Blog do Rodrigo Mattos

Arquivo : Corinthians

Com novos acordos, Fla e Corinthians dobram valor ganho com placas em 2019
Comentários Comente

rodrigomattos

Os novos acordos do Flamengo e Corinthians para placas publicitárias no Brasileiro dobram o valor ganho pelos dois times a partir de 2019. Cada um dos dois clubes fechou com a Sportpromotion por R$ 12 milhões de garantia mínima pelas placas em volta do campo em seus jogos, enquanto recebiam apenas R$ 6 milhões da Globo pelas mesmas propriedades em 2018. Ainda vão ganhar mais do que o dobro do que outros times se estes assinarem de fato com a BR Foot.

Os termos dos acordos de Flamengo e Corinthians com a Sportpromotion foram revelados primeiro pela “ESPN”. Pelos contratos, os clubes recebem pelo menos R$ 12 milhões pelas placas, e depois 65% do que exceder esse valor. Os compromissos são válidos por quatro anos.

No caso do Flamengo, foi feita uma concorrência com empresas: a Sportpromotion foi vencedora também pela forma de modelo proposto. A empresa faz a procura por interessados e tem que respeitar duas premissas: primeiro tem que oferecer os espaços para os parceiros da Globo, o que está previsto por contrato com a emissora.

Na sequência, o clubes rubro-negro pretende que se priorize seus patrocinadores. Então, por exemplo, concorrentes de seus parceiros podem ser barrados, como uma empresa de energéticos diferente da da Carabao. Todos os contratos de patrocínio serão assinados com o próprio clube e não com a Sportpromotion. E o valor de R$ 12 milhões é líquido.

Pelo acordo atual com a Globo, a empresa dá a garantia mínima de R$ 6 milhões, mas só vendeu R$ 3,5 milhões em 2018. Ou seja, o clube ficou neste patamar mínimo. E a emissora tinha total controle sobre a comercialização dos espaços publicitários. Os acordos do Corinthians com a Globo eram similares ao do que clube rubro-negro por um acordo com a emissora.

O acordo feito pelos outros 18 clubes com a BR Foot dá a cada um R$ 5,5 milhões. Mas desse valor é descontada a comissão de 10% da CBF que portanto reduz em R$ 500 mil. Além disso, há um desconto de R$ 1,7 milhão para logística do campeonato. A diretoria do Flamengo entende que pode fazer parcerias e reduzir consideravelmente este custo ou até anula-lo.

 


Clubes rejeitam limite a elenco e culpam CBF por time misto no Brasileiro
Comentários Comente

rodrigomattos

O plano da CBF para induzir os clubes a usarem titulares no Brasileiro não foi bem recebido por boa parte dos times que tem poupado suas equipes no campeonato. A diretoria da confederação pensa em criar limite de jogadores inscritos na competição para evitar reservas, como revelou o blog do Marcel Rizzo. Dirigentes de clubes, no entanto, rejeitam a ideia e culpam o calendário feito pela CBF pela escalação de times mistos no Nacional.

Com a extensão de Libertadores e Sul-Americana no ano inteiro, os clubes que disputam três competições têm poupado jogadores no Brasileiro desde 2017. Isso se deve a um calendário apertado com excesso de jogos importantes já que não há redução dos Estaduais. A diretoria da CBF tem se incomodado com a principal competição ser deixada de lado.

A restrição de uso de jogadores inscritos é utilizada em campeonatos pelo mundo, entre eles a Libertadores e a Liga dos Campeões além de algumas ligas nacionais europeias. No Brasil, precisaria passar pelo Conselho Técnico da Série A composto pelos clubes para ser aprovada.

Entre os clubes que mais têm sofrido com o calendário, a medida é rejeitada. “Sou contra. Não sou eu quem faz o calendário que obriga a poupar. Se levar para votação, vou me posicionar contra”, afirmou o presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Jr.

Seu time tem poupado sistematicamente no Brasileiro para privilegiar a Copa do Brasil e a Libertadores. A estratégia é sempre priorizar a competição em que o time pode ser eliminado no próximo jogo.

“Estendeu-se a Libertadores pelo ano inteiro e fica essa superposição. Às vezes, o time pode estar disputando simultâneo pre-Libertadores ou Copa do Brasil e Estaduais. Depois, é Libertadores, Copa do Brasil e Brasileiro”, analisou o presidente gremista. “Isso implica em ter elencos maiores. Tem que ter elenco para atender à qualidade que a torcida espera. É a racionalidade.”

