Blog do Rodrigo Mattos

Arquivo : clubes brasileiros

Conmebol promete inflar cota na Libertadores para acalmar times brasileiros
Comentários Comente

rodrigomattos

Em reunião com os clubes brasileiros, a Conmebol prometeu reduzir seus custos e aumentar as cotas para os times para 2018. Esse compromisso ocorreu na segunda-feira quando o presidente da confederação sul-americana, Alejandro Dominguez, foi à CBF. A sua posição deixou cartolas brasileiros satisfeitos.

No encontro, Dominguez expôs aos presidentes dos principais clubes brasileiros os números financeiros da entidade e especialmente da Libertadores. O balanço divulgado pela Conmebol mostrou um faturamento de US$ 121 milhões (R$ 385 milhões) com a Libertadores, entre direitos de TV e comerciais.

Desse total, R$ 84 milhões ficaram como lucro para a entidade, o que torna o torneio o mais rentável para a Conmebol. Outra parte do montante é gasto com despesas operacionais da competição, incluindo arbitragem, sorteios, organização de jogos.

Sobram para os clubes cotas de US$ 1,8 milhão por todos os jogos da fase de grupos, e bônus que podem atingir o máximo de US$ 8 milhões em caso de título. Esses valores são incomparáveis com competições europeias e bem abaixo do que a maioria dos campeonatos do Brasil. Por isso, há reclamação constante com a confederação sul-americana.

Alejandro Dominguez prometeu aos clubes que haverá um processo transparente da venda dos direitos de TV da Libertadores, o que está previsto para o segundo semestre deste ano. Será negociado o contrato a partir de 2019 e o compromisso é de que haverá uma concorrência entre televisões para diferentes áreas.

A tendência é a oferta de um pacote para o Brasil, outro para a América do Sul, um possivelmente para o México se os times voltarem à competição. A questão é que a Conmebol ainda estuda o modelo de concorrência, ouvindo as emissoras de televisão para determinar as regras.

Certo é que, antes desse novo contrato, a Conmebol promete distribuir uma fatia maior do que paga a Fox Sports para os clubes para conter a insatisfação. É um segundo movimento da confederação que tinha reajustado cotas no início de 2016, e aberto mão de percentual de desconto sobre rendas.


Libertadores ignora critério da Champions e prejudica brasileiros em cotas
Comentários Comente

rodrigomattos

Ao mudar a Libertadores para aumentar seu valor de mercado, a Conmebol ignorou esse mesmo mercado na hora de distribuir cotas da competição. Não houve alteração na divisão igualitária e por classificação em política oposta a da Liga dos Campeões que valoriza os países que geram mais dinheiro. Os maiores prejudicados foram os clubes brasileiros, maiores fonte de receita da competição. A fase de grupos da nova Libertadores começa nesta terça-feira.

A Conmebol vende os direitos de marketing e televisão da Libertadores em um pacote único, o que deve mudar para edição de 2019. Só que a rede de televisão que compra, no caso a Fox, tem como principal objetivo obter receitas no Brasil e na Argentina.

O potencial econômico brasileiro é muito maior do que o do país vizinho tanto que a confederação sul-americana inflou para oito times nacionais nesta edição. Ao mesmo tempo, manteve a cota fixa na fase de grupos: US$ 1,8 milhão para cada time, e prêmios crescentes por cada fase que as equipes avançam. Um time campeão pode chegar a US$ 8 milhões independentemente de qual seu país de origem.

Na Liga dos Campeões, as cotas são divididas em 60% por valores fixos e premiações por desempenho, e outros 40% por mercado. Ou seja, os clubes do países que geram os maiores contratos de tv locais ficam com mais dinheiro. Para dividir esse montante de mercado entre os times de cada nação é usado um critério esportivo: metade por desempenho no campeonato nacional e metade dentro da própria Liga dos Campeões. No total, 507 milhões de euros serão divididos dessa forma na atual temporada.

