Blog do Rodrigo Mattos

Arquivo : Cruzeiro

Pragmático, Cruzeiro é o campeão da Copa do Brasil porque erra pouco
Comentários Comente

rodrigomattos

O Cruzeiro construído por Mano Menezes é um time que tem obsessão por reduzir seus erros em campo. E, de fato, falha pouquíssimo defensivamente e se aproveita das falhas do adversário. E assim foi que bateu o Flamengo, nos pênaltis, e ganhou seu quinto título da Copa do Brasil.

Na reta final da campanha, bateu Flamengo, Grêmio e Palmeiras. Em todos os mata-matas, fez confrontos bem equilibrados contra essas equipes que, teoricamente, são superiores tecnicamente. Só que o time cruzeirense erra muito menos do que elas.

A decisão entre os times carioca e mineiro foi um retrato desse pragmatismo cruzeirense. No Maracanã, jogou recuado, se aproveitou da insegurança do goleiro rubro-negro e conseguiu um empate, embora fosse pressionado boa parte do tempo.

Em casa, no Mineirão, o técnico Mano Menezes indicou no início do jogo que seu time seria mais ofensivo com marcação mais à frente. Mas, iniciado o jogo, o Flamengo tinha a bola. Só que não tinha espaços na defesa cruzeirense.

Quando Raniel saiu, contundido, o Cruzeiro passou a jogar sem centroavante e achava espaços nas linhas de zaga e de volantes do Flamengo. Ameaçou diante de um time rubro-negrao dispersivo nos lances atrás, embora tenha faltado acertar as jogadas na área para fazer o gol. O time rubro-negro se achou e acertou a marcação, em um primeiro tempo equilibrado.

A volta do intervalo teve um Cruzeiro mais presente na frente, diante de um Flamengo que marcava melhor. Esperava um erro do rival. E quase aconteceu quando Muralha deu a bola na cabeça do Arrascaeta, que mandou para fora.

O time carioca apostava na qualidade de seus jogadores. Mas Diego não aparecia em campo, assim como Berrío. Só Guerrero batalhava na frente e quase conseguiu o gol em duas vezes, em uma falta na trave e no chute para bela defesa de Fábio. Um pequeno espaço que o time rubro-negro teve para seu ataque.

E a disputa ia para os pênaltis. Ali, o Cruzeiro teria vantagem com um goleiro mais seguro Fábio do que Muralha. Nas penalidades, o goleiro rubro-negro saltou todas as bolas para o mesmo lado por estratégia, segundo disse em entrevista à TV Globo. Não costuma dar certo para goleiro, e não deu.

Do outro lado, Fábio, que já tinha ido bem na disputa com Grêmio, voltou a brilhar. Sua defesa no pênalti de Diego foi brilhante, esticando a mão após já ter ultrapassado a sua linha. A cobrança do time rubro-negro foi à meia altura, mas não foi ruim. A defesa revela muito mérito do goleiro.

Um retrato do Cruzeiro mais preciso que ganhou essa Copa do Brasil com méritos dos pouco erram. Um pentacampeonato justo para o time mineiro.


Procuradoria do STJD analisa confusão em final e deve denunciar Fla
Comentários Comente

rodrigomattos

A procuradoria do STJD vai analisar as confusões ocorridas na final da Copa do Brasil no Maracanã e deve denunciar o Flamengo. Caso isso se confirme, o clube pode perder mandos de campos. Haverá uma conclusão da análise até a semana que vem.

Durante o jogo, houve invasão do estádio por torcedores sem ingresso e outros rubro-negros saltaram do setor Leste para o Norte. Neste momento, houve confronto com seguranças e com policiais militares, e foi danificada parte da divisória do Maracanã.

O procurador do STJD Felipe Bevilacqua confirmou que o Flamengo pode ser enquadrado nos artigos 211 e 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva. O primeiro artigo é deixar de manter infraestrutura necessária para a segurança, e o segundo deixar de tomar providências neste sentido. A punição pelo primeiro é até interdição do estádio, e do segundo é perda de um a dez de mandos de campo.

Quem está responsável pela análise é o subprocurador Gustavo Silveira. A previsão é de que seja concluída sua verificação de imagens até o meio da próxima semana quando poderá ser feita denúncia.