Mesmo tom de discurso foi adotado pelo presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, cujo time também disputa as três competições. “Sou contra isso totalmente. Eles (CBF) que melhorem o calendário”, disse ele, que entende que a CBF joga para cima dos clubes um problema criado pela própria entidade. “Lógico, isso eles têm que ver na Conmebol, a Libertadores o ano todo, mais Copa do Brasil, mais Brasileiro. Quem se destaca é prejudicado”.

Outro que aponta o problema do calendário é o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, que é mais uma equipe que joga as três competições ao mesmo tempo. “Sou contra (a restrição a elenco). Se o calendário fosse mais racional, nenhum clube teria necessidade de escalar times alternativos no Brasileirão”, definiu.

O calendário da CBF para o próximo ano não vai mudar muito o cenário em relação a 2018. Em linhas gerais, serão mantidos os Estaduais com 18 datas, Brasileiro espremido antes e depois da Copa América, e uma pré-temporada reduzida. A vantagem é que a Copa América é menor do que a Copa do Mundo da Rússia, com três semanas contra cinco.


Clubes e CBF racham sobre venda de direitos internacionais do Brasileiro
Comentários Comente

rodrigomattos

Os clubes racharam na negociação por direitos internacionais do Brasileiro. De um lado, 11 times já assinaram um acordo com a empresa BR para venda das propriedades com o apoio da CBF. Do outro, agremiações como Flamengo, Corinthians, Atlético-PR, Bahia e Cruzeiro querem mais tempo para analisar outra proposta superior de um fundo antes de referendar um negócio. Uma reunião em Brasília tratou da questão e há contrariedade de parte dos clubes.

Antes da Copa, a CBF se propôs a intermediar a negociação de direitos internacionais e placas do Brasileiro já que a Globo não adquiriu essas propriedades. Houve uma concorrência e uma comissão de clubes juntamente com a confederação aceitou uma proposta do grupo BR Foot, que faz parte de um grupo com o Riza Capital. Eram R$ 550 milhões por quatro anos de contrato.

As negociações já estavam nos trâmites contratuais com finalização dos documentos para assinatura. Mas, durante o processo, uma proposta de um fundo inglês chegou por meio de um clube e já foi oficializada para a CBF. A proposta é de US$ 220 milhões (R$ 815 milhões), mas tem um formato diferente da primeira. Esse é o valor que pode ser atingindo, dependendo de condições, e seria como luvas descontado dos valores obtidos na revenda. Além disso, outros grupos acenaram com fazer ofertas pela propriedade.

Diante disso, os clubes se reuniram em Brasília nesta terça-feira para discutir a questão. Um grupo composto por Corinthians, Flamengo, Bahia e Cruzeiro votou para que não houvesse uma assinatura agora e se estudasse melhor a questão. Na reunião, estava o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, que informou que outros 11 times já tinham assinado o contrato.

“Confere, não assino tendo proposta melhor”, afirmou o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez sobre a informação.

O vice-presidente executivo do Cruzeiro, Marco Antônio Lage, que conduz as negociações, disse que, de fato, a primeira proposta estava já aprovada, mas que os clubes têm que analisar um possível ganho ecômico maior. A questão é saber se o novo fundo vai dar garantias de pagamento como fez o anterior, pois seu valor oferecido é bem superior. Representaria R$ 10 milhões por ano para cada clube se dividido igualitariamente.

“O que ficou definido é que faremos uma avaliação dessa proposta. Procurar o interessado para que ele oficialize”, disse ele. “Não tem problema quem assinou porque no final vai assinar todo mundo. O formato de revenda internacional é com participação dos clubes, mas temos que analisar o aspecto econômico.”

Há uma outra questão que tem gerado contrariedade em alguns clubes. Dois dirigentes dizem que a CBF levaria comissão no contrato da BR Foot em um percentual de 10%, isto é, ficaria com R$ 55 milhões. Por isso, veem pressão da entidade para assinatura do novo contrato. Questionada sobre o assunto, a confederação não respondeu sobre esse tema.

Dentro da confederação, extraoficialmente, há uma posição de que foram os próprios clubes que aprovaram a proposta da BR Foot. Nesta versão, a entidade não fez pressão por um acordo porque até preferia que uma das grandes empresas de marketing esportivo mundial como a IMG comercializasse o campeonato por uma maior difusão. A CBF já recebeu a nova proposta, mas caberá aos clubes analisá-la mais ao fundo.

