Blog do Rodrigo Mattos

Arquivo : Liga dos Campeões

Facebook e Esporte Interativo ganham direitos da Champions no Brasil
Comentários Comente

rodrigomattos

O Facebook e o Esporte Interativo ganharam a concorrência dos direitos de televisão da Liga dos Campeões no Brasil a partir de 2018/2019 por mais três anos. O gigante de mídias sociais vai ficar com a TV aberta, substituindo a Globo que não entrou na licitação. Já a Turner mantém os direitos de TV fechada.

O processo ainda não está plenamente concluído com negociações para acertar detalhes. Mas os vencedores já estão definidos e não vão mudar, pelo que apurou o blog. A questão é como será a divisão de jogos das duas plataformas. Há a possibilidade de um acordo entre as partes para dividir os jogos.

A maior surpresa é o fato de a Globo perder os direitos da TV aberta. A competição vinha dando altos índices de audiência, mas a emissora acabou não fazendo proposta para os direitos. A Globo tem investido pesado em outros direitos com o aumento da concorrência: teve que aumentar valores pagos por competição que já tinha como o Brasileiro, Libertadores e Copa do Brasil.

O Facebook assim dá mais uma passo de crescimento no mercado esportivo. Já tinha obtido o quarto pacote de mídia da Libertadores, que representa todos os jogos na quinta-feira e agora avança. A empresa de mídias sociais também disputou a TV aberta da Libertadores com a Globo, chegando a fazer proposta pelo pacote do Brasil, segundo apurou o blog.

A entrada do Facebook no mercado de futebol brasileiro e da América do Sul é uma mudança na política da empresa no país. Inicialmente, informara que não investiria em direitos esportivos. O gigante de mídias sociais é reconhecido pela grande capacidade de alavancar receitas com publicidade, concorrendo com o Google com plataforma midiática que mais atrai anunciantes mundialmente.

Na concorrência da TV fechada, havia a possibilidade de o SporTV fazer uma proposta juntamente com a ESPN, o que não se concretizou. O blog chegou a publicar que isso estava previsto, mas, de fato, não ocorreu. O canal pago do grupo Globo também não entrou na concorrência.

A Turner fez uma oferta e manteve por mais três anos os direitos da competição. Não está claro se houve concorrência nesta parte para a TV fechada.

Pela divisão, só o pacote principal de TV aberta teria direitos sobre a final da Liga dos Campeões. Mas a negociação entre as partes pode transformar essa realidade. Por isso, é difícil saber neste momento como será a divisão de jogos, e se haverá partidas exclusivas. Nem há data prevista para a divulgação do resultado.

 

 

 

 


TV vencedora de leilão da Liga dos Campeões será conhecida em junho
Comentários Comente

rodrigomattos

A licitação dos direitos da Liga dos Campeões a partir da temporada 2018/2019 está em sua etapa final e deve ter uma conclusão antes da Copa-2018. A principal concorrência é pelos direitos de TV Fechada entre o consórcio ESPN/SporTV e o Esporte Interativo.

A UEFA já recebeu todas as propostas e vai abrir os pacotes nos dias 4 ou 5 de junho. Depois disso, haverá um período de negociação com as partes vencedoras para acertar pontos. A previsão de envolvidos no processo é que isso dure em torno de uma semana a 10 dias, concluindo-se antes do Mundial.

No caso brasileiro, serão abertos envelopes para dois pacotes. Um é de TV Aberta para o qual a Globo é favorita. O segundo é o de TV Fechada, que deve ser disputado entre Esporte Interativo (atual detentor dos direitos) e SporTV/ESPN. Há ainda a possibilidade do Fox Sports. Ao contrário da Libertadores, a UEFA permite pacotes conjuntos de emissoras.

Na última disputa, o Esporte Interativo levou com uma proposta que superou US$ 100 milhões pelos três anos. Desde então, houve acirramento no mercado de direitos de transmissão, que se estendeu para o Brasileiro e a Libertadores.

Ao mesmo tempo, as emissoras têm obtido menos receita com TV Fechada por conta do encolhimento do número de assinantes a cabo do Brasil. Cada um dos canais recebeu um dinheiro por assinante, dentro do total pago à NET, Sky, entre outras operadoras. Por isso, é incerto se haverá novo crescimento de receita do bolo da Liga dos Campeões.

