Blog do Rodrigo Mattos

Arquivo : Fred

Cruzeiro prepara contestação à multa de Fred, Galo quer rival investigado
Comentários Comente

rodrigomattos

Com Thiago Fernandes

Após a primeira decisão da câmara da CBF sobre o caso Fred, o Cruzeiro já prepara uma estratégia para contestar a multa de rescisão de R$ 10 milhões devida ao Atlético-MG no órgão. Enquanto isso, o Atlético-MG aposta em uma investigação da confederação que possa levar à punição ao clube rival por ir à Justiça comum.

Nesta terça-feira, a CNRD (Câmara Nacional de Resolução de Disputas) negou o pedido do Atlético-MG para que Fred pagasse imediatamente a multa ou fosse impedido de jogar. O Galo tinha recorrido ao órgão depois que o jogador assinou contrato dizendo que pagaria R$ 10 milhões por sua rescisão caso fosse para o Cruzeiro. A câmara também decidiu que é a responsável por julgar o caso, o que deve demorar.

Em paralelo, o Cruzeiro já pediu para ser parte como interventor no caso. A intenção cruzeirense teoricamente era evitar a suspensão de Fred. Mas o clube da Toca da Raposa já se prepara para questionar a validade da multa o que não fizera até aqui judicialmente. Em entrevista ao UOL, o vice Itair Machado chamou a multa de piada e ilegal.

Na prática, o Cruzeiro já contratou advogados para defender a ilegalidade da multa na CNRD. A tese a ser usada é de que a multa fere o artigo 61 do Regulamento Nacional de Transferências de Jogadores. O texto diz: “Nenhum clube pode ajustar ou firmar contrato que permita a qualquer das partes, ou a terceiros, influenciar em assuntos laborais ou relacionados a transferências, independência, políticas internas ou atuação desportiva, em obediência ao art. 18bis do Regulamento da FIFA sobre o Status e a Transferência de Jogadores e à legislação desportiva federal.”

A alegação cruzeirense será justamente de que a multa significa uma interferência do Atlético-MG nos assuntos laborais do Cruzeiro, e portanto, irregular. Detalhe: a diretoria do clube da Toca da Raposa assinou um contrato com Fred afirmando que não contestaria a validade da multa.

De sua parte, o Atlético-MG aposta em uma investigação disciplinar pela CBF contra o Cruzeiro por supostamente recorrer à Justiça comum no caso da multa de Fred. Houve uma ação movida por credor do Atlético-MG para que a multa fosse paga na Justiça comum e fosse bloqueada. No entendimento de dirigentes do Galo, isso configura um desrespeito às normas da CNRD.

Desta forma, dirigentes do clube alvinegro fizeram um pedido para a câmara para que fosse aberta uma investigação disciplinar sobre o Cruzeiro. Na versão atleticana, essa reivindicação foi aceita e a CBF analisará o caso para depois, se entender pertinente, encaminhá-lo à Justiça Desportiva. Cruzeirenses negam qualquer participação na ação na Justiça comum.

Outra posição do Atlético-MG é a de que não pagará os R$ 2 milhões devidos a Fred acertados na rescisão judicial até que a questão da multa seja decidida. Isso porque, no entendimento do Galo, a Câmara decidiu que esse dinheiro deveria ser compensado, o que é contestado pelo estafe do jogador. Os atleticanos não querem os cruzeirenses na disputa na Câmara na CBF, mantendo o processo contra Fred.

No final das contas, como previsto, a disputa em relação à validade da multa deve se dar principalmente entre os dois clubes.

 


Por contrato, Cruzeiro se comprometeu a defender Fred e não discutir multa
Comentários Comente

rodrigomattos

Fred em ação durante jogo do Cruzeiro no Campeonato Mineiro (Thomás Santos/AGIF)

O Cruzeiro se comprometeu a defender o atacante Fred em qualquer ação movida pelo Atlético-MG, e a pagar a multa com o clube rival sem discutir se é válida. É o que está escrito em um contrato assinado entre o clube cruzeirense e o jogador na ocasião de sua contratação a que o blog teve acesso.