Houve ainda confusões do lado de fora do Maracanã com brigas envolvendo torcidas organizadas do Fla, e também torcedores do Cruzeiro. Mas esse tipo de incidente não entra na análise da procuradoria do STJD visto que é fora das instalações.


Finalistas, Fla e Cruzeiro perdem milhões em estádios por ‘legado da Copa’
Comentários Comente

rodrigomattos

Finalistas da Copa do Brasil, Flamengo e Cruzeiro perdem milhões no uso dos estádios Maracanã e Mineirão por conta do legado da Copa-2014. Ambos os clubes convivem com condições e taxas que lhes tiram mais da metade de suas rendas, retidas por estádios caros e com gestores com quem têm disputas. E isso se repetirá nas duas decisões, nos dias 7 e 27 de setembro.

No caso do Flamengo, o novo acordo com a Odebrecht prevê uma retenção de 20% da renda para a Odebrecht a título de aluguel, fora as altas despesas do estádio. No caso do Cruzeiro, 25% da renda serão retidos por disputa judicial com a Minas Arena.

Basta ver os borderôs das semifinais para constatar o tamanho dos prejuízos dos clubes. O Flamengo ficou com 37% do total da bilheteria. Já o Cruzeiro teve uma sobra um pouco maior: 40% do total, isto é, R$ 707 mil dos R$ 1,7 milhão arrecadado. Para o número cruzeirense, foram incluídos os valores arrecadados com ingressos dos sócios-torcedores.

“Temos uma discussão judicial e também uma tentativa de negociação (com a Minas Arena). Assim, o dinheiro está sendo depositado judicialmente. A receita é mais alta, retém mais”, contou o diretor comercial do Cruzeiro, Róbson Pires. Foram retidos R$ 482 mil da semi. No ano, já foram retidos R$ 3,4 milhões.

Isso fora os custos de operação do estádio, caro após as reformas para a Copa. “É um estádio grande (Mineirão) e os custos são compatíveis com isso. Quando temos jogos menores, abrimos menos setores para reduzir o custo”, contou Pires, que não acha os gastos excessivos para o tamanho do Mineirão.

A relação do Flamengo com o Maracanã é ainda mais complicada neste ano de 2017. O presidente rubro-negro, Eduardo Bandeira de Mello, chegou a dizer que o clube estava sendo “espoliado” ao comentar os acertos para a Libertadores.

Considerados os jogos decisivos da Libertadores, Copa do Brasil e finais do Estadual, o Flamengo já deixou R$ 12,6 milhões em taxas nos jogos em 2017 – no caso da decisão do Carioca juntamente com o Fluminense. Essas taxas incluem desde a operação do jogo, aos aluguéis da Odebrecht até descontos de Federação do Rio de Janeiro, e outros.

Com a final da Copa do Brasil, é provável que esse número suba consideravelmente com a maior renda do ano. Por isso, o clube só se decidiu por usar o estádio em jogos grandes pensando na torcida, e de resto atuará na Ilha do Urubu.

Além da questão da Odebrecht, dirigentes rubro-negros reclamam que o Maracanã foi reformado sem se pensar no seu uso posterior por clubes, o que o torna muito caro. É uma realidade parecida com o Mineirão onde é complicado setorizar o estádio.

Uma vantagem do estádio mineiro é que não se perde tantas cadeiras quanto o carioca. O Cruzeiro estima ter 54 mil a 55 mil lugares na final, fora os assentos da Minas Arena. Enquanto isso, o Maracanã terá 67 mil lugares, mas com grande carga de gratuidade. A capacidade de 72 mil vista na Copa nunca mais foi atingida por falta de assentos e barreiras de segurança. Lembre-se que o Maracanã sempre foi maior do que o Mineirão.

 


Maracanã ‘menor’ e só para sócio reduz renda de final do Fla
Comentários Comente

rodrigomattos

Para a final da Copa do Brasil de 2017, diante do Cruzeiro, a diretoria do Flamengo vendeu menos ingressos e a preços menores só para sócio em relação à decisão do título de 2013. Com isso, deve ter uma renda menor do que naquela decisão. Há explicações para as mudanças: restrições de lugares no estádio, crise econômica do Rio de Janeiro, ser o primeiro jogo da decisão e o incentivo a associação.