Até porque acabou de ser encerrado o processo de licitação da Libertadores, em que a vencedora na TV Fechada foi o Fox Sports no pacote número B, o Sportv no pacote C. Houve forte investimento do Fox Sports para ficar com esse pacote prioritário, o que pode limitar seus recursos para tentar a Liga dos Campeões.


Bem organizada, Libertadores pode ser atrativa no mundo pelo equilíbrio
Comentários Comente

rodrigomattos

A Conmebol implantou recentemente uma série de medidas que mostram a cara que pretende dar à Libertadores no futuro (concorrência de Tvs e final única). Sua meta: transformar a competição em global. Mas isso é possível diante do abismo que separa a competição da Liga dos Campeões que atrai o planeta inteira?

Vamos responder por partes. Não, acabar com a diferença técnica entre a competição sul-americana e europeia não será possível. Sim, será possível reduzir esse vantagem do velho continente e apostar nas qualidades da Libertadores que os europeus não têm.

Primeiro, como é possível reduzir a vantagem? Os clubes sul-americanos precisam ganhar mais dinheiro.  Para isso, são essenciais duas coisas: a organização deles próprios e a estruturação do futebol de forma a melhorar o nível econômico e o espírito das competições.

Um primeiro passo foi dado em alguns clubes brasileiros e argentinos. Uma matéria do “Globo.com”, nesta semana, mostra que a recuperação financeira de Flamengo e River Plate foi similar, e que ambos têm possibilidades de expansão de seus ganhos. A Argentina terá um crescimento dos contratos de TV com a saída da mídia estatal e o clube rubro-negro atua para incrementar patrocínios, sócios e bilheterias.

Outros clubes do continente como Boca Juniors e Palmeiras seguem por caminhos parecidos, com finanças ajeitadas e dinheiro para investir. É só olhar para os elencos desses quatro times que melhoraram em relação a anos anteriores. Há gigantes brasileiros e argentinos que passam por dificuldades, mas a capacidade de investimento no continente, no geral, cresceu. Um sistema de licenciamento de clubes na Conmebol, ainda embrionário, pode ajudar se for levado a sério.

Com novo contrato de televisão, em 2019, a Libertadores deve aumentar a distribuição de dinheiro para os clubes, representando um novo ganho. Não é suficiente para atingir a Europa, mas aumenta o nível técnico.

Aliado a isso, a Conmebol promete intensificar medidas para aumentar segurança nos estádios e dar mais neutralidade ao jogo, outro ponto que melhora a qualidade da partida. O árbitro de vídeo, atualmente restrito a fases mais avançadas, é mais um fator positivo visto que as arbitragens da Libertadores são tradicionalmente problemáticas.

Com a melhoria do jogo, e por consequência do produto, a Conmebol pode apelar ao que lhe é peculiar para se vender ao mundo. Um ponto é o equilíbrio. Nos últimos dez anos, foram dez campeões diferentes. Na Europa, foram seis times campeões.

O velho continente é marcado pelos supertimes imbatíveis como Real Madrid, Barcelona, Bayern e alguns emergentes como City e PSG. Por aqui, ainda que times maiores tenham maior poderio econômico não é incomum serem batidos por menores – veja a dificuldade do Flamengo de passar da primeira fase. Se for na bola, esse equilíbrio é boa notícia. Com jogos bons, a imprevisibilidade pode acrescentar uma graça à Libertadores que a Champions não tem quando Messi enfrenta os Celtics da vida.

Outro aspecto é a torcida. Neste ponto, vejo um equívoco da Conmebol ao optar pela final única. Compreendo, no entanto, a escolha porque um grande evento cria uma visibilidade inédita para a competição. Mas as duas decisões tinham a cara da torcida quente sul-americana, papel picado, bandeiras, etc. Tudo que não se vê mais na Europa. É autêntico, é apaixonante, logo, vai atrair o público do mundo.

