Blog do Rodrigo Mattos

Arquivo : Juventus

Juventus, City, aspirante. Gigantes da internet vão ao futebol por beiradas
Comentários Comente

rodrigomattos

A previsível entrada dos gigantes da internet (Facebook, Netflix, Amazon, etc) na briga de direitos de transmissão de futebol já começa a ocorrer pelas beiradas. Times de futebol já fecham acordos por direitos paralelos como a produção de séries de bastidores, e campeonatos de jovens já são explorados. Dirigentes já os esperam nas próximas disputas pelas competições.

Nesta semana, o Manchester City anunciou um acordo de 10 milhões de libras para a produção de uma série na Amazon. A ideia é explorar os bastidores da campanha. Houve complicada negociação para não interferir nos direitos sobre Premier Legue a Champions League.

Antes, a Juventus fizera acordo similar com o Netflix, também para a exploração dos bastidores de suas campanha. A ideia é repetir o que foi feito com time de futebol urnivesitário, que já está no cardápio da empresa.

Há dois meses, o executivo do Manchester United Ed Woodward previu que a Amazon e o Facebook já devem fazer parte da próxima disputa de direitos pela Premier League. Claro, é uma previsão, sem certeza, mas a cada vez ganha mais chances de se concretizar.

Inicialmente, o Facebook tinha se posicionado de que não investiria em direitos, mas isso tem caído por terra. Tentou, sem sucesso, levar a Liga de Cricket da India. No Brasil, ainda tímido, investiu dinheiro em uma parceria com o Esporte Interativo para passar o Campeonato Brasileiro de aspirantes.

O caminho está traçado independentemente do discurso cauteloso. Os gigantes de internet têm dinheiro, necessidade de conteúdo para inflar seus tráfego e assinaturas (em alguns casos). É juntar a fome com o prato.

Resta saber com que velocidade o processo vai ocorrer, e como serão as relações com as redes de televisão já constituídas que costumam ser parceiras em alguns projetos. Mas é certo que o conteúdo do futebol pode se tornar estratégico para esses gigantes da internet.


Por que o Leicester arrecadou mais do que o Real Madrid na Champions
Comentários Comente

rodrigomattos

A UEFA divulgou nesta sexta-feira a distribuição de dinheiro dos prêmios da última edição da Liga dos Campeões, 2016/2017. Há uma surpresa no número: o Leicester City ganhou mais dinheiro do que o campeão Real Madrid. Isso se explica pelos critérios de mercado adotados pela entidade – a vice-campeã Juventus foi a que mais arrecadou.

A Liga dos Campeões tem a maior premiação em competições de clubes no mundo: foram € 1,384 milhões dados aos times. Houve ainda € 11 milhões adicionais para times na Supercopa e para associação de clubes.

E como são divididas as cotas entre os clubes participantes? São 60% destinados a cotas fixas e por desempenho (número de vitórias, avanços de fase, título, etc). Neste quesito, obviamente, o Real Madrid ganhou mais do que os outros times, com € 54,9 milhões, incluindo o prêmio pela taça.

Mas outros 40% são distribuídos por conta do market pool (pesquisa de mercado). Trata-se do valor econômico que cada país tem dentro da Liga dos Campeões, isto é, quanto de dinheiro leva para a competição. Isso se dá “de acordo com o valor de mercado proporcional de televisão de cada país dividido entre os clubes participantes”, explica documento da UEFA. Foram € 580 milhões divididos dessa forma.

Neste caso, o mercado inglês é mais rico e o que proporciona maiores receitas para a UEFA. Então, o bolo é maior para dividir entre os times ingleses neste item, no caso, em torno de € 140 milhões. E como este montante é dividido?

Metade do bolo é dado de acordo com a posição no campeonato local no ano anterior: o Leicester foi o campeão inglês da temporada de 2015/2016. E a outra metade é dividida de acordo com o maior número de jogos do time na Liga dos Campeões. De novo, o o Leicester foi o inglês que mais avançou na última Champions. Assim, somou € 49,073 milhões de dinheiro do mercado.