O Atlético-MG está exigindo de Fred o pagamento da multa de R$ 10 milhões em ação na Câmara Nacional de Resolução de Disputas, órgão arbitral ligado à CBF. Quer a quitação ou pede a rescisão do contrato entre Cruzeiro e o atacante até seu pagamento. Fred se defende sozinho, enquanto o time da Toca da Raposa entrou com ação na Justiça comum para discutir a questão.

Em documento em 22 de dezembro, época da sua contratação, Fred e Cruzeiro assinaram um “Termo de Responsabilidade”. Pelo acordo, fica claro que a agremiação que deveria tomar a frente de eventuais cobranças.

Na cláusula 2,3, está dito: “Na eventualidade de o Atlético iniciar qualquer procedimento, judicial, extrajudicial ou de outra natureza, contra o Atleta ou a Seven Sports, independente da época em que esse procedimento venha a existir, o Cruzeiro tomará todas as providências para que o Atleta e a Seven Sports sejam excluídos procedimentos adotados pelo Atletico, de forma que qualquer discussão ou disputa se dê exclusivamente entre o Atlético e o Cruzeiro.”

Em seguida, é explicado que na impossibilidade de exclusão, o Cruzeiro deve pagar pela defesa feita por Fred, e manterá o jogador sem custos por eventuais resultados.

Mais adiante, na cláusula 2.5, o Cruzeiro garante que não vai questionar a validade da multa: “O Cruzeiro compromete-se a se abster de questionar, por qualquer razão, o Termo de Responsabilidade Contratual e as repercussões, pagando as quantias solicitadas pelo Atlético.”

Como já revelado pelo UOL Esporte, o Cruzeiro deu em penhora a Fred como garantia as cotas de televisão da Globo. Além disso, o clube assinou R$ 10 milhões em promissórias, garantidas pelo presidente e vice-presidente cruzeirenses.

Nesta semana, a diretoria do Cruzeiro informou que considera incerta a multa a ser paga por Fred, e que ele discutiria esta na Câmara da CBF. Questionada novamente pelo blog, a diretoria cruzeirense informou: “O Cruzeiro já se pronunciou sobre isso e não vai comentar cláusulas de contratos.”

Leia também:


Galo espera cobrança imediata a Fred na CBF, mas Cruzeiro vê multa incerta
Comentários Comente

rodrigomattos

O Atlético-MG vai insistir em cobrar diretamente de Fred a multa de R$ 10 milhões em ação em corte na CBF e espera uma decisão nas duas próximas semanas. O rival Cruzeiro foi citado na corte só por ter entrado na Justiça o que seria, na visão alvinegra, uma manobra para atrasar o caso. Do lado cruzeirense, há a posição de esperar a discussão da multa que é considerada incerta.

A ação do Galo é de um pedido de tutela de urgência à Câmara Nacional de Resolução de Disputas para pagamento imediato por Fred, que já apresentou defesa. Há a possibilidade de impedi-lo de jogar enquanto a multa não for quitada. A expectativa atleticana é de decisão nas próximas duas semanas.

“Entendemos que é melhor cobrar do Fred. Poderia incluir o clube (Cruzeiro) como solidário, mas o Fred tem condições de arcar com a multa”, contou o vice-presidente do Atlético-MG, Lasaro Cândido, que explicou que o contrato prevê que litígios têm que ser resolvidos na Câmara da CBF.

“Citamos na ação que (Cruzeiro) estão tentando tirar a ação da CNRD. Os dois estão em articulação porque o clube é beneficiário direto da contratação”, defendeu Cândido. “Isso (ação do Cruzeiro) é uma forma de tergiversar. Não tem nada a ver como o Cruzeiro.”