Na última edição encerrada da liga, 2015/2016, o Manchester City foi o clube que mais arrecadou 83,9 milhões de euros, acima do campeão Real Madrid que ficou com 80,1 milhões de euros. Isso porque o mercado espanhol gera receita menor do que o inglês. Na Libertadores, de nada vale gerar mais dinheiro para a competição.

“Não tem nenhum mercado como o brasileiro (na América do Sul). A Libertadores se apropria, mas não traz nada para esse mercado”, analisou o coordenador de curso de gestão da FGV/Fifa, Pedro Trengrouse. “A solução para Conmebol aumentar suas receitas seria expandir a competição para o mercado americano e canadense.”

O consultor em marketing esportivo, Amir Somoggi, vai além e estima que metade do mercado da Libertadores é originário do Brasil. E dá um exemplo de que um jogo do Atlético-MG atinge uma cidade grande como Belo Horizonte, enquanto do outro lado muitas vezes estão times de locais com pouco potencial econômico.

“O critério da UEFA é de mercado, pelo marketing pool. A Itália, por exemplo, não tem muita renda de jogo, mas gera bastante de televisão”, contou. “Desde que fundou a nova Liga dos Campeões, a UEFA considerou a meritocracia.”

Ele atribuiu à falta de poder político dos clubes brasileiros o fato de a Conmebol não fazer o mesmo na América do Sul. “No caso do Brasil, a diretoria não fala o mesmo idioma, a sede fica em um país de língua espanhola. A Conmebol dá mais atenção aos países de língua espanhola.” Lembre-se ainda que o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, não pode ir a reuniões da Conmebol com medo de ser preso pelo “caso Fifa”.

Em resumo, na hora de arrecadar, a confederação sul-americana olha para o Brasil, mas, na hora de distribuir o dinheiro, pensa nos países vizinhos.


Clubes querem maior influência no STJD e em regulamentos da CBF
Comentários Comente

rodrigomattos

O grupo de 12 grandes clubes recém-formado para discutir algumas questões do futebol brasileiro já tem duas pautas: aumentar sua influência no STJD e no regulamento de competições da CBF. Isso fez parte das conversas entre diretores jurídicos dos times em reunião na quarta-feira.

Esse grupo surgiu quando os brasileiro começaram a conversar com a Liga Sul-Americana de clubes para discutir a Libertadores. A união com outros times do continente não deu certo, mas os cartolas nacionais criaram um fórum para discutir assuntos em comum. A intenção não é recriar o Clube dos 13: apenas levar à frente demandas das equipes sobre normas e legislação, além de pleitos na Conmebol.

Fazem parte das reuniões e discussões por rede social: Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Santos, Flamengo, Vasco, Fluminense, Botafogo, Cruzeiro, Atlético-MG, Grêmio e Inter. Os clubes já definiram os seus dois representantes indicados para o STJD, José Perdiz de Jesus e João Bosco Luz, o que antes era feito pela CBF.

A próxima pauta é mais delicada: querem discutir a destinação do dinheiro das multas do STJD. Os recursos arrecadados com as multas pagas pelos clubes vão para a CBF que banca os custos do funcionamento do tribunal.

Mas não há uma relação direta entre o dinheiro que entra e o usado para manutenção da corte esportiva. Por isso, os times querem saber qual a destinação da verba. O blog não conseguiu obter o total de valores envolvidos: não está discriminado no balanço da confederação.

Uma segunda pauta é em relação ao Regulamento Geral de Competições da CBF que estabelece todas as diretrizes para os campeonatos da entidade. Atualmente, os times podem dar sugestões para essas regras que são editadas anualmente pela confederação, no final do ano.

Mas os cartolas de clubes gostariam de poder sentar na mesa em conjunto para influir sobre o regulamento, pois assim entendem que teriam mais força. Há essa prerrogativa, por exemplo, em relação ao regulamento do Brasileiro da Série A. Um exemplo da importância dessas regras é que tratam de intervalos de jogos, restrições a propagandas em estádios, procedimentos de seguranças.

A ideia dos clubes é fechar uma posição em relação a esses dois temas e depois levá-los para a CBF.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>