 


Nova proposta por direitos internacionais do Brasileiro balança clubes
Comentários Comente

rodrigomattos

Uma nova proposta de um fundo inglês pelos direitos internacionais do Brasileiro a partir de 2019 leva os clubes a repensarem o acordo com um grupo nacional que ainda não foi assinado. A nova oferta é de um valor garantido de US$ 220 milhões (R$ 815 milhões), superior aos R$ 110 milhões aceitos anteriormente do banco Riza Capital por quatro anos. Dirigentes de clubes marcaram nova reunião para discutir o caso pois a segunda proposta já foi enviada à CBF.

Com os novos contratos do Brasileiro para 2019, a Globo não comprou os direitos internacionais, nem de placas em volta do campo. Isso deixou em aberto esses direitos e a CBF se ofereceu para negociar em nome dos clubes.

Houve uma concorrência e apresentação de propostas. A melhor delas até então foi do banco de investimentos Riza Capital, que tem entre seus investidores Alexandre Grendene, Patrícia Coelho e Cesar Rocha. A oferta foi de R$ 550 milhões por ambos os direitos, sendo R$ 440 milhões pelas placas e R$ 110 milhões pelos direitos internacionais.

A comissão de clubes aceitou a oferta e o contrato estava pronto para ser assinado. Durante a Copa, no entanto, surgiu uma nova proposta de um fundo inglês cujo nome não foi revelado que a apresentou por meio de um dos clubes. Inicialmente, era uma oferta informal, mas esta foi formalizada nesta semana.

Estão na mesa US$ 220 milhões. Mas esse dinheiro seria como luvas que seriam pagas aos clubes. Enquanto isso, todas as vendas de direitos internacionais ficariam com o fundo até que se atingisse esse valor. A partir daí, os clubes e o fundo passariam a dividir o dinheiro meio a meio.

No caso do Riza Capital, o contrato seria de quatro anos com R$ 110 milhões garantidos pelos direitos internacionais. Clubes e o grupo atuariam de forma conjunta para a venda dessas propriedades.

Foi marcada uma reunião para terça-feira em Brasília com os clubes que fazem parte da comissão para discutir a nova proposta. Entre os times, estão Flamengo, Corinthians, Cruzeiro, Atlético-PR e Coritiba. Também se analisará a possibilidade de criação de uma associação dos clubes para revender os direitos em vez de a CBF atuar como intermediadora.

“Já tinha sido encaminhado o acerto com esse fundo (Riza Capital) então existe uma discussão que os clubes vão ter sobre o timing dessa proposta. Temos que ver quanto teremos de tempo para analisar a nova proposta (do fundo inglês) porque a outra estava para ser assinada”, contou o vice-presidente executivo do Cruzeiro, Marco Antônio Lage, que é parte da comissão.  “Economicamente, existe uma vantagem. Clubes têm que ver se abrem nova negociação.”

Lage ainda ressaltou que entende como importante que os clubes tenham participação na negociação dos direitos internacionais do Brasileiro que são uma propriedade pouco trabalhada no exterior. Quer a valorização desta marca. “Temos que desenvolver um projeto para tornar o produto mais conhecido.”

Para o dirigente do Cruzeiro, a negociação pode se dar por meio da CBF, sem necessidade da criação de uma associação de clubes. Questionada, a confederação não informou se já recebeu, de fato, uma nova proposta.

Há ainda uma demanda de alguns clubes de que a Globo abra mão dos direitos que tem no exterior para o seu canal internacional. É improvável, no entanto, que este pedido seja atendido visto que a emissora tem contratos que lhe garantem isso.

Em relação às placas, é possível que exista uma nova proposta também pelos direitos de placas. Flamengo e Corinthians já se retiraram do acordo relacionado às placas por entenderem que é mais vantajoso negociarem individualmente essas propriedades.