A ação cível do Cruzeiro contestando a multa resultou em uma decisão judicial de bloquear qualquer valor de multa que venha a ser paga ao Atlético-MG por conta de dívidas antigas. O vice-presidente do Galo afirma que não reconhecerá nenhum pagamento feito por meio judicial.

Por meio de assessoria, o diretor jurídico do Cruzeiro, Fabiano de Oliveira Cosa, informou que aguarda com cautela o desfecho do processo, “pois o clube tem ciência da cláusula e responsabilizou com o Fred”. Na visão dos cruzeirenses, não é certo que terá de ser feito o pagamento da multa.

“O problema do Cruzeiro não é pagar e sim a quem pagar. Há uma ordem judicial que impede o Cruzeiro de pagar, o Fred fez uma defesa na CNRD e não renunciou ao direito de discutir a cláusula. O Atlético-MG está discutindo por um crédito que não é certo. É uma possibilidade”, analisou Cosa.

Ou seja, segundo a sua posição, Fred discute se tem de pagar a cláusula ao Atlético-MG, apesar de ter assinado um contrato nesse sentido.

Um advogado neutro consultado pelo blog afirmou que qualquer clube tem direito a entrar na Justiça comum, e que pelo fato de o Cruzeiro não estar vinculado à ação na CNRD está livre para recorrer. Ao mesmo tempo, o advogado reconheceu que pode haver um risco para os cruzeirenses se pagarem a multa na Justiça comum. Isso porque poderiam ser cobrado duas vezes pelo débito.

 


Será que foi o Cruzeiro que ‘venceu’ na negociação de Fred?
Comentários Comente

rodrigomattos

Às vésperas do Natal, o Atlético-MG acertava a rescisão de Fred. Cruzeiro, Flamengo e Fluminense mostraram interesse no jogador durante a semana. E o clube mineiro anunciou ter fechado com ele no sábado. Diante disso, a equipe celeste pode se considerada vitoriosa na negociação?

Primeiro, lembremos que a operação de Fred não é barata. Como publicou o UOL, pode atingir R$ 45 milhões em três anos, depende da questão da multa e de um eventual apoio de parceiros. Para se investir um dinheiro desse em um jogador, deve estar sobrando dinheiro no Cruzeiro né?

Não é o que mostram os números. A gestão do ex-presidente Gilvan de Pinho Tavares mais do que dobrou a dívida cruzeirense durante seus seis anos. Em 2011, o número era de R$ 120,3 milhões (ou R$ 168,6 milhões com correção pela inflação). Saltou para R$ 363 milhões ao final de 2016, um aumento de 115%.

Há controvérsia sobre o número atual, sendo que Zezé Perrella, presidente do Conselho do Cruzeiro, aponta um valor ainda maior, alegando que não foram pagos impostos. (Perrella, aliás, que deixou o clube em situação difícil em 2011, mas com rombo menor). Mas vamos nos ater ao que é fato registrado no balanço.

Não é que a dívida saiu do nada: o Cruzeiro operou em déficit nos cinco anos da gestão de Gilvan, ainda não se sabe os números de 2017. Ganhou títulos, mas nunca fechava no azul, mesmo em 2015 quando vendeu toda a base do time campeão brasileiro. Sua dívida já ultrapassa a receita do ano que ficou em R$ 238,4 milhões. Até porque a renda do clube cresceu em velocidade bem menor do que a débitos.

Só em pendências na Fifa há cobranças no valor de R$ 50 milhões contra o Cruzeiro por contratações não pagas. Ora, um clube nesta situação assumir uma despesa que pode atingir R$ 15 milhões por ano é aumentar as possibilidades de não fechar a conta no final do ano. O novo presidente cruzeirense, Wagner Pires de Sá, sinaliza que repetirá a gastança do antecessor sem ter resolvido os problemas financeiros.