Resta à Conmebol, que na área comercial tem avançado, saber empacotar o seu bem mais valioso para mostrar ao mundo uma competição que não é a Liga dos Campeões, mas tem pontos fortes e autenticidade raras no mundo. Quanto mais crescer a Libertadores, mais crescerão os clubes que a disputam, em um processo de duas vias.

 


Por que o Leicester arrecadou mais do que o Real Madrid na Champions
Comentários Comente

rodrigomattos

A UEFA divulgou nesta sexta-feira a distribuição de dinheiro dos prêmios da última edição da Liga dos Campeões, 2016/2017. Há uma surpresa no número: o Leicester City ganhou mais dinheiro do que o campeão Real Madrid. Isso se explica pelos critérios de mercado adotados pela entidade – a vice-campeã Juventus foi a que mais arrecadou.

A Liga dos Campeões tem a maior premiação em competições de clubes no mundo: foram € 1,384 milhões dados aos times. Houve ainda € 11 milhões adicionais para times na Supercopa e para associação de clubes.

E como são divididas as cotas entre os clubes participantes? São 60% destinados a cotas fixas e por desempenho (número de vitórias, avanços de fase, título, etc). Neste quesito, obviamente, o Real Madrid ganhou mais do que os outros times, com € 54,9 milhões, incluindo o prêmio pela taça.

Mas outros 40% são distribuídos por conta do market pool (pesquisa de mercado). Trata-se do valor econômico que cada país tem dentro da Liga dos Campeões, isto é, quanto de dinheiro leva para a competição. Isso se dá “de acordo com o valor de mercado proporcional de televisão de cada país dividido entre os clubes participantes”, explica documento da UEFA. Foram € 580 milhões divididos dessa forma.

Neste caso, o mercado inglês é mais rico e o que proporciona maiores receitas para a UEFA. Então, o bolo é maior para dividir entre os times ingleses neste item, no caso, em torno de € 140 milhões. E como este montante é dividido?

Metade do bolo é dado de acordo com a posição no campeonato local no ano anterior: o Leicester foi o campeão inglês da temporada de 2015/2016. E a outra metade é dividida de acordo com o maior número de jogos do time na Liga dos Campeões. De novo, o o Leicester foi o inglês que mais avançou na última Champions. Assim, somou € 49,073 milhões de dinheiro do mercado.

Ao final, com as duas somas, o Leicester ganhou em torno de € 600 mil a mais do que o Real Madrid na Liga dos Campeões.

A Juventus foi o time que mais arrecadou porque levou € 110,4 milhões, já que sua participação de mercado foi ainda maior do que o time inglês. Isso se explica porque o bolo italiano, embora menor do que o inglês, teve de ser dividido por menos clubes já que apenas Napoli e Roma também estavam na Liga dos Campeões.

Veja abaixo o quadro dos times que mais ganharam dinheiro na última Liga dos Campeões:

1 – Juventus – € 110,4 milhões

2- Leicester City – € 81,7 milhões

3- Real Madrid – € 81,051 milhões

4- Napoli – € 66 milhões

5- Mônaco – € 64,7 milhões

6- Arsenal – € 64,6 milhões

7- Atlético de Madrid – € 60,6 milhões

8- Barcelona – € 59,8 milhões

9-PSG – € 55,3 milhões

10- Bayern de Munique – € 54,8 milhões


Superou Super Bowl: por que a final da Champions é o maior jogo do ano
Comentários Comente

rodrigomattos

Por uma tradição europeia, a final da Liga dos Campeões é disputada em um jogo único. O crescimento da competição em interesse global elevou a evento esportivo mais valioso do ano, superando até o Super Bowl (a final do futebol norte-americano). Sua audiência é maior e mais global, e os valores envolvidos na decisão entre Real Madrid e Juventus, em Cardiff, se aproxima de R$ 300 milhões.

Não foi um caminho fácil. Quando a Liga dos Campeões foi formada, em 1992, seus direitos comerciais inteiros valiam € 8 milhões. Nesta temporada, consideradas as três competições de clubes europeias, a Uefa vai arrecadar € 2,4 bilhões.

Há vários elementos envolvidos nesta evolução da Champions, como organização, uma cara fixa e promoção da competição, atração de jogadores de alto nível à Europa. E o jogo único ajudou a atrair todas as atenções do mundo para o campeonato.