VAR estreia em versão reduzida no Brasil e precisa baratear para expandir
Comentários Comente

rodrigomattos

Após dois anos do início do projeto do árbitro de vídeo, a CBF vai estrear a tecnologia na Copa do Brasil em uma versão reduzida, um pouco diferente da que se viu na Copa do Mundo. A questão é financeira, e o projeto se inicia com o desafio de cortar custos e acertar a operação para emplacar o mecanismo em larga escala no país. De início, haverá VAR em 14 partidas na competição de mata-mata, sendo as duas primeiras Grêmio x Flamengo e Corinthians x Chapecoense.  Enquanto isso, o Brasileiro-2019 ainda tem uso da tecnologia incerto, dependendo dos valores e da disposição dos clubes de pagarem por isso.

Na Copa do Brasil, o custo do VAR será de R$ 50 mil por jogo, mesmo valor oferecido aos clubes em proposta para o Brasileiro-2018. Assim, a CBF gastará apenas R$ 700 mil com os 14 jogos, pagos para a empresa Broadcast, que fornecia serviços para a TV Globo como produtora de imagens.

Ela foi escolhida por meio de uma concorrência, mas não foi a que apresentou o menor preço entre as dez companhias que disputaram o serviço. A diretoria da confederação entendeu que era preciso contratar aquela que tivesse a maior capacidade técnica na sua avaliação, pois não poderiam ocorrer erros graves sob o risco de comprometer o projeto.

“O objetivo principal é mitigar riscos, porque previne os erros mais graves do futebol brasileiro. Não é tolerável um erro grave, por isso estamos investindo nesta ferramenta”, afirmou o diretor de VAR da CBF, Ricardo Bretas.

Para o Brasileiro-2019, Bretas vai montar projetos com preços diferentes para tentar convencer os clubes a investir no VAR, até porque, novamente, a CBF não vai aceitar bancar a implantação do mecanismo. A ideia é apresentar projetos mais baratos com concorrência com outras operadoras.

Há questões operacionais que também serão examinadas, na prática, a partir de agora na Copa do Brasil. Para o torcedor que se acostumou com o recurso durante a Copa do Mundo, a versão nacional do VAR será um pouco diferente. Instruções básicas têm de ser iguais às aplicadas pela Fifa na Copa por conta do protocolo internacional, mas alguns detalhes não se repetirão. Veja ponto a ponto como funcionará o árbitro de vídeo no Brasil:

Quando será aplicado

O VAR será para lances capitais de gol, como impedimento, marcação de pênaltis, cartões vermelhos (incluindo ofensas) e identidade equivocada de um jogador que cometeu ato para expulsão. A tecnologia só será usada após o árbitro de campo ter tomado uma decisão. Pelo protocolo, só pode ser utilizado para erros claros, não para lances interpretativos.

Como será o procedimento

A consulta ao VAR pode ser feita de forma silenciosa pelo árbitro de vídeo que manda seguir se não houver irregularidade. Caso o árbitro de vídeo veja um problema, pode indicar a revisão da decisão do juiz de campo que também pode pedir para ver o lance. Neste caso, a revisão será feita em uma tela ao lado do campo, e o árbitro sinalizará para os torcedores. A revisão só pode ser feita se o jogo não tiver sido reiniciado.

Tempo de paralisação

A CBF instruiu seus árbitros a tomar o tempo necessário para fazer a revisão do lance, sendo mais importante acertar do que a demora para ter uma palavra final. Na Copa da Rússia-2018, a Fifa indicou que houve pouco tempo perdido com paralisações. A comissão de arbitragem da CBF estima paradas em 50 segundos e 1 minuto, mas admite que a paralisação pode se estender por mais tempo.

Quais imagens serão utilizadas

Cada jogo terá entre 14 e 16 câmeras disponíveis com imagens captadas pela TV Globo e pela Fox Sports. Pelo protocolo, as imagens têm que ser as mesmas vistas pelos torcedores e as emissoras não podem ter imagens que não sejam mostradas à confederação. A comissão de arbitragem da CBF orientou os juízes de VAR a olhar o máximo de ângulos possíveis, e não se fixar apenas na primeira percepção de uma câmera.

Gravação do VAR

Todas as ações e comunicações na sala do VAR serão gravadas pela CBF. Esse material será usado no caso de ataques a integridade da competição ou para educar árbitros. Mas o material não será disponibilizado para clubes que se sintam prejudicados por decisões do árbitro a não ser em casos excepcionais.