Do outro lado, a gestão do Atlético-MG ia pelo mesmo caminho nas mãos do ex-presidente Daniel Nepomuceno. Não havia dinheiro suficiente para pagar o último time, o que ficou provado com as necessárias saídas de Fred e Robinho. A dívida alvinegra é até maior: atinge R$ 518 milhões ao final de 2016. A ver como ficou após este ano.

E Daniel já dobrava a aposta em relação ao antecessor Alexandre Kalil, que aumentou a dívida do Galo. Kalil e Gilvan têm gestões vitoriosas em campo, mas ambos deixaram seus sucessores em condições bem complicadas.

Ao dispensar jogadores caros, o novo presidente do Atlético-MG, Sergio Sette Câmara, parece tentar botar um freio na gastança anterior. Não havia mais como continuar naquela toada, ou o clube aumentaria seu rombo e poderia ter dificuldades para pagar o dia a dia.

No caso da dupla Flamengo e Fluminense, o clube rubro-negro sofreu para conseguiu uma recuperação financeira iniciada desde 2013. Agora, tem mais dinheiro para investir, mas controla seu orçamento para não repetir os rombos do passado. Era ou Fred ou Guerrero. Como a situação do segundo não se resolveu…

O clube tricolor carioca tem tentado seguir pelo mesmo caminho na gestão de Pedro Abad. Há pressão da torcida por investimentos, por contratações, mas não há dinheiro. O salário que Fred receberá no Cruzeiro certamente não se encaixaria na atual situação do Fluminense, voltando a repetir os valores impraticáveis da época da Unimed. Tudo que o clube não precisa agora.

Nem vou discutir aqui as qualidades técnicas de Fred. Se um jogador não cabe no caixa de um clube, sua contratação não deveria sequer ser pauta. Gastar menos do que se ganha é um princípio básico de qualquer administração de empresa meia-boca.

Pode ser que o Cruzeiro ganhe a Copa do Brasil no final de 2018, arrecade o prêmio de R$ 50 milhões da CBF e diga que Fred se pagou (o mesmo com uma Libertadores). Sem títulos, será uma temporada complicada para fechar a conta. É como se os dirigentes cruzeirenses tivessem feito uma aposta de “all in” com o futuro do clube na mesa.


Para contratar Fred, Fla terá de abrir espaço na folha salarial
Comentários Comente

rodrigomattos

A diretoria do Flamengo não fala abertamente sobre a tentativa de contratar Fred, do Atlético-MG. Mas uma coisa é certa: caso o clube concretize a negociação, terá de abrir espaço em sua folha salarial, pois o aumento previsto é só para reajustes. O clube só vai concretizar uma contratação com o atleta livre do time mineiro.

Ao chegar a Luque, sede da Conmebol no Paraguai, o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, afirmou que não falaria sobre Fred porque não tem o hábito de discutir contratações antes delas se concretizarem. “É um ótimo jogador como Lewandovski”, ironizou.

Mas Bandeira reconheceu que, no caso de contratar um jogador com alto salário independente de quem será, será necessário cortar despesa similar de outros atletas. “Vamos manter nossa política de orçamento”, disse. Essa política é corroborada por seus pares. E o salário de Fred no Atlético- MG é alto, no patamar de Paolo Guerrero, no Flamengo.

A folha salarial rubro-negra prevista para 2018 é R$ 1 milhão mais do que nesta temporada. Gira em torno de R$ 12 milhões por mês, contando todos os itens. Só que esse aumento abrange reajustes para jogadores, previstos em contratos. Afinal, a inflação incide todo o ano.

Neste contexto, Guerrero não é uma opção de corte neste momento. Só será tomada uma decisão sobre o jogador até a decisão definitiva do CAS sobre sua suspensão por doping que atualmente é de um ano.

Essa sentença só será dada no início do ano, provavelmente até fevereiro. Se a suspensão for mantida neste padrão no CAS, aí o clube analisaria rescisão ou suspensão do contrato e poderia se livrar da despesa do salário do peruano.