Em 2013, diante do Atlético-PR, o Flamengo conseguiu uma renda total de R$ 9,7 milhões. Havia naquele jogo sócios-torcedores e sem associação. Nesta partida diante do Cruzeiro, só haverá membros do programa sócio-torcedor do clube já que os ingressos estão praticamente egotados.

A carga total será de 67.931 com um número de pagantes de 54.102 previstos. Na última final da Copa do Brasil no Maracanã, a carga total chegou a 71.101 com a utilização efetiva de 68.857. Excluídas as gratuidades, os pagantes foram 57.991. Ou seja, uma diferença de quase 4 mil ingressos vendidos.

Além disso, houve uma redução dos preços dos ingressos para sócios que compraram todos os bilhetes. Em relação aos não associados, os valores se mantiveram estáveis. Naquela final de 2013, o preço médio era R$ 141,00. Ainda será preciso fechar a conta dessa decisão para fazer uma comparação.

Naquela final diante do Atlético-PR, os sócios pagaram R$ 150,00 na Norte. Agora, o preço ficou entre R$ 80,00 e R$ 115,00 dependendo do plano. Na Sul, o valor foi de R$ 150,00 em 2013, e ficou entre R$ 100,00 e R$ 145,00 para esta decisão. E isso se repete nos setores Leste (inferior e superior), Oeste e Maracanã Mais.

Mas é preciso ressaltar que antes os sócios podiam acumular os descontos com meia-entrada de estudante, e agora isso não poderá ocorrer. Em 2013, 13 mil sócios pagaram apenas R$ 75,00 na Norte por conta do desconto acumulado. Além disso, ao reduzir os valores dos ingressos para sócios, a diretoria do Flamengo levou em conta a crise econômica do país e o fato de ser a primeira partida, e a não a decisiva.

E principalmente há uma política da diretoria do Flamengo de incentivar o programa de sócio-torcedor, e uma final como a Copa do Brasil é um momento propício para isso. Portanto, para os sócios, são estabelecidos preços mais baixos. Houve adesão em massa às vésperas da final da competição.

Obviamente, se o clube perde em bilheteria, ganha bastante com as mensalidades do programa de sócio. O orçamento prevê R$ 38,6 milhões de arrecadação com sócio-torcedor em 2017, R$ 11 milhões a mais do que 2016. Ou seja, compensa perdas de bilheteria se cumprir esse número.


CBF afrouxa regras financeiras para Brasileiro; Palmeiras terá gasto livre
Comentários Comente

rodrigomattos

A CBF reduziu ao mínimo as regras de seu sistema de licenciamento para disputar o Brasileiro-2018, retirando os itens para controle de gastos e de exigência de CND. Com isso, apenas os clubes dentro do Profut terão de seguir as restrições de despesas e folha salarial para não perder o benefício. Único grande fora do programa, o Palmeiras não terá de respeitar limites ou reduzir déficits, assim como Sport e Chapecoense entre os times da Série A.

A explicação da CBF é que o processo será gradativo com aumento de exigências financeiras, de infraestrutura (CT e estádio), ano a ano. Neste primeiro ano, a intenção é fazer um diagnóstico e mostrar aos clubes que o que falta, ninguém deixará de ganhar a licença.

O licenciamento de clubes é um sistema implantado no futebol da Ásia e da Europa para dar maior responsabilidade financeira às gestões. Na Uefa, por exemplo, é o maior obstáculo para o Paris Saint-Germain contratar Neymar já que não terá como pagar a multa dentro das regras.

A CBF tem sido obrigada a implantar o sistema por determinação da Conmebol e da Fifa. O processo se iniciou em 2016 e o regulamento valerá a partir de 2018. Todos os clubes serão obrigados a obter a licença para disputar o Brasileiro.

O blog teve acesso ao regulamento final da CBF para licenciamento e a sua versão inicial redigida no ano passado, e enviada para todos os clubes. A confederação retirou praticamente todos os artigos que previam controles de gastos e de déficit como previsto no Profut.

“Porque precisávamos nos adaptar ao (regulamento) da Conmebol que veio no segundo semestre (de 2016). Quando foi feito o primeiro, não tinha o regulamento da Conmebol”, explicou o diretor do departamento  registro da CBF, Reynaldo Buzzoni. Isso não impediria a CBF de fazer regra mais dura. “É uma questão gradativa. A gente vai aumentar as exigências.”

