brasileiros tem sofrido com o desemprego. São 90 mil atletas profissionais registrados e apenas  11.551 contratos ativos, isto é, quase 90% deles não tinha um clube. Os números são do estudo da EY encomendado pela CBF sobre o impacto econômico do futebol brasileiro – referem-se ao ano de 2018.

Na discussão do calendário, a CBF e as federações usam como principal argumento para a manutenção de datas de Estaduais que a redução destes iria causar um desemprego em massa. Mas o levantamento da EY mostra que isso já ocorre porque, na realidade, não há competições no país que sustentem tantos atletas.

Além disso, o levantamento mostra uma disparidade grande entre os salários e jogadores da elite em relação a maioria do país. Um dado mostra que são gastos em torno de R$ 1 bilhão em salários para jogadores de futebol por ano. Desse total, 80% (R$ 800 milhões) estão concentrados em 7% dos jogadores, ficando o restante dos atletas com um quinto.

Não por acaso a maioria dos jogadores (55%) ganha salário mínimo. Enquanto isso, 13 jogadores ganham acima de R$ 500 mil por mês.

Isso demonstra que há dois mundos do futebol diferentes no Brasil. Um que é efetivamente profissional com clubes que disputam as principais séries do Brasileiro e talvez o Paulista, e outro semi-amador travestido que oficialmente é uma atividade remunerada.

O problema é que a gestão atual da CBF para o futebol brasileiro, por meio de seu calendário, prende o primeiro mundo (o profissional de fato) às necessidades do restante. Então, times grandes têm que jogar contra equipes de fraca estrutura para financiar sua subsistência. Ao mesmo tempo federações de locais onde o futebol profissional praticamente não existe influenciam nos destinos da Série A.

Do outro lado, a CBF e as federações fornecem estrutura insuficiente para desenvolver o segundo mundo, do futebol semi-amador, seja para transforma-lo em um celeiro de atletas, para fortalecer e transforma-lo em viável economicamente ou para que cumpra um papel em comunidades locais.  Um mapa feito pela EY em seu estudo mostra que a origem de nascimento da maioria dos jogadores profissionais são as costas do Nordeste, as regiões do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e do sul do país. Ou seja, locais onde a formação é estimulada pelo valor econômico e não por projetos feitos pelas entidades.

No documento, é ressaltado que o futebol brasileiro tem 250 competições organizadas. Desses, 16 são nacionais e o restante organizado pelas federações. A maioria dos campeonatos é organizado pelas federações, e 53% deles são de divisão de base. Nesse número, estão incluídas competições femininas. No total, há 360 mil jogadores no Brasil, contabilizados aí a maioria de amadores.

Outro sinal de que há problemas na organização do futebol nacional é que existem mais clube inativos do que ativos: são 874 que reativaram registros na CBF nos últimos quatro anos, contra 895 inativos. De novo, Estaduais não têm sido suficientes para manter vivas essas agremiações já que o número de times cai ano a ano.

A CBF tem um mérito de ter contratado um estudo dessa abrangência para traçar um diagnóstico do futebol brasileiro. Só com um retrato detalhado é possível decidir os próximos passos. Agora, resta saber se a confederação aceitará liberar a elite do futebol brasileiro para explorar o máximo o seu ponteiam econômico, tirando as travas que a CBF lhe impõe, e ao mesmo tempo desenvolver projetos que atendam o restante do futebol brasileiro.

 

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.

Rodrigo Mattos