Galo negocia com dois parceiros para pagar salário de Fred
Comentários Comente

rodrigomattos

A diretoria do Atlético-MG negocia com dois parceiros, cujos nomes não são revelados, para pagar parte dos salários do atacante Fred, contratado do Fluminense.  A informação é do presidente do Galo, Daniel Nepomuceno. Ele ainda confirmou que será paga uma compensação ao time carioca pela liberação.

O jogador será apresentado nesta sexta-feira, e talvez possa jogar no domingo se entrar no BID. O Atlético-MG já apresentou a documentação à CBF por meio de seu presidente que esteve na sede da entidade.

“Há duas empresas que estamos negociando para ajudar. Em troca, elas usarão a imagem do Fred”, afirmou Nepomuceno. As parceiras não são a Dry World, fornecedora de uniforme que banca vencimentos de Robinho. “Tranquilamente, está dentro do orçamento. Todo mundo fala em valores, mas foi bom para o Galo e para o Fluminense.”

Nepomuceno não confirmou se o atacante receberá o mesmo salário do Fluminense no Galo. O questionamento sobre o gasto com Fred é por conta do custo do elenco atleticano. O clube tem uma receita de R$ 244 milhões por ano, abaixo de outros grandes do Brasil, e uma dívida em torno de R$ 500 milhões.

Segundo Nepomuceno, a chegada de Fred não implica na saída do atacante Lucas Pratto. Ele entende que o argentino sabe jogar como atacante de lado, enquanto o ex-tricolor atuaria como pivô. “Marcelo (Oliveira) vinha pedindo um jogador de área. É um campeonato difícil.” Mas, se surgir uma proposta da China, é possível que o atacante seja vendido.

A negociação bem-sucedida com o Fluminense foi a segunda tentativa neste ano de ter Fred. Anteriormente, o Galo tentara contratar o jogador quando ele se desentendeu com o técnico Levir Culpi e procurou clubes para atuar. Desta vez, a transação se deu rapidamente, como explicou o presidente do Galo.

“Foi muito transparente. Tenho uma boa relação com o Peter. O Fluminense não chegou a pedir jogador. Precisámos fechar rápido porque o prazo era curto já que o Fred jogaria pela sétima vez”, contou Nepomuceno.

 

 


Fred e a geração de mimados do futebol brasileiro
Comentários Comente

rodrigomattos

O episódio do embate entre Fred e o técnico Levir Culpi é mais um desses causados pelo excesso de mimo com que são tratados os jogadores no Brasil. Não se apresentou nenhum motivo real até agora para o jogador estar irritado com o técnico além de ter sido tirado em algumas partidas. Ainda assim, ele dá ultimatos, ameaça sair do clube, cria uma problema dentro do Fluminense.

Não é uma exceção. Pense nos principais jogadores da última grande geração brasileira da qual Fred faz parte. Adriano transformou sua vida em um caos por problemas psicológicos, Ronaldinho preferiu as festas a seguir em alto nível, e mesmo Ronaldo abreviou sua carreira pelos excessos, além de problemas físicos reais.

Abaixo dos outros três, embora seja um centroavante de bom nível, Fred não cometeu excessos físicos, mas ganhou áreas de dono do Fluminense pelos títulos conquistados e pela adoração da torcida. É legítimo que tenha status no clube. Não é legítimo que use desse seu prestígio para ter tratamento privilegiado em prejuízo do time.

A geração que sucede essa não é muito diferente. Na verdade, parecer até ter piorado. Não são poucos os técnicos que já mencionaram problemas de maturidade do jogador brasileiro, um estrelismo exacerbado em alguns casos. Há jovens que fazem meia dúzia de gols e já exigem o tratamento de craques consagrados. Querem salários astronômicos e lugar garantido no time.

Os clubes têm certa culpa neste processo por encher de mimos seus jovens, e minimizar suas responsabilidades. Uma consequência também da sua dependência da vontade do atleta para fechar um contrato. Aliado a isso, o staff de jogadores -composto por agente, namorada periguete, agregados de todos os tipos – vira a cabeça deles. Passam a se achar o centro do mundo.