Segundo ele, os clubes não conseguiriam se adaptar no primeiro ano e ficariam muitos sem licença. E o objetivo da CBF não é impedir ninguém de jogar, mas orientar sobre o que está faltando.

No regulamento final, a CBF deixou apenas como obrigação apresentar contas e não ter dívida fiscal. O primeiro item já é previsto em lei. E, no segundo caso, só haverá problemas se houver decisão final da Justiça. Foi retirada a obrigação de CND.

“Essa questão da CND estamos lutando para ficar fora (da lei)”, comentou Buzzoni. “Imagine que multam o UOL por algum motivo e ele perde a CND. Vai ficar sem poder exercer sua atividade jornalística? Quem não tiver CND não pode exercer sua atividade?”

Sem obrigação de CND e das medidas previstas no Profut, isso significa que não haverá controle nenhum sobre os gastos para participar do Brasileiro como ocorre na Europa. A maioria dos clubes da Série A, no entanto, terá de seguir as regras se quiser ficar no Profut com suas dívidas financiadas.

Como decidiram não aderir ao programa, Palmeiras, Sport e Chapecoense não estarão submetido a essas regras. Poderão antecipar receitas, gastar com futebol acima de 80% e apresentar déficit de mais de 5% da receita. Ressalte-se que os clubes também não se beneficiaram das condições mais generosas para pagamento de dívida do Prout. E o Palmeiras teve superávit em 2016.

Buzzoni não vê como isso possa causar desequilíbrio no Brasileiro. “É uma questão de gestão. Chapecoense faz boa gestão e quase não tem dívida. Sport também (boa gestão), e preferiu não entrar. É uma questão de cada clube”, completou o diretor da CBF. “Palmeiras tem um patrocinador, mas tem boa gestão, com receita de bilheteria.”

A entidade está realizando uma fiscalização nas contas do clube, ainda não concluída. A ideia é fazer um diagnóstico esse ano. Outros itens estão sendo analisados como infraestrutura, estádios, CTs, departamento de futebol.

O texto inicial do regulamento de licenciamento da CBF tinha mais de 70 itens. Foi reduzido para 25 na nova versão. Ambos ainda têm anexos financeiros, jurídico e de infraestrutura com as condições gerais.

O blog apurou que houve forte oposição de alguns clubes contra a versão inicial do regulamento redigida pelo jurista Alvaro Mello Filho. Há ainda uma ação do sindicato dos clubes, comandado por Mustafá Contursi, para questionar a legalidade do Profut, principalmente em relação a controle de gastos.

Veja abaixo as diferenças entre as versões inicial e final da confederação para o regulamento:

Antecipação de receita

A primeira versão proibia a antecipação de receitas pelo clube, com exceção de 30% no primeiro mandato para redução de dívidas ou construção de patrimônio. Agora, não há mais nenhuma previsão neste sentido.

Controle de gastos do futebol

O primeiro texto do licenciamento previa que o clube não poderia ter despesa superior à receita bruta. Seu déficit não poderia ser superior a 5% ao ano. E as despesas com futebol não poderiam ultrapassar 80% do total das receitas. Todas essas medidas foram excluídas da versão definitiva do regulamento.

Pagamentos em dia a jogadores

A minuta inicial do regulamento previa que era essencial para obter a licença comprovar que estava com a remuneração em dia dos jogadores. Foi outro item excluído.

Dívida fiscal

Os clubes eram obrigados a apresentar a CND (Certidão Negativa de Débito) para comprovar que estavam em regularidade fiscal, no primeiro documento. Pelo texto final, o clube não pode ter dívida fiscal oriunda de processo transitado em julgado, sem possibilidade de recursos. Ou seja, enquanto os times discutirem débitos na Justiça, não serão punidos mesmo que estejam sem pagar e em débito com o fisco.

Orçamento dos clubes

Os clubes teriam de apresentar um orçamento equilibrado com relatórios de acompanhamento para verificar o previsto e o real, pelo documento inicial da CBF. No regulamento final, os times apenas têm que mostrar orçamentos para o ano da competição, fazendo ajustes quando necessários, e “eventualmente” entregar balancetes.