 

 


Após Carille, Liga da Arábia Saudita paga dívida com Fla e mira atletas
Comentários Comente

rodrigomattos

O mercado brasileiro viu três negociação que aparentemente são aleatórias, mas que, na verdade, fazem parte de um mesmo movimento. O Corinthians perdeu seu técnico Fábio Carille, o Flamengo recebeu o valor de uma dívida após quatro anos de calote e o atleticano Otero foi contratado. Tudo isso faz parte de uma reestruturação do futebol da Arábia Saudita com o objetivo de virar uma potência no esporte, financeiramente e politicamente.

O futebol saudita tinha vários clubes com problemas financeiros, endividados, e por isso punidos pela Fifa. Por exemplo, o Al Nassr, que devia ao Flamengo, já estava fora da Champions da Ásia e com decisão de perda de pontos pendente que levaria ao rebaixamento. O Al Wehda também estava punido.

O príncipe Mohammed Bin Salman decidiu por uma reestruturação do futebol local com o objetivo de virar uma força política dentro do esporte e da Fifa, como mostrou o “New York Times”. Já houve um encontro com o presidente da Fifa, Gianni Infantino, e uma articulação para formação de um grupo de países na Ásia dentro da Fifa.

Ao mesmo tempo, há uma possibilidade de entrar na Copa do Qatar-2022 caso o Mundial aumente de tamanho para 48 times. Em paralelo, há dinheiro da Arábia Saudita, junto ao japonês, na proposta de US$ 25 bilhões por um novo Mundial de Clubes e da Liga das Nações.

Localmente, o príncipe estabeleceu uma intervenção na liga nacional para resgatar clubes. Foi criado um fundo para cobrir todas as dívidas dos times. A informação é de que há dinheiro para cobrir 70% de todos os débitos.

Por isso, o Al Nassr procurou o Flamengo para pagar a dívida após quatro protelando. O dinheiro veio do fundo e foi negociado um acordo com pequeno desconto, com o clube carioca recebendo 5 milhões de euros líquido. Faltam apenas trâmites do Banco Central para o dinheiro entrar. Com o pagamento, o Al Nassr, um dos times sauditas mais populares, vai poder voltar à Champions League local.

No caso do Al Wedha, também houve injeção de dinheiro para dívida e para contratações. Por isso, o time levou Fábio Carille e agora fechou a contratação de Otero. Lembre-se que Carille, ao ser contratado, falou que havia um projeto grande da liga local. E, antes, outro time saudita quase o contratou.

Agentes brasileiros já foram procurados para identificarem outros atletas que possam ir para o país. A princípio, a procura é por jogadores de renome, tarimbados, que deem prestígio à liga saudita, não jovens jogadores como fazem os europeus.

A primeira parte do projeto saudita é pagar os débitos para limpar os nomes dos clubes e os devolverem as competições internacionais. Ainda é difícil saber qual o tamanho do investimento, e se vai se assemelhar ao chinês. Certo é que o príncipe decidiu botar a Arábia Saudita no mapa do futebol do novo para alavancar seus projetos relacionados à Fifa.


Globo faz rotação e reduz Corinthians e Flamengo na TV aberta no Brasileiro
Comentários Comente

rodrigomattos

A Globo decidiu reduzir as presenças de Corinthians e Flamengo na TV aberta no Brasileiro-2018, e estabeleceu uma maior rotação entre os times em sua tela. Há dois objetivos: turbinar a presença dos dois clubes no pay-per-view e incrementar receitas; além de estabelecer um maior equilíbrio entre as equipes na exibição pública. Essa política será mantida em todo o Nacional.

Pela tabela do Brasileiro, serão oito jogos de Flamengo e Corinthians na TV aberta em um total de 24 partidas dessas 12 rodadas iniciais. Ou seja, apenas um terço das partidas dos dois clubes (33%), quatro de cada um, passará na Globo nesta primeira parte do Nacional.

Em comparação, o Brasileiro-2017 teve nove partidas de Flamengo e Corinthians na TV aberta nas 10 primeiras rodadas. No total, foram 45% dos jogos na Globo, sendo seis do Corinthians e três do Flamengo. O número de jogos rubro-negros é similar (33% contra 30%), mas isso será compensado durante o restante do Nacional.

A mudança na estratégia global tem como meta uma maior diversidade entre plataformas neste ano. Isso porque rubro-negros e corintianos já têm seus times bastante exibidos em TV aberta na Libertadores.