No ano passado, a final da Liga foi assistida por 160 milhões de pessoas, acima dos 145 milhões do Super Bowl. Os números são da Uefa, mas outros indicadores pelo mundo confirmam que o jogo de futebol superou o esporte dos EUA (ainda que exista variações nos índices).

Também há uma maior abrangência da Liga dos Campeões que vai para 200 países, enquanto a decisão do futebol americano fica em 180. E a maior parte da audiência do evento norte-americano é concentrado no próprio país.

Em palestra na CBF em maio, a chefe de operações comerciais da Uefa, Catalina Navarro, ressaltou essa característica: “Foi o evento mais assistido, passando o Super Bowl. É um evento de nível global, não somente de interesse europeu.”

Por conta disso, os valores financeiros envolvidos na final têm crescido. Só em premiações para os dois times pela participação na final são € 26,5 milhões, isto é, R$ 60,3 milhões. O campeão fica com € 15,5 milhões, e o restante é do vice.

Fontes do mercado avaliam que os direitos de televisão apenas desse jogo valem US$ 15 milhões, o que representa quase R$ 50 milhões. Há ainda valores indiretos envolvidos como os patrocínios que são para toda a competição, e comerciais pelo mundo inteiro para as redes de televisão, impossíveis de mensurar.

Como ocorre com o Super Bowl, há atualmente uma concorrência para sediar a final da Liga dos Campeões. A cidade de Cardiff estima uma arrecadação de 40 milhões de libras (R$ 170 milhões) por ser a sede do jogo. Esse tipo de mediação, claro, é impreciso. Mas a previsão é de 170 mil turistas, mais do que o dobro da capacidade do estádio de Cardiff.

Certo é que a cidade de Gales se tornará o centro do mundo por duas horas, uma capacidade que antes só a Copa do Mundo e a Olimpíada tinham de produzir. A Liga dos Campeões atrai menos atenção global do que esses dois eventos. Mas seu crescimento exponencial parece não parece ter limites.


Atrasada, CBF trabalha por mais público no Brasileiro, mas investe pouco
Comentários Comente

rodrigomattos

Ao organizar um seminário para evolução do futebol do país, a CBF trouxe conhecimento para o país e expôs o atraso do país em relação aos europeus na organização do Brasileiro, seja da confederação seja dos clubes. Há um projeto em curso para melhoria do campeonato, mas este conta com investimento baixo para o tamanho da competição. A confederação, no entanto, espera uma retomada do crescimento do público do Nacional em 2017 – houve queda em 2016.

Durante os seminários, os diretores da UEFA Catalina Navarro e do Middlesbrough, Mark Ellis, expuseram como se deu a organização do futebol europeu nos últimos 25 anos. Estádios mais modernos e com serviços ao espectador, operações de jogo planejadas com metodologia e antecedência e erradicação da violência foram medidas adotadas na Liga dos Campeões e Premier League.

Além do sucesso comercial, as duas competições atingiram médias de público acima de 40 mil. O Brasileiro da Série A ficou em torno de 15 mil em 2016. Levantamento da UEFA aponta a liga brasileira como o 36o campeonato em média de público entre todos os esportivos o mundo, atrás de toda elite europeia e até da Segunda Divisão na Inglaterra.

Diretor de competições da CBF, Manoel Flores reconhece o atraso na organização, mas pede tempo para avançar.  “Eles (europeus) começaram em 1992. Começamos em 2014. Temos pressa e vamos chegar lá”. Ele conta com seu projeto de criar procedimentos padrões no Brasileiro, dentro e fora de campo.

Mas, em 2016, a CBF registrou um investimento de R$ 3,8 milhões no Brasileiro da Série A, um campeonato que gera mais de R$ 1 bilhão em receita de televisão. “Indiretamente é muito mais (o investimento). Temos a operação completa da Série A. Não é complexa como a deles”, defendeu-se Flores.

Ele afirmou que, se for questão de investimento a CBF, põe dinheiro. Mas até agora a entidade resiste a implantação do árbitro de vídeo por causa dos custos envolvidos. A UEFA tem equipes permanentes em estádios de clubes para planejar os dias de jogos, a da CBF é reduzida e hoje só trata de questões do campo.