Brasileiro tem início com frente embolada e sem influência da tabela
Comentários Comente

rodrigomattos

O início do Brasileiro tem um início sem influência da tabela de mando de campos e com a posições na frente bem mais embolada do que nos anos recentes. Nessas três primeiras rodadas, o fator casa teve peso relativo já que boa parte dos times com mais pontos atuaram fora. E há oito times com mais de seis pontos, número acima do normal no campeonato.

Primeiro, é preciso ressaltar que a posição na terceira rodada em geral tem pouco significado para o resultado final do campeonato. Há times campeões que até figuravam nas quatro primeiras colocações neste estágio, mas em geral só se estabilizavam na disputa mais à frente no campeonato.

Para complicar qualquer análise, há oito times com mais de seis pontos ao final da terceira rodada, um cenário só visto em 2011. A Chapecoense ainda pode se somar ao grupo em jogo contra o Avaí, nesta segunda-feira. Em geral, esse número é bem menor prevalecendo empates que deixam equipes emboladas no meio, e não na frente.

Teoricamente, isso poderia levar a conclusão de que a tabela da CBF com dois jogos seguidos em casa para um time ajudou os times a somar mais pontos. Mas as duas equipes que estão na ponta, Corinthians e Cruzeiro, jogaram duas vezes fora. O mesmo ocorreu com Grêmio e Coritiba que têm seis pontos e vêm na sequência da classificação.

Entre os oito que somaram pelo menos seis pontos, São Paulo, Vasco e Botafogo atuaram duas vezes em casa. São cinco times, portanto, que atuaram mais fora.

O início dos favoritos ao Brasileiro é ruim, o que torna o cenário mais nebuloso. O Flamengo até somou cinco pontos em três jogos, sendo dois deles fora. Mas o Atlético-MG tem apenas dois pontos após jogar duas vezes no Independência, e o Palmeiras perdeu as duas como visitante.

O bloco de times que tem capacidade técnica de enfrenta-los – Fluminense, Corinthians, Grêmio, Cruzeiro e o São Paulo – mostra estar próximo no futebol que é capaz de desenvolver. Difícil portanto tirar conclusões sobre esse início do Nacional. Como nos outros anos, um quadro mais claro só será conhecido quando houve um quarto do campeonato disputado. Ainda assim, bem sujeito a reviravoltas.

 


Escândalo da JBS envolve seis conselheiros do Cruzeiro e afeta eleição
Comentários Comente

rodrigomattos

O escâdanlo político surgido com a delação do dono da JBS -que atinge o senador Aécio Neves (PSDB-MG) – envolve seis conselheiros do Cruzeiro e afetou a eleição para presidente do clube. Há pelo menos dois dos membros do Conselho presos, e o principal favorito à presidência, o senador Zezé Perrella, é acusado de intermediar pagamento de propina ao colega senador. O estatuto do Cruzeiro prevê que condenados em segunda instância ou inelegíveis não podem se candidatar e podem ser expulsos do Conselho.

Para relembrar, o dono da JBS, Joesley Batista, gravou conversas com Aécio Neves e o presidente da República, Michel Temer. Em relação ao ex-candidato a presidente mineiro, há o pedido de pagamento de R$ 2 milhões, que foram de fato dados por meio de intermediários. A Polícia Federal filmou pagamentos e fez buscas e prisões nesta quinta-feira.

Entre os envolvidos, estão Aécio Neves, Euler Mendes, Mendherson Lima, Gustavo Perrella, Frederico Medeiros e Zezé Perrella, todos conselheiros natos do Cruzeiro. Todos foram alvos de buscas nesta quinta-feira, sendo que Lima e Medeiros foram detidos, acusados de intermediar o pagamento para Aécio.

Pelo estatuto do Cruzeiro, em seu artigo 1o, parágrafo 3, está previsto que não poderão ser eleitos no Cruzeiro aqueles que sejam condenados em trânsito em julgado ou que estejam inelegíveis em seu mandato. Ou seja, isso significa condenados em segunda instância.

A eleição para presidente é em outubro de 2017, sem data ainda para inscrição de chapa. Zezé Perrella é candidato declarado, opositor do atual presidente Gilvan Pinho Tavares. Dificilmente ele será condenado em segunda instância até lá, mas se perder o mandato de senador também está ameaçado de não poder disputar – hoje, ele só está afastado do Senado.