Ao final, com as duas somas, o Leicester ganhou em torno de € 600 mil a mais do que o Real Madrid na Liga dos Campeões.

A Juventus foi o time que mais arrecadou porque levou € 110,4 milhões, já que sua participação de mercado foi ainda maior do que o time inglês. Isso se explica porque o bolo italiano, embora menor do que o inglês, teve de ser dividido por menos clubes já que apenas Napoli e Roma também estavam na Liga dos Campeões.

Veja abaixo o quadro dos times que mais ganharam dinheiro na última Liga dos Campeões:

1 – Juventus – € 110,4 milhões

2- Leicester City – € 81,7 milhões

3- Real Madrid – € 81,051 milhões

4- Napoli – € 66 milhões

5- Mônaco – € 64,7 milhões

6- Arsenal – € 64,6 milhões

7- Atlético de Madrid – € 60,6 milhões

8- Barcelona – € 59,8 milhões

9-PSG – € 55,3 milhões

10- Bayern de Munique – € 54,8 milhões


Superou Super Bowl: por que a final da Champions é o maior jogo do ano
Comentários Comente

rodrigomattos

Por uma tradição europeia, a final da Liga dos Campeões é disputada em um jogo único. O crescimento da competição em interesse global elevou a evento esportivo mais valioso do ano, superando até o Super Bowl (a final do futebol norte-americano). Sua audiência é maior e mais global, e os valores envolvidos na decisão entre Real Madrid e Juventus, em Cardiff, se aproxima de R$ 300 milhões.

Não foi um caminho fácil. Quando a Liga dos Campeões foi formada, em 1992, seus direitos comerciais inteiros valiam € 8 milhões. Nesta temporada, consideradas as três competições de clubes europeias, a Uefa vai arrecadar € 2,4 bilhões.

Há vários elementos envolvidos nesta evolução da Champions, como organização, uma cara fixa e promoção da competição, atração de jogadores de alto nível à Europa. E o jogo único ajudou a atrair todas as atenções do mundo para o campeonato.

No ano passado, a final da Liga foi assistida por 160 milhões de pessoas, acima dos 145 milhões do Super Bowl. Os números são da Uefa, mas outros indicadores pelo mundo confirmam que o jogo de futebol superou o esporte dos EUA (ainda que exista variações nos índices).

Também há uma maior abrangência da Liga dos Campeões que vai para 200 países, enquanto a decisão do futebol americano fica em 180. E a maior parte da audiência do evento norte-americano é concentrado no próprio país.

Em palestra na CBF em maio, a chefe de operações comerciais da Uefa, Catalina Navarro, ressaltou essa característica: “Foi o evento mais assistido, passando o Super Bowl. É um evento de nível global, não somente de interesse europeu.”

Por conta disso, os valores financeiros envolvidos na final têm crescido. Só em premiações para os dois times pela participação na final são € 26,5 milhões, isto é, R$ 60,3 milhões. O campeão fica com € 15,5 milhões, e o restante é do vice.

Fontes do mercado avaliam que os direitos de televisão apenas desse jogo valem US$ 15 milhões, o que representa quase R$ 50 milhões. Há ainda valores indiretos envolvidos como os patrocínios que são para toda a competição, e comerciais pelo mundo inteiro para as redes de televisão, impossíveis de mensurar.

Como ocorre com o Super Bowl, há atualmente uma concorrência para sediar a final da Liga dos Campeões. A cidade de Cardiff estima uma arrecadação de 40 milhões de libras (R$ 170 milhões) por ser a sede do jogo. Esse tipo de mediação, claro, é impreciso. Mas a previsão é de 170 mil turistas, mais do que o dobro da capacidade do estádio de Cardiff.

Certo é que a cidade de Gales se tornará o centro do mundo por duas horas, uma capacidade que antes só a Copa do Mundo e a Olimpíada tinham de produzir. A Liga dos Campeões atrai menos atenção global do que esses dois eventos. Mas seu crescimento exponencial parece não parece ter limites.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>