Em seu projeto, a CBF prioriza primeiro a melhoria do campo de jogo. Primeiro, tirou pessoas do campo para limpa-los e criou um visual do Brasileiro. Agora, trabalha na qualidade do gramado.  “Eles (europeus) estão em um nível muito avançado. Estamos focados no campo de jogo que é gramado perfeito. Como chega? No máximo até o ano que vem. A gente vai ser muito mais incisivo no ano que vem”, contou Flores.

A parte de estrutura -estádios, finanças e parte esportiva do clube – será analisada pelo sistema de licenciamento da CBF. Sua base já foi divulgada, mas ainda faltam regras específicas para cada item. “Critérios de infraestrutra vão ser detalhados. A princípio, vai valer para 2018.” Teoricamente, poderia rebaixar times, mas dependerá do rigor da CBF.

Essas medidas devem impactar na média de público do Brasileiro aos poucos, segundo Flores. De acordo com ele, a média vem crescendo ano a ano. Na verdade, ela caiu em 2016 com a ausência do Maracanã e ficou em torno de 15 mil contra 17 mil de 2015. De fato, os clubes do Rio não puderam usar seu principal estádio.

“De 2010 a 2015, não falo do ano passado por que não teve Maracanã, de 2010 a 2015 o gráfico é crescente. Estava em 10, 11 mil e saltou para 17 mil. Era uma consequência do trabalho sendo feito pelos clubes também de tratar bem”, analisou Flores.

Seu recorte a partir de 2010 ignora que, em 2009, o Brasileiro teve média acima de 17 mil e melhor do que a de 2015. Isso deve-se também ao título do Flamengo.

“Vamos ver como se porta esse ano (o público). Pela pesquisa que fizemos, a questão de segurança sim, o nível de serviço, a atratividade do jogo. A CBF está fazendo isso. E está fazendo o que pode ser feito. Demora um tempo mais largo. Tudo isso é identificado. A média de público é a medida correta do sucesso”, contou. E exaltou os horários diferentes de jogos que, de fato, tiveram boa aceitação do público principalmente o de 11 horas da manhã de domingo.

O diretor da CBF diz ter pressa para evolução do Brasileiro, e promete que não vai se esperar 25 anos como ocorreu na Liga dos Campeões para chegar ao nível de excelência. Resta saber quanto a confederação está disposta a usar de seus cofres visto que investe menos de 1% de sua renda total no Nacional, e não resiste em liberar para que os clubes se organizem em liga. Há de se fazer uma ressalva de que esse investimento também tem que vir dos clubes que podem melhorar serviços ao público, times e segurança.


TVs se preparam para disputa por Champions e Libertadores no 2º semestre
Comentários Comente

rodrigomattos

As emissoras de televisão já se preparam para uma possível coincidência de disputas de direitos de televisão por Libertadores e a Liga dos Campeões no segundo semestre deste ano. A concorrência da competição da europeia já é certa, enquanto a da sul-americana deveria ocorrer na mesma época, embora a Conmebol não a tenha confirmado.

A Liga dos Campeões foi adquirida pelo Esporte Interativo em outubro de 2014 em concorrência com outras emissoras de TVs fechadas. O contrato é de três anos e irá até o meio do próximo ano (temporada 2018/2019). A nova concorrência está prevista para o segundo semestre deste ano, ainda sem data certa.

Entre os concorrentes, é certo a presença do próprio Esporte Interativo, além de provavelmente a ESPN e o Sportv. Não se sabe se a Fox Sports entrará nesta disputa.

O último contrato foi obtido com um pagamento superior a US$ 100 milhões por três anos. Houve uma concorrência de envelope fechado, o que se repetirá agora em 2017.

No caso da Libertadores, o cenário ainda é incerto. Mas a Conmebol já informou às emissoras que vai contratar uma empresa para montar uma concorrência para o contrato a partir de 2019. A expectativa é portanto que até o segundo semestre o modelo desse leilão esteja pronto e seja colocado em prática. Até porque as emissoras entendem que, depois disso, fica bem em cima do final do contrato.