O estatuto cruzeirense ainda prevê que pode haver a perda de cargo de todos os conselheiros que forem condenados em segunda instância em crimes contra a administração pública, ou de lavagem de dinheiro. A assessoria do clube informou que, no momento, não há nenhum inquérito contra algum conselheiro no Cruzeiro porque não existe processo concluso na Justiça.

O blog procurou o presidente do Conselho do Cruzeiro, João Carlos Gontijo de Amorim, mas ele estava em viagem, segundo informou funcionário de seu escritório. Dentro do clube, portanto, não houve nenhum ato oficial para pedir explicações aos seis conselheiros suspeitos.

O presidente do clube, Gilvan Pinho Tavares, afirmou esperar que os conselheiros limpem seu nome, e ressaltou que nenhum deles é da sua diretoria. “Vimos que há envolvimento de pessoas que de alguma forma estão ligadas ao Cruzeiro. Mas eu não gostaria de falar sobre essas pessoas porque não conheço efetivamente o processo”, afirmou ao jornal o Tempo. Zezé Perrella se manifestou em nota, negando as acusações:


Dívida de clubes com governo sobe no 2º ano do Profut. Veja os devedores
Comentários Comente

rodrigomattos

Depois da implantação do Profut, em 2015, houve uma redução na dívida dos clubes com o governo federal por conta de descontos de multas após a adesão. Mas, no ano passado, esse débito voltou a subir porque os times estão pagando parcelas reduzidas no início, aponta um estudo da BDO Sports Management. A expectativa é que o passivo só passe a cair em dois anos quando houver pagamento de parcelas maiores.

Explica-se: pelas regras do Profut, os clubes pagam 50% da parcela devida nos dois primeiros anos. Em seguida, a parcela passa para 75% por mais dois anos. Depois, atinge um patamar de 90% por mais dois anos. E só atinge 100% após esse período. Quem aderiu no final de 2015 vai ter o primeiro reajuste no final de 2017. A exceção é a dívida de FGTS que tem parcelas fixas.

Enquanto isso, o débito é reajustado pela taxa Selic, que atualmente está em 12,15%. Ou seja, os pagamentos feitos pelos clubes são inferiores ao crescimento do débito tributário consolidado na Receita.

Em 2016, a dívida dos 23 maiores clubes brasileiros com o governo aumentou 9% ou R$ 230 milhões, atingindo o valor de R$ 2,6 bilhões, apontou o relatório da BDO. O estudo da consultoria fala em estagnação do débito fiscal, levando-se em conta os dois anos de Profut e a inflação. Em 2015, o débito fiscal teve queda de R$ 100 milhões.

O reajuste ocorreu no débito fiscal de quase todos os 23 clubes. O maior devedor é o Botafogo, seguido de Atlético-MG, Flamengo e Corinthians (veja valores abaixo). O blog apurou que, quando a parcela representar 75% do total, a tendência é a dívida estagnar e se manter estável. Só passaria a haver queda real do débito fiscal dos clubes a partir de 2020 quando os clubes então pagarem 90% da parcela.

Maior devedor, o Botafogo mostra em seu site a previsão de seus pagamentos dentro do Profut. Em 2016, o clube estimou pagar R$ 5,150 milhões. Esse valor saltaria para R$ 8,6 milhões em 2021 como pagamento integral. Só que esse valor será maior porque a dívida será reajustada pela Selic nos próximos quatro anos.

Será portanto a partir de 2020 que os clubes passarão a ter um real peso de dívidas fiscais sobre seus orçamentos, e assim poderão começar a reduzir o montante que acumularam de débitos durante anos com o governo. Veja quanto cada um deve:

1º Botafogo – R$ 292,7 milhões

2º Atlético-MG – R$ 284,3 milhões

3º Flamengo – R$ 282,3 milhões

4º Corinthians – R$ 232,2 milhões

5º Vasco – R$ 194 milhões

6º Fluminense – R$ 193,4 milhões

7º Cruzeiro – R$ 188,7 milhões

8º Santos – R$ 155,2 milhões

9º Bahia – R$ 111,5 milhões

10º Internacional – R$ 109,4 milhões

11º São Paulo – R$ 104,5 milhões

12º Coritiba – R$ 100,2 milhões

13º Grêmio – R$ 96,1 milhões

14º Palmeiras – R$ 79,1 milhões

15º Sport – R$ 64,6 milhões

 


