PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Rodrigo Mattos

Clubes têm plano para fazer Sul-Minas mesmo sem aval da CBF

rodrigomattos

19/09/2015 06h00

Os 13 clubes fundadores da Liga Sul-Minas já traçaram uma estratégia para realizar a competição mesmo sem a autorização da CBF. A intenção inicial é fazer o campeonato com o aval da entidade, o que será requisitado em breve. Mas, se houver uma recusa, o entendimento dos times é de que há base jurídica para seguir em frente sem essa chancela.

Atlético-MG, Cruzeiro, Grêmio, Inter, Flamengo, Fluminense, Coritiba, Atlético-PR, e cinco clubes catarinenses fundaram a liga: querem fazer um torneio com entre seis e oito datas. Então, surgiu a resistência da Ferj (Federação do Rio de Janeiro) que pede à CBF o veto do torneio. Federações do Rio Grande do Sul, do Paraná e de Minas Gerais também são contra.

Pelo seu estatuto, a confederação tem a prerrogativa de vetar competições interestaduais e aceitar ou não ligas. Há uma sinalização da cúpula da confederação que deve barrar o campeonato sem o aval das federações.

Mas os clubes já consultaram advogados e entendem que não precisam de chancela de ninguém. Baseiam-se no artigo 20 da Lei Pelé que prevê liberdade para criação de ligas, e veto a intervenções de entidades de administração. A argumentação é simples: a lei é superior a qualquer estatuto privado. O estatuto da liga já foi redigido para o torneio sair com ou sem aval oficial.

Não há intenção de entrar na Justiça: simplesmente o campeonato seria realizado. Se houver reação ou tentativa de desfiliar os times por parte de federações, aí os clubes poderiam ir à Justiça contra a medida. Há uma sensação entre os cartolas de será difícil para a CBF e federações bancarem a desfiliação de mais da metade dos clubes da Série A do Brasileiro.

Por enquanto, já foi feito o estudo jurídico, mas ainda não se tomou a decisão de enfrentamento até porque a confederação será consultada em até duas semanas. A maioria dos clubes, no entanto, tem tido discurso bastante unido e não aceita recuo. O Internacional é uma exceção e tem se mostrado mais reticente. Cartolas entendem que, se mantiverem juntos, não têm como serem barrados.

Na próxima semana, haverá a reunião em Camburiú para tentar fechar uma tabela. A ideia é usar entre seis e oito datas nos meses de fevereiro e março, pegando a fase de classificação dos Estaduais, a menos atraente. O formato será traçado com 10 times.

Sobre o Autor

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de “O Estado de S. Paulo” em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

Sobre o Blog

O objetivo desse blog é buscar informações exclusivas sobre clubes de futebol, Copa do Mundo e Olimpíada. Assim, pretende-se traçar um painel para além da história oficial de como é dirigido o esporte no Brasil e no mundo. Também se procurará trazer a esse espaço um olhar peculiar sobre personagens esportivas nacionais.