No Nacional, a ideia é apostar no pay-per-view, inclusive botando os dois times em horários alternativos. Dados apontam que não é apenas o tamanho da torcida que influencia o público a comprar pacotes de pay-per-view: tem de haver muitos jogos exclusivos do seu time neste projeto. Com mais partidas exclusivas, corintianos e rubro-negros tendem a comprar mais esse produto.

Sob o ponto de vista dos clubes, Flamengo e Corinthians passarão a ter a maior parte de sua receita de TV do Brasileiro-2019 atrelado ao pay-per-view. Essa renda vai variar de acordo com o número de adesões de torcedores que se declarem de seus times, o que aumenta seus ganhos. Ao mesmo tempo, deve haver alguma perda no percentual relacionado à exibição em TV Aberta, embora seja um valor menor.

Além disso, há a intenção de atender demandas de outros times como Palmeiras e Santos, cujas torcidas sempre reclamaram de aparecer pouco na TV. No caso palmeirense, há outro fator: o alto investimento tornou o time alviverde mais relevante no cenário nacional e portanto atrativo para torcidas além da sua.

Outra ideia é que o Brasileiro seja um campeonato de interesse pleno para os torcedores, isto é, além dos jogos só do time específico do telespectador. Assim, o objetivo é estimular o torcedor a acompanhar equipes que disputam posição com a sua, ou rivais que interessem.

Ainda não é possível fazer uma avaliação da nova estratégia da Globo sob o ponto de vista de impacto de audiência na TV aberta e receita do pay-per-view. O sistema pago está sob questionamento para 2019 porque clubes como Palmeiras, Atlético-PR, Coritiba e Bahia ainda não assinaram o seu contrato. É um produto prioritário dentro da emissora.

 


Brasileiro já tem série de times mistos com impacto na briga na frente
Comentários Comente

rodrigomattos

O calendário com excesso de jogos já leva alguns clubes a usar times mistos ainda no início do Brasileiro. Isso causa impacto na briga com a liderança do Brasileiro. É um cenário similar ao do ano passado, mas que, desta vez, começou cedo.

Na rodada do final de semana, o Cruzeiro enfrentou o Atlético-MG no clássico com uma formação reserva, de olho na última rodada da primeira fase da Libertadores. Foi derrotado e viu o rival mineiro se apoderar da ponta.

Enquanto isso, Corinthians e Grêmio jogaram com times mistos em suas partidas também por conta de compromissos pela competição sul-americana. Tinham alguns titulares. Ambos apenas empataram diante de Sport e Paraná.

Foi a segunda vez que os gremistas não tiveram a formação principal em seis jogos e estão em 8o no Nacional. Corintianos também já tinham atuado sem a força principal diante do Ceará e perderam pontos naquele jogo.

Ao mesmo tempo, o Flamengo teve seus titulares no clássico contra o Vasco. Mas tinha poupado boa parte do time na derrota para a Chapecoense quando deixou adversários se aproximarem da ponta, perdida agora nesta 6a rodada. Segurou o time principal justamente pelo jogo decisivo diante do Emelec, embora tivesse atletas como Diego e Guerrero em campo.

O Palmeiras não chegou a escalar reservas no Nacional: rodou alguns jogadores na partida contra a Chapecoense. Líder, o Atlético-MG preferiu escalar reservas na Copa Sul-Americana, quando foi eliminado pelo San Lorenzo.

Todos esses movimentos dos clubes têm relação com um calendário bastante apertado feito pela CBF. Por conta de Estaduais de três a quatro meses, serão 12 rodadas do Brasileiro espremidas até Copa: haverá jogos até às vésperas do Mundial na Rússia. Em paralelo, ocorrem a primeira fase da Libertadores e as oitavas da Copa do Brasil que tornam o cronograma ainda mais embolado.


Corinthians e Fla não aceitam cota igual e venderão placas separadamente
Comentários Comente

rodrigomattos

Flamengo e Corinthians decidiram ficar de fora do grupo de 18 clubes que aceitou uma proposta pelo pacote das placas publicitárias do Brasileiro-2019 porque entendem que podem ganhar mais negociando individualmente. Ambos não aceitaram receber cotas iguais às outras equipes. A proposta para outros clubes só depende de detalhes contratuais para ser assinada.

A princípio, a proposta pelo pacote de placas do Brasileiro não muda apesar de perder 20% das partidas sem Flamengo e Corinthians. Ou seja, os outros times poderão dividir em torno de R$ 137 milhões por ano, oferecido pelo grupo de investidores organizado pelo banco Riza Capital. O time carioca e paulista aceitaram participar da venda conjunta de direitos internacionais, que todos os clubes assinaram.