Após Profut, clubes controlam gastos com futebol e reduzem dívida em 2016
Comentários Comente

rodrigomattos

Após a implantação do Profut, os grandes clubes brasileiros controlaram gastos com futebol e conseguiram uma redução da sua dívida total em 2016. É o que mostra um levantamento da BDO Sports Management. Mas só se poderá ter certeza sobre os efeitos do Profut sobre os times a longo prazo porque houve um crescimento anormal de dinheiro com televisão por luvas neste ano.

As receitas dos 23 clubes de maiores receitas saltaram para R$ 4,462 bilhões em 2016, um aumento de 29%, bem acima da inflação. Pelo padrão do futebol brasileiro, isso representaria uma explosão de gastos no futebol para aproveitar o dinheiro extra. Mas não foi o que ocorreu dessa vez.

Houve, sim, um crescimento de gastos com o futebol de 9,4%, pouco acima da inflação, o que elevou o valor a R$ 2,888 bilhões. Isso significa que as despesas com futebol ficaram em 58% da receita total. “Com o forte crescimento da receita e com a nova lei que vigora no segmento (PROFUT), o indicador Custo do Futebol/Receita Total atingiu seu menor valor no período analisado”, aponta o relatório da BDO.

Para completar, os clubes nacionais apresentaram um superávit de R$ 423,7 milhões. “Apenas 6 dos 23 clubes apresentaram déficit em seus balanços em 2016”, contou a BDO. Esses times que apresentaram déficit foram: Sport, Avaí, Botafogo, Coritiba, Internacional e Cruzeiro. Lembre-se que as regras do Profut estabelecem que os clubes têm de reduzir seus déficits até zerá-los.

Como consequência, houve uma redução discreta do endividamento líquido dos grandes clubes nacionais. Esse caiu para R$ 6,390 bilhões, R$ 63 milhões a menos do que em 2015. Em dois anos, houve 5% de queda no débito dos times. Lembre-se que, considerada a inflação, essa queda foi maior. A redução foi maior em relação a empréstimos: houve queda de 7% com o valor ficando em R$ 1,6 bilhão.

Mas isso não significa que todos os clubes conseguiram reduzir suas dívidas. Líderes do ranking dos devedores, Botafogo, Atlético-MG e Fluminense tiveram aumentos em seus débitos, além de Cruzeiro e Internacional. O São Paulo até teve um aumento de dívida, mas esse valor já caiu em 2017 com o pagamento de empréstimos e direitos de atletas. “16 dos 23 clubes apresentaram redução em seu endividamento com empréstimos”, apontou o relatório da BDO.

A dívida não é um índice absoluto para saber a situação financeira de um clube. É preciso levar em conta sua receita em relação ao débito, a natureza dos passivos e os gastos do clube. O Botafogo é o maior devedor na lista, mas é preciso lembrar que o Corinthians não incluiu o débito do estádio em seu balanço. Veja abaixo a listas da maiores dívidas de clubes brasileiros:

1o Botafogo – R$ 753,1 milhões

2o Atlético-MG – R$ 518,7 milhões

3o Fluminense – R$ 502 milhões

4o Flamengo ** – R$ 460,6 milhões

5o Vasco – R$ 456,8 milhões

6o Corinthians *- R$ 424,9 milhões

7o Grémio – R$ 397,4 milhões

8o Palmeiras – R$ 394,8 milhões

9o São Paulo – R$ 385,3 milhões

10o Cruzeiro – R$ 363 milhões

110 Santos – R$ 356,6 milhões

12o Internacional – R$ 311,6 milhões

13o Atlético-PR – R$ 264,5 milhões

14o Coritiba – R$ 187,1 milhões

15o Bahia – R$ 166,4 milhões

* O débito do Corinthians em relação a sua arena gira em torno de R$ 1,4 bilhão, mas uma parte desse valor deverá ser abatido por CIDs e ainda está em negociação.

**O Flamengo alega ter uma dívida de R$ 390 milhões porque não considera como débitos adiantamaentos de receitas, ao contrário da BDO.