A questão é que alguns executivos de televisões ainda se mostram descrentes sobre a intenção da Conmebol de executar a concorrência. A confederação sul-americana nunca executou uma disputa aberta, sempre vendendo os direitos de forma obscura. Por isso, foram constatados pagamentos de propina a dirigentes em contratos da entidade, em investigação feita pelo Departamento de Justiça dos EUA no “caso Fifa”.

Membros da cúpula da Conmebol dizem que já foi decidido que a concorrência ocorrerá por país, sem necessariamente haver divisão por plataforma. A participação de emissoras na disputa vai depender do modelo e da confiabilidade que a confederação sul-americana der ao processo. É certo que a Fox Sports e provavelmente a Sportv vão participar. Esporte Interativo e ESPN vão depender da concorrência.


Libertadores terá sorteio para oitavas de final como na Liga dos Campeões
Comentários Comente

rodrigomattos

Em sua reforma da competição, a Conmebol fará um sorteio para definir os confrontos das oitavas de final da Libertadores em vez de estabelecer os cruzamentos por posição. A informação é de um dos dirigentes que esteve presente na reunião da confederação sul-americana para definir as mudanças no torneio.

A reforma do campeonato foi baseada na consultoria Mckinsey que estabeleceu modificações para aumentar as receitas. Basicamente, foi copiado o modelo da Liga dos Campeões, já que a consultoria também trabalha para a UEFA.

E, dentre as premissas da liga, está a de evitar um confrontos entre os grandes times do continente logo de cara nas eliminatórias. Na Europa, o objetivo é evitar jogos entre Barcelona e Real Madrid ainda nas oitavas de final, por exemplo. Na América do Sul, haverá a mesma intenção: evitar um cruzamento entre um São Paulo e Corinthians logo de cara. E o sorteio costuma minimizar esse risco, segundo a consultoria.

Atualmente, os confrontos das oitavas-de-final são estabelecidos com o 1o pegando o 16o lugar, e assim por diante. Com isso, já houve confrontos entre Boca Juniors e River Plate, Flamengo e Corinthians, todos nesta primeira fase de mata-mata.

Entre as mudanças da Libertadores, está o aumento de 38 para 44 times. Com isso, o Brasil ganhou mais duas vagas na pré-Libertadores. Pelo relatório da consultoria, o país deveria ganhar ainda outra vaga extra, totalizando três. O objetivo é econômico de aumentar os ganhos da competição.

Mas houve uma resistência de outras confederações que entenderam ser excessivo que o país ficasse com oito postos na principal competição sul-americana. Por isso, foram duas vagas, dando uma para cada um dos outros países.


Brasileiro vira campeonato com mais times em ligas continentais no mundo
Comentários Comente

rodrigomattos

Ao dar duas vagas extras para o país na Libertadores, a Conmebol tornou o Brasileiro o campeonato que mais classifica times para ligas continentais no mundo. Nenhuma das cinco competições de continentes pelo planeta dá sequer um número próximo às sete vagas brasileiras concedidas pela confederação sul-americana.

A Conmebol decidiu inchar a Libertadores para 44 times, incluindo os 28 classificados para a fase de grupos e outros 16 na prévia à competição. Com isso, o Brasil ficou com sete vagas por razões comerciais, enquanto a Argentina ficou com seis. Antes, cada um tinha cinco times. A entidade alegou que houve motivos comerciais e tamanho de população.

Um levantamento do blog mostra que a situação é inédita nas outras cinco ligas. Na Europa, são no máximo quatro times por país, número que chega a cinco se o país tiver o campeão. É o caso da Espanha neste ano com cinco equipes – outros com quatro vagas são Alemanha e Inglaterra. Ficam com quatro vagas os países que atingem o maior coeficiente técnico da UEFA, misto de desempenho das agremiações e das seleções.

Outro exemplo é a Liga dos Campeões da Ásia, talvez a segunda mais organizada do mundo. Seu critério é técnico: desempenhos das seleções representam 30% do ranking de países, e os de clubes, 70%. Assim, cada um dos países mais representativos -Japão, Coréia do Sul, China, Arábia Saudita e Irã – fica com quatro vagas, sendo uma na fase prévia. São 32 equipes na fase de grupos.