A diretoria do Corinthians decidiu ficar de fora da negociação das placas porque pretende incluir os ativos como mais uma propriedade da sua arena, que precisa ter aumento de receita. Então, por exemplo, a venda de naming rights poderia ser acrescida de placas, ou de um acerto com um patrocinador do clube. Enfim, haverá flexibilidade para aumentar a receita.

A diretoria corintiana precisa aumentar a receita da arena para cobrir um pagamento mensal de R$ 6 milhões pelo empréstimo do BNDES. Atualmente, as rendas de bilheteria não são suficientes para fechar essa conta.

Já o Flamengo não quis aceitar a divisão igualitária dos valores das placas. O entendimento da diretoria rubro-negra é que sua marca tem maior valor e por isso deveria receber mais.

Como já acertou um contrato longo com o Maracanã, que ainda precisa de aval definitivo, o clube poderá explorar esse ativo dentro do estádio. Há inclusive um acordo com uma empresa de marketing para vender outras propriedades da arena como propaganda em telões. Assim, o Maracanã se torna mais rentável para o clube rubro-negro.

Ambos os clubes entendem que, desta forma, podem ganhar um valor superior aos R$ 7 milhões que seriam destinados a cada clube por ano.

Tradicionalmente, as placas em volta do campo no Brasileiro eram negociadas pela Globo que pagava um montante único aos clubes. Para o contrato de 2019, essa propriedade ficou do lado de fora. Em conjunto com os clubes, a CBF criou uma concorrência com agências de marketing para negociar as propriedades. Uma comissão de times definiu a melhor proposta entre agências concorrentes.

Segundo envolvidos na negociação, contratos de transmissão com a Globo preveem que a emissora continuará a exibir as placas como faz atualmente. Essa é uma pre-condição para o acordo com os 18 clubes.


Clubes negociam placas e direitos no exterior do Brasileiro por R$ 137 mi
Comentários Comente

rodrigomattos

Com Pedro Ivo Almeida

Os clubes aceitaram a proposta de um grupo de investidores pelos direitos de placas no país e internacionais do Brasileiro por R$ 137 milhões por ano. Houve uma concorrência conduzida pela CBF e esta foi a maior oferta avaliada pelos times e pela entidade, faltando acertar detalhes contratuais. Flamengo e Corinthians estão fora do acordo das placas. Tudo terá divisão igualitária dos recursos.

A notícia foi veiculada primeiro pela “Veja” e confirmada pelo UOL. Houve uma concorrência que reuniu várias agências. Pela avaliação, foi vencedora a proposta do grupo de investidores coordenado pelo banco de investimentos Riza Capital. Entre os investidores, estão Patricia Coelho, Cesar Rocha (ex-presidente do STJD) e Alexandre Grendene. Sua proposta foi de R$ 550 milhões por quatro anos de contrato, o que dá R$ 137,5 milhões por temporada.

O pacote envolve todos os direitos do Brasileiro no exterior e as placas de 18 times no território nacional. Só ficaram de fora das negociações de placas o Flamengo e o Corinthians, que, no entanto, estão incluídos no acordo internacional. Os dois clubes negociarão em separado as placas de seus jogos em casa.

“O mais importante é que, além de ser a melhor proposta, a empresa está disposta a atuar junto com os clubes na promoção do futebol brasileiro no exterior com a venda dos direitos. Os clubes querem participar”, afirmou o vice-presidente executivo do Cruzeiro, Marco Antonio Lage, um dos que participou da comissão de clubes que negociou o contrato.

“Não vai haver reversão porque essa foi a melhor proposta. Só falta acertar detalhes”, explicou Lage. Outros clubes confirmaram o acordo, ainda sem assinatura de contrato. Houve outras propostas de empresas como a IMG que participaram da concorrência.

O dinheiro será dividido igualmente entre todos os 20 clubes da Série A. Isso significa que cada um ficará com um valor pouco menor do que R$ 7 milhões por ano. Historicamente, os clubes arrecadam pouco com direitos internacionais do Brasileiro.

As placas, no entanto, são um ativo valioso que antes era comercializado pela Globo que o adquiria em contratos separados dos clubes. Para o ano de 2019, a emissora abriu mão de atuar neste mercado