Claro que o estrelismo também é visto outros campos, mas de forma bem reduzida, como exceção. Observe que mesmo os jogadores estrangeiros que atuam no Brasil, em sua grande maioria, têm um comportamento bem mais profissional do que os nossos. E, quando estão fora, os brasileiros também costumam melhorar sua atitude, ou não se adaptam e voltam.

Um técnico lúcido como Levir só diz o óbvio ao defender seu direito de trocar jogadores, e de manter limitado o poder de um jogador. Onde não há hierarquia para um atleta não há para mais nenhum. E o que se instala é uma anarquia com poucas chances de um trabalho bem-sucedido.

Fred é uma pessoa inteligente, e é bem capaz que perceba seus equívocos e recue na disputa com Levir. Melhor seria que todos os nossos dirigentes e técnicos notassem o crescimento desse comportamento mimado dos jogadores, e procurassem uma solução para o problema. Não será com birras infantis que sairemos do buraco onde nos metemos.


Arbitragem da Ferj mancha Estadual do Rio, e a censura não vai resolver
Comentários Comente

rodrigomattos

Os questionamentos ao nível técnico e à organização do Estadual do Rio têm crescido ano a ano e chegam ao seu auge com a briga da Ferj (Federação do Estado do Rio de Janeiro) com a dupla Fla-Flu, cujos jogadores protestaram no clássico. Juntamente com isso, a credibilidade é manchada a cada edição por arbitragens que interferem nos resultados finais da competição. E isso voltou a ocorrer neste domingo.

A expulsão do atacante Fred, do Fluminense, por uma falta sofrida por ele, foi de fato absurda. Pode se argumentar que o jogo já se desenhava favorável ao Flamengo. Mas, além do clássico, o centroavante ficou de fora do jogo decisivo do tricolor contra o Madureira na sua luta para a classificação.

Em paralelo, o Vasco teve três pênaltis a seu favor no jogo contra o Friburguense, todos bem duvidosos na minha forma de ver. Com esses, a equipe cruzamaltina -de Eurico Miranda, aliado do presidente da Ferj, Rubens Lopes-, acumula seis penalidades em 14 rodadas. Desses, apenas uma foi inquestionável.

Não se diz aqui que os vascaínos são sempre favorecidos. Houve um penalidade em seu favor ignorada na partida contra o Fluminense. E o penal legítimo para o Flamengo no clássico foi assinalado.

A questão é que fatos como da última rodada já colocam em dúvida para o público a lisura do Estadual. Fred diz que “estão querendo acabar com o campeonato”. Foi apoiado pelo presidente tricolor Peter Siemsen. E suas palavras têm eco nas ruas. É só ir a qualquer boteco que há uma discussão sobre possível favorecimento ao Vasco na competição.

Um dano a imagem da competição que já se viu no ano passado quando a arbitragem cometeu um erro absurdo ao validar o gol ilegal de Márcio Araújo para o Flamengo, e mudar o rumo do título no último minuto. Então, o Vasco foi a vítima.

A Ferj não paga pouco a seus árbitros: suas cotas estão entre as maiores do Brasil e destinadas a uma cooperativa, em vez de diretamente aos juízes. É hora da entidade dar uma explicação sobre a péssima qualidade de seus árbitros e o critério, por exemplo, para bolas na mão. Foram três pênaltis em favor do Vasco desta forma, mesma polêmica gerada no Brasileiro-2014.

Em patamar bem baixo ainda, o público do Estadual-2015 teve leve melhora em relação ao ano passado, como tanto exalta a Ferj – houve pelo menos três clássicos com mais de 40 mil, protagonizados pelo Flamengo. Se a entidade quer manter a atenção dessas pessoas na competição, é hora de começar a dar explicações e tomar providências sobre seus erros em vez de tentar calar os outros.