A Liga dos Campeões da Concacaf é um pouco menor, com 24 times. Mas também há o respeito do limite de quatro times para os dois principais países, México e EUA. Há uma fase prévia para classificação dos países do Caribe.

Na África, a liga dos campeões do continente tem 58 times em um formato bem diferente das mais tradicionais. Há um grupo de países mais representativos, como Egito, África do Sul, Tunísia e Marrocos, que classificam dois times. A maioria das nações só tem uma vaga na competição.

Por fim, na Oceania, há a menor das competições: são apenas 12 times. A Nova Zelândia e a Nova Caledônia classificam dois times para o campeonato – a Austrália faz parte da confederação asiática.

No total, o Brasileiro dará 13 vagas para a Libertadores e Liga Sul-Americana. Para efeito de comparação, a Espanha tem sete na Europa se não tiver o campeão.

 


Por que a reforma da Libertadores copia o modelo da Liga dos Campeões
Comentários Comente

rodrigomattos

Com Pedro Ivo Almeida

A reforma da Libertadores tem uma série de medidas que se inspiram abertamente na Liga dos Campeões. Não é à toa. Seu principal objetivo é aumentar as receitas dos clubes por meio da valorização da competição, buscando justamente o processo ocorrido na Europa anos atrás.

O pacote de mudanças inclui a transformação da competição em anual, o aumento do número de participantes, padronizações para procedimentos de jogo e estádios e possivelmente uma final única. Essas alterações terão de ser aprovadas pelo Conselho Executivo da Conmebol, em reunião no domingo. A maioria deve passar porque os países já deram aval a elas.

Primeiro, vamos explicar como se deram as reformas. No final de 2015 e início de 2016, clubes de todo o continente, liderados por argentinos e uruguaios, criaram um grupo para exigir transparência da Conmebol sobre contratos da Libertadores. Afinal, três presidentes da entidade foram presos justamente por levar propinas para ceder esses direitos a televisões e empresas.

Times brasileiros ainda se reuniram em separado com a cúpula da Conmebol e pediram mudanças para tornar a competição mais atrativa e rentável, já que hoje dá menos dinheiro que alguns Estaduais.

Pressionado, o presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez, além de reajustar os prêmios, contratou a consultoria Mckinsey para realizar um estudo para aumentar receitas da Libertadores. O documento basicamente recomendou que se seguisse o modelo da Liga dos Campeões em vários aspectos, dizem fontes que tiveram acesso a ele.

No twitter, Dominguez afirmou que a emoção do futebol sul-americano era única e negou a cópia: “Calendário anual busca superar desafios do futebol sul-americano e melhorar a qualidade, não imitar.” Só que há muitos pontos em comum da nova Libertadores com a Liga dos Campeões. Vejam eles:

– Competição de fevereiro a novembro, anual e terminando no último mês da temporada.

– Final em jogo único – Está em discussão e divide opiniões na Conmebol. Mas, se acontecer, será em um sábado no final de novembro, exatamente como a Liga dos Campeões em maio.

– Aumento do número de clubes – Já está aprovado o incremento de 38 para 42 times, ainda a definir as vagas. A Liga dos Campeões tem três fases eliminatórias antes da de grupos e foi inflada pelo ex-presidente da UEFA Michel Platini que deu chance a países menores. Na América do Sul, com poucos países, o Brasil deve ser contemplado e ter seis vagas. Isso é uma diferença entre os dois modelos.

– Eliminados da Libertadores entram na Copa Sul-Americana – Essa mudança, já decidida, cria uma relação igual a da Liga dos Campeões e a Liga Europa. Os times eliminados do principal torneio europeu que ficam em terceiro no grupo têm direito a entrar na segunda competição em importância.

– Padronização de gramados e estádios – A Conmebol deseja instituir uma fiscalização para, aos poucos, melhorar e padronizar os estádios e gramados usados na Libertadores, como ocorreu na Europa.

– Procedimentos do dia de jogo – A UEFA tem uma série de medidas padrão para seus dias de jogo da liga: horário rígido, chegada de delegações, entrada de times juntos, estádios limpos de publicidade. Há a intenção da Conmebol de adotar um protocolo na Libertadores, alguns itens de publicidade já estão em vigor.