 


Patrocínio a clubes só cai desde Copa-2014. Palmeiras se salva
Comentários Comente

rodrigomattos

Receitas com patrocínio e publicidade têm sido das que mais crescem no futebol mundial. Não no Brasil. Com o país em crise econômica, as parceiras comerciais em camisas de clubes perderam valor real nos últimos três anos considerada a inflação, segundo estudo da BDO Sports Management sobre as contas de 2016. Só quem se salva com valor significativo na camisa é o Palmeiras com a Crefisa.

O estudo da BDO aponta que os 23 clubes mais ricos do país ganharam R$ 524,1 milhões no ano passado com patrocínios. Houve um crescimento de apenas 4% em relação ao ano anterior sendo que a inflação foi de 6,29%.

Essa perda de valor ocorre, ironicamente, desde o ano da Copa-2014 quando havia a promessa de um boom no futebol nacional. Naquele ano, houve queda de patrocínios aos clubes depois de anos de alta. Do final de 2013 para cá, se o investimento tivesse crescido pelo menos o percentual da inflação (22%), teria chegado a R$ 586,8 milhões. Ou seja, o mercado perdeu em valor real em torno de R$ 60 milhões.

“Se consideramos a inflação, e o investimento da Caixa, o patrocínio voltou ao patamar de 2010”, analisou o consultor da BDO, Pedro Daniel. “Considerando o dólar que era mais baixo em 2010, o valor caiu. Com o câmbio favorável, seria para as multinacionais quererem investir no futebol aqui. Não aconteceu.”

Isso apesar do investimento pesado da Caixa Econômica Federal em uniformes de clubes chegando a atingir patamar de R$ 150 milhões. Na prática, o banco responde por 30% do mercado nacional de patrocínio. Sem esse dinheiro, a queda seria ainda mais acentuada.

Mercados maduros do futebol costumam ter divisão balanceada de receitas. Na Europa, a TV é a principal fonte de renda, mas não fica tão à frente de patrocínios e bilheteria. No Brasil, com a queda dos patrocínios, a televisão já responde por cerca de metade das rendas dos clubes do total.

Em 2016, os 23 clubes mais ricos do país arrecadaram R$ 4,962 bilhões. Desse total, apenas 11% foram de patrocínios aos times. Há sete anos atrás, em 2010, esse percentual chegava a 17%. O mercado de publicidade dos clubes simplesmente regrediu.

No ranking, o que se percebe é que o Palmeiras se salvou dessa queda com a Crefisa. Líder no país no quesito, o clube atingiu R$90,7 milhões em 2016, um crescimento de 30% sobre o ano anterior. Foi seguido pelo seu rival Corinthians com R$ 71,5 milhões e aumento dentro da inflação. Já o Flamengo, que era líder, caiu 22%, atingindo R$ 66,3 milhões – isso aumentou sua dependência da televisão.

Fora do topo, São Paulo (77%), Atlético-MG (94%) e Altético-PR (60%) tiveram evoluções nos seus ganhos de patrocínios significativos percentualmente. Mas, no caso do tricolor, está recuperado o que tinha perdido em 2015. E Galo e Furacão partiram de patamares mais baixos. Veja abaixo o ranking de patrocínios:

1o Palmeiras – R$ 90,7 milhões

2o Corinthians – R$ 71,5 milhões

3o Flamengo – R$ 66,3 milhões

4o Grêmio – R$ 35,5 milhões

5o São Paulo – R$ 35,3 milhões

6o Internacional – R$ 34,2 milhões

7o Atlético-MG – R$ 31,6 milhões

8o Cruzeiro – R$ 26,8 milhões

9o Santos – R$ 22,4 milhões

10o Fluminense – R$ 15,7 milhões

11o Vasco – R$ 13,6 milhões

12o Botafogo – R$ 9,4 milhões

13o Coritiba – R$ 9,4 milhões

14o Sport – R$ 9,3 milhões

15o Bahia – R$ 9 milhões

16o Vitória – R$ 8,8 milhões

17o Chapecoense – R$ 7 milhões

18o  Atlético-PR – 6,8 milhões

19o Figueirense – R$ 6,8 milhões

20o Ponte Preta – R$ 6 milhões