Não é só Fred. Brasileiro tem pior fase de centroavantes nacionais
Comentários Comente

rodrigomattos

Ao fazer sua primeira convocação para a seleção brasileira, o técnico Dunga não chamou nenhum centroavante típico daqueles que ficam presos à área, incluindo na lista como jogador mais próximo dessas características Diego Tardelli. Não foi à toa. O Brasileiro demonstra que há uma decadência no desempenho dos atletas nacionais dessa posição.

Vejamos a tabela de artilheiros ao final do primeiro turno. O líder é o boliviano Marcelo Moreno, com dez gols, seguido pelo meia-atacante Ricardo Goulart. Na terceira posição, há o centroavante brasileiro mais bem colocado: Henrique, do Palmeiras, ao lado de Barcos com oito gols. Com um a menos, está o são-paulino Alexandre Pato, juntamente com Douglas Coutinho, do Atlético-PR.

O atacante palmeirense está longe de encantar sua torcida com seu estilo eficiente, mas de poucos recursos técnicos. E Pato começa a se firmar agora no São Paulo, e ainda perde gols incríveis como contra o Sport, neste domingo, sem goleiro.

A comparação com outros anos é cruel com os atuais centroavantes brasileiros. Henrique, o que tem maior número de gols, acabará o Brasileiro com 16 gols se repetir o seu desempenho no segundo turno.

Desde o início dos pontos corridos, o artilheiro que terminou com menos gols foi Souza, com 17, em 2006. Em quase todos os anos houve pelo menos um atacante com mais de 20 gols. O melhor desempenho foi o de Washington, em 2004, com 34 em 46 jogos – o campeonato era maior. Sua média é muito superior aos atuais jogadores se levarmos em conta que jogou todas as partidas.

Outro detalhe: todos os Brasileiros desde 2003 tiveram como artilheiro um centroavante nacional. Em 2009, o versátil Diego Tardelli acabou na ponta da tabela, mas tinha ao seu lado Adriano. Para a Copa-2014, Luiz Felipe Scolari levou dois atacantes de meio de área: Fred e Jô. O primeiro tem cinco gols no Nacional, o segundo, nenhum.


Jogadores do Flu já descartaram greve por agressões, diz sindicato
Comentários Comente

rodrigomattos

Depois do desabafo do atacante Fred, que ameaçou não entrar em campo no final de semana, os jogadores do Fluminense já descartaram fazer uma greve e vão enfrentar o Sport no final de semana. A informação é do vice-presidente do Sindicato de Atletas Profissionais do Rio de Janeiro, Denson Celso, o Deninho, que está no comando da entidade.

Pela manhã, ele falou com Jean, Carlinhos, Rafael Sobis e Wagner, além da diretoria do Fluminense. “Pelo que conversei com eles, não vai ter greve. Foi um desabafo do Fred que estava de cabeça quente, o que é compreensível pelo que aconteceu. Mas está solucionado”, afirmou Deninho.

Na quinta-feira, Fred desabafou no seu facebook: afirmou que o time poderia não entrar em campo contra o Sport e até sugeriu sair no braço com os torcedores por conta dos protestos na chegada dos atletas ao Aeroporto no Santos Dumont. Torcedores atiraram moedas e atacaram o carro de um jogador pela má fase do time.

A decisão de entrar em campo ser ratificada pelos atletas do Fluminense no treino na tarde desta sexta-feira no campo da Urca. O sindicato, no entanto, informou que tomará medidas contra a violência sofrida pelos jogadores.

“Estamos mandando um ofício para o Fluminense, CBF e secretaria de segurança para pedir mais proteção aos atletas. Não pode voltar a acontecer isso. Está virando moda. Já aconteceu com André Santos”, observou Deninho.

Também houve contato de membros do Bom Senso FC com o os jogadores do Fluminense. Mas não havia nenhum movimento articulado entre as partes até esta